Rejane Tramontina: "Por que não eu? Pode acontecer com qualquer um" - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Câncer de mama10/10/2018 | 08h15Atualizada em 10/10/2018 | 08h15

Rejane Tramontina: "Por que não eu? Pode acontecer com qualquer um"

Empresária transforma luta contra a doença em inspiração nas redes sociais

Rejane Tramontina: "Por que não eu? Pode acontecer com qualquer um" Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Especialistas afirmam que o momento do diagnóstico do câncer costuma ser o mais doloroso e temido. É compreensível: a doença chega sem avisar, coloca em cheque sonhos e planos e desenha o imprevisível. 

Leia mais
Outubro ganha a cor da prevenção 

Com pacientes com tumores de mama, o que mais mata mulheres no Rio Grande do Sul, não é diferente. Pesquisas confirmam, porém, que pacientes otimistas, em geral, têm resultados mais positivos no tratamento oncológico. E há quem ensine como enfrentar esses medos de peito aberto. É o caso de Rejane Tramontina, 60 anos, integrante da  família que comanda a principal fabricante de artigos de cutelaria e equipamentos para o lar do país. 

Rejane compartilha sua luta nas redes sociais, e em troca de expor sua rotina aos seguidores, tem recebido doses de carinho suficientes para driblar qualquer efeito colateral.

— Quando contei à família, escutei da minha irmã, muito triste: "por que você, Nane? Você não merecia". Ouvi isso de tantos amigos, tantas pessoas que me ligavam chorando. Para elas, eu respondia sempre: "E por que não eu? Isso pode acontecer com qualquer um de nós" — ensina Rejane.

Ao apalpar a pele abaixo do braço, entre as costas e o seio direito, ela sentiu um nódulo insistente. A primeiro ecografia trouxe resultados surpreendentes: o caroço que  que ela sentia ao apalpar, no lado direito, era um pequeno cisto de gordura. O tumor cancerígeno, na verdade, foi descoberto por acaso, no seio esquerdo. A forma e o tamanho do nódulo, de quase três centímetros, indicaram a gravidade logo de cara. O diagnóstico chegou em maio, mesmo mês que ela fez a cirurgia para retirada do câncer, sem precisar danificar o tecido mamário. 

A necessidade de se submeter às sessões de quimio e radioterapia foi atestada pelos médicos. Os especialistas recomendaram que Rejane recorresse a exames modernos para identificar potencial genético e medir a capacidade do câncer voltar ao seu corpo — alguns destes exames já são, obrigatoriamente, pagos por planos de saúde. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 01/10/2018Rejane Tramontina, para o Outubro Rosa. (Lucas Amorelli/Agência RBS)
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Como a taxa de reincidência foi considerada alta, Rejane está indo ao hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, para as quimioterapias. Já encerrou o ciclo vermelho, considerado o mais agressivo, e se prepara para o próximo ciclo, desta vez, branco. A empresária sequer recorre a lenços para disfarçar a queda de cabelos, efeito colateral que costuma derrubar também a autoestima feminina. 

A cena que Rejane corta o cabelo, inclusive, está disponível em sua rede social, com milhares de visualizações. Junto do marido, Ildo, e da filha, Bruna, no vídeo, Rejane lembra que a queda de cabelos é, de longe, o menor dos problemas para quem teme a doença.

— Minha filha publicou o vídeo em que estou cortando o cabelo e, quando percebi, veio uma enxurrada de mensagens. Eu não entendia de onde vinha tanta ligação, tanto carinho. Espero que, assim, consiga encorajar mais mulheres. Ter fé em Deus e na vida é tudo que precisamos. Não podemos desistir — afirma.

"Não dê conselhos, escute"

Acompanhamento psicológico é fundamental para quem recebe o diagnóstico de câncer. Desde que a suspeita da doença chega ao conhecimento da paciente até a chegada do exame que pode confirmar o câncer e sua gravidade, é  importante que a pessoa possa externar o que sente a quem está próximo. Medos são comuns e a sensação pode ser atenuada se, além da família, psicólogos e demais profissionais estiverem presentes nesta etapa inicial.

— O relato do diagnóstico é, basicamente, de muito medo. Medo de morrer, medo dos tratamentos, dos efeitos colaterais, das cirurgias. É importante que o paciente possa falar e resignificar o que está vivendo. Há casos em que acontece negação. Assim, o fundamental é saber ouvir o paciente — ensina a psicóloga clínica do Hospital Geral (HG), Andréia Toscan.

No setor de oncologia do HG, por exemplo, todo paciente diagnosticado recebe avaliação inicial. O acompanhamento é estendido também aos familiares, importante peça para que o paciente saiba lidar com a notícia. Afinal, a família costuma sentir os mesmos medos de quem está enfrentando a doença.

— Respeitar o momento de cada um e ter a sensibilidade de perceber se esta pessoa está disposta a falar é o conselho ideal para o início da caminhada. Cada um lida de uma maneira: tem quem não gosta sequer de sair para não ter que explicar o que aconteceu. Escutar faz bem, e às vezes, é melhor que dar certos conselhos que podem ficar mais dolorosos — afirma a psicóloga. 

Todos os pacientes que passam por tratamento no HG têm direito ao serviço.

>> Verdades que parecem mitos

Por ser uma doença de alta incidência, há muitas informações desencontradas sobre o câncer de  mama que podem dificultar o diagnóstico. Veja as sugestões do oncologista Marcelo Cruz, do Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL):

# Obesidade e sedentarismo aumentam as chances de ter a doença
O excesso de peso, principalmente após a menopausa, faz com que o tecido gorduroso que se acumula no corpo produza estrogênio e aumente as chances da doença. A falta de uma rotina saudável, sem prática de exercícios, também pode dar brechas para o desenvolvimento do tumor. Além disso, consumir bebidas alcoólicas, mesmo que em pequenas quantidades, pode agravar as chances de ter.

# O autoexame deve ser feito após o período menstrual
Durante a menstruação, as mamas ficam mais enrijecidas e doloridas, dificultando a identificação de eventuais lesões. Por isso, o autoexame precisa ser feito a partir dos 20 anos de idade, de seis a sete dias após o início do período menstrual, quando a mama está menos sensível e mais flácida.

# Não é preciso ter histórico familiar para desenvolver o câncer de mama
Mais de 90% dos casos de câncer de mama não tem relação com história familiar. Apenas o fato de ser mulher faz com que a chance de desenvolver o tumor seja de 12%, independente de ter casos na família. A estimativa é de que uma em cada oito brasileiras de até 70 anos terão a condição.

# Amamentar protege a mulher do câncer de mama
Quanto menos a mulher for exposta à variações hormonais que ocorrem durante o ciclo mestrual, menores são as chances de ter a doença. Mulheres gestantes e  que amamentam seu filho, terão os ciclos interrompidos por longos períodos. Quanto maior o período de amamentação e o de número de filhos até 35 anos, maior é a prevenção. Além disso, quando o bebê mama, as células mamárias ficam ocupadas com a produção de leite e se multiplicam menos, o que reduz o risco de contrair a doença.

# Gravidez antes dos 30 anos previne câncer de mama
A gravidez previne o câncer de mama se ocorre antes dos 30 anos. Quanto menos a mulher menstruar menor é a chance de ter o câncer de mama. Ter filhos até esta idade e amamentar podem ajudar na prevenção.

# Mulheres em tratamento contra o câncer de mama não podem amamentar
Embora as células cancerosas não possam passar para o bebê através do leite materno, os médicos aconselham às mulheres que iniciam o tratamento com isótopos radioativos ou com quimioterapia parem de amamentar até que os elementos radioativos ou medicamentos sejam completamente eliminados do seu corpo.

Leia também
Postão 24 Horas de Caxias fechará para reformas em 16 de outubro
Médicos entregam representação no MP para denunciar improbidade administrativa no Postão  
Criadora de mistura usada contra a desnutrição ensina como aproveitar alimentos em Caxias 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros