Escola rural que funciona no interior de Caxias desde 1910 será fechada - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Educação29/11/2018 | 17h13Atualizada em 29/11/2018 | 17h47

Escola rural que funciona no interior de Caxias desde 1910 será fechada

Município justifica decisão devido à condição deteriorada do prédio; outras duas instituições rurais terão algumas séries encerradas

Escola rural que funciona no interior de Caxias desde 1910 será fechada Lucas Amorelli/Agencia RBS
Escola Municipal de Ensino Fundamental Dr. Liberato Salzano Vieira da Cunha, na Linha 40, pode ser reformada se a prefeitura conseguir a doação do terreno Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

O Conselho de Educação de Caxias do Sul publicou no Diário Oficial do Município da quarta-feira (28) parecer favorável ao encerramento das atividades da Escola Municipal de Ensino Fundamental Dr. Liberato Salzano Vieira  da Cunha a partir de 2019. A instituição, hoje com 11 estudantes, atende a comunidade da Linha 40, no interior do município, desde 1910, com turma multisseriada do 1º ao 5º ano. Desde 2003, tinha também Educação Infantil.

Leia mais
Quatro escolas estaduais de Caxias terão nova eleição de diretores na próxima semana
Escolas que foram reformadas, segundo a prefeitura, só tiveram reparos pontuais em Caxias

O fechamento partiu de solicitação da Secretaria Municipal da Educação. A pasta cita as condições precárias da estrutura da escola como razões: piso comprometido, telhado com infiltração, necessidade de cercamento da área e adequações para continuar atendendo a Educação Infantil. Como o imóvel não é do município, a prefeitura não pode investir no local. Os alunos serão realocados para a escola Luiza Morelli, no loteamento Maestra, com transporte pago pela prefeitura. De acordo com a secretária Marina Matiello, o terreno da instituição está em processo de doação. Quando o trâmite for concluído, é possível que a escola volte a funcionar. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 29/11/2018A escola Municipal de Ensino Fundamental Dr. Liberato Salzano Vieira, na linha 40, vai ser fechada pela prefeitura por problemas estruturais. A escola foi inaugurada em 1910 e fica na estrada municipal Vicente Menezes nº 2894. (Lucas Amorelli/Agência RBS)
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

— O prédio está tomado por cupins. Estávamos encaminhando o projeto de reforma e então se verificou que não terreno não estava no nome do município. Assim que se resolver, dependendo o número de alunos, podemos fazer a reforma e os alunos podem voltar — projeta. 

Na mesma edição do Diário Oficial, o Conselho também acata o pedido da prefeitura para deixar de oferecer algumas séries em outras escolas do interior. A partir de 2019, a Escola Municipal de Ensino Fundamental Aristides Rech, em Criúva, não ofertará mais  do 4º e 5º anos do Ensino Fundamental. Ali, Marina diz que há um problema de espaço. Como as famílias da região — mesmo quem não está mais próximo da escola — tendem a preferir a instituição municipal, que conta com Educação Infantil, em detrimento de outras duas escolas estaduais, há risco de que o espaço fique superlotado.

— Temos três salas, uma para Educação Infantil e outra para anos iniciais. Decidimos então encerrar a partir do quarto ano, depois do ciclo de alfabetização, dando prioridade para os pequenos. E os outros seguem para a escola do Estado dois anos antes — aponta. 

Já a Escola Municipal de Ensino Fundamental Vitório Rech Segundo, em Ana Rech, deixará de ofertar o 6º ano em 2019. Conforme a secretária, em geral as escolas rurais atendem até o 5º ano e a Vitório Rech era exceção.

— A partir do 6º ano, os alunos passam a ter vários professores. Alguns, de inglês, artes, educação física, têm um período semanal e perdiam de duas a três horas de deslocamento para ir a Ana Rech e depois para outras escolas — justifica.

A partir do ano que vem, já no sexto ano os alunos passarão para a Escola Estadual de Ensino Médio Irmão Guerini. Os estudantes também terão o transporte custeado. 

No final do ano passado, a prefeitura fechou três escolas rurais que tinham menos de 10 alunos: a Clóvis Beviláqua, em Fazenda Souza; a Felipe Camarão, em São João da 4ª Légua; e a Antônio Zanini, em Monte Bérico. Para o ano letivo de 2019, a secretária diz que não há situações semelhantes previstas. 

Leia também
Prefeitura de Caxias irá à Justiça para tentar reverter derrubada de vetos da lei do Financiarte
Comercial da Festa da Uva 2019 é lançado

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros