Memória: Dependências do Samdu nos anos 1950 - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga16/11/2018 | 07h30Atualizada em 16/11/2018 | 07h30

Memória: Dependências do Samdu nos anos 1950

Serviço de Assistência Médica Domiciliar de Urgência localizava-se na Rua Sinimbu e teve atividades suspensas poucos meses após a abertura, em 28 de fevereiro de 1954

Memória: Dependências do Samdu nos anos 1950 Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação/Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
A sala de pequenos curativos, onde os pacientes eram atendidos no início do Samdu Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Inaugurado em 28 de fevereiro de 1954, por ocasião da visita do presidente Getúlio Vargas a Caxias e da abertura da Festa da Uva, o Serviço de Assistência Médica Domiciliar de Urgência (Samdu) teve seu primeiro ano de funcionamento marcado por uma série de altos e baixos – incluindo aí até um breve período fechado.

Localizado na Rua Sinimbu, 1.213, defronte à antiga Auto Caxias (hoje Igreja Universal, entre a Guia Lopes e a Andrade Neves), o Samdu teve como primeiro diretor o médico Renato Metsavaht. O órgão era subordinado ao Ministério do Trabalho, então sob o comando do futuro presidente João Goulart, e mantido com recursos advindos de uma taxa especial recolhida pelos institutos de previdência. Com unidades em várias cidades do país, tinha por objetivo prestar serviço médico de urgência aos contribuintes dos institutos de pensões e aposentadorias. 

Em Caxias, o Samdu estendeu seus serviços também à população em geral e aos moradores do interior – graças à concessão de uma ambulância e de um auxílio extra, intermediado pelo prefeito Euclides Triches e pela Câmara de Vereadores. As verbas, no entanto, minguaram pouco tempo depois, tanto por parte da Previdência quanto pela prefeitura, que teria deixado de repassar os então Cr$ 300 mil assumidos em contrato. 

O resultado, conforme matéria do jornal Diário do Nordeste de 6 de novembro de 1954, foi o fechamento temporário dos serviços e um telegrama enviado pelo então diretor do Samdu no Rio Grande do Sul,  dr. Tasso Vieira de Farias, à Câmara de Vereadores, afirmando que a retomada só se daria com o pagamento dos débitos pela prefeitura.

O impasse foi resolvido no início de 1955, com a retomada dos serviços, agora em novos moldes: somente à noite, das 20h às 8h, e restrito aos contribuintes dos Institutos e Caixas de Aposentadoria – não mais à população em geral –, mantendo, porém, o atendimento a casos de urgência e acidentes em via pública. 

Leia mais:
Getúlio Vargas e a inauguração do Samdu em 1954
Homenagem nos 50 anos do curso de Medicina da UCS
100 anos do Hospital Pompéia: a trajetória do médico Renato Metsavaht
Morre o médico Renato Metsavaht, aos 86 anos  
Os 20 anos sem o doutor Henrique Ordovás Filho

Escritório e recepção do Serviço de Assistência Médica Domiciliar de Urgência, por volta de 1957Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
Uma das salas de atendimento dos pacientesFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
Almoxarifado: sala onde eram estocados materiais de escritório, limpeza e outros utensílios de uso diárioFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Modernos helicópteros

Matéria do Pioneiro de 4 de setembro de 1954 destacou as “novidades” do Samdu naqueles dias: a instalação de um serviço de rádio-transmissão, responsável por manter a filial de Caxias sempre em contato com a direção de Porto Alegre. 

Além disso, destacou a chegada, dali para breve, de uma frota de modernos helicópteros para o serviço no Rio Grande do Sul. Segundo o então diretor do Samdu em Caxias, dr. Renato Metsavaht, eles "possibilitarão atender imediatamente todos os casos que surjam no interior do município. Os helicópteros serão dotados de macas, que permitirão um mais rápido transporte de doentes".

Um dos quartos do Serviço de Assistência Médica Domiciliar de Urgência Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
A sala séptica e a de pequenos curativos, onde os pacientes eram atendidos no início do SamduFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
Cômodo trazia uma provável pintura feita pelo médico Darwin GazzanaFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Ensaio do Estudio Geremia

Nas imagens desta página, parte de um ensaio feito pelo Studio Geremia em finais dos anos 1950, onde foram destacados os vários espaços e a estrutura do prédio. Um dos cômodos (foto acima) muito provavelmente teve a pintura na parede feita pelo doutor e também artista plástico Darwin Gazzana, integrante da equipe médica. 

Leia mais:
Festa da Uva: os míticos carros alegóricos de Darwin Gazzana
Getúlio Vargas no Real Hotel em 1954
Monumento ao Imigrante: histórias dos últimos 60 anos
Getúlio Vargas e o inseparável guardião Gregório Fortunato
Um carro soberano na Festa da Uva de 1954
Festa da Uva de 1954: lembranças escritas à mão
Um relicário para Lucia Carbone: a chácara das famílias Ungaretti e Triches
Para recordar de Darwin Gazzana, o mago dos figurinos
Restaurante da Exposição em 1954
Festa da Uva: um novo pavilhão surge em 1954
Restaurante da Exposição: um churrasco para Martha Rocha em 1955
Mirante do Parque dos Macaquinhos em 1965  

Foto: Acervo Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução
Foto: Acervo Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

Na imprensa

Nas reproduções acima e abaixo, algumas matérias veiculadas nos jornais Pioneiro e Diário do Nordeste em 1954 e 1955, durante os primeiros meses de funcionamento do Samdu. Abaixo, a matéria do Pioneiro de 4 de setembro de 1954 destaca um ensaio feito pelo Studio Tomazoni Caxias, mostrando as dependências e a fachada do prédio, na Rua Sinimbu, 1.213.

Foto: Acervo Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução
Foto: Acervo Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução
Foto: Acervo Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução
Foto: Acervo Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / reprodução

Leia mais:
Pioneiro 70 anos: recordações impressas na memória
Pioneiro 70 anos: a capa da primeira edição em 1948
Pioneiro 70 anos: formatura dos contadores do Carmo em 1948
Pioneiro 70 anos: anúncios na estreia do jornal em 4 de novembro de 1948
Pioneiro 70 anos: de volta a 1952
Pioneiro 70 anos: termos em desuso, mas com o charme de época   

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros