Prefeitura de Caxias quer que Hospital Pompéia deixe de ser referência em traumato-ortopedia para a região - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Saúde11/10/2018 | 14h58Atualizada em 11/10/2018 | 15h09

Prefeitura de Caxias quer que Hospital Pompéia deixe de ser referência em traumato-ortopedia para a região

Secretário da Saúde enviou ofício solicitando que parte das cirurgias de urgência e emergência e eletivas não sejam mais realizadas na cidade

Prefeitura de Caxias quer que Hospital Pompéia deixe de ser referência em traumato-ortopedia para a região Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Se depender da prefeitura de Caxias do Sul, o Hospital Pompéia deixará de servir de referência regional para atendimentos de traumato-ortopedia de alta complexidade. O secretário municipal interino da Saúde, Júlio César Freitas da Rosa, enviou ofício à 5ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS) solicitando a revogação da resolução que pactua o serviço.

Leia mais
Municípios buscam aumento de cirurgias de traumatologia e ortopedia na Serra

No documento, o secretário diz que o município não tem interesse em manter os atendimentos de urgência e eletivos no hospital para as regiões de Saúde 25, Vinhedos e Basalto, e 26,  Uva e Vales, que correspondem a 34 municípios da Serra. 

A justificaria seria a capacidade instalada do município, o recurso financeiro disponível para os atendimentos, a demanda reprimida atual e o tempo médio de espera para cirurgia. 

Com a decisão, o recurso repassado pelo governo do estado para os procedimentos ficaria à disposição da 5ª CRS. A titular da Coordenadoria, Solange Sonda, diz ter recebido o ofício na manhã desta quinta-feira (11), justamente antes de uma reunião entre municípios que discutiria o aumento da disponibilidade de  cirurgias de traumatologia e ortopedia na região.

— Nós tivemos uma reunião na CRS (no dia 1°), com o então secretario Geraldo (da Rocha Freitas Júnior), a administração do Hospital Pompéia e alguns secretários municipais de saúde, já pactuando a questão da traumato. Hoje, a gente só apresentaria aos demais secretários. Agora, vamos ter que analisar, porque foi uma decisão apenas do município de Caxias — aponta. 

O Pompéia realiza atendimentos na traumatologia para 49 municípios. Como contrapartida, recebe repasse de cerca de R$ 168 mil mensais, conforme Solange, além de outros valores. 

— No ofício ele (o secretário) coloca até que abre mão de valores. O hospital recebe R$ 300 mil por ser portas abertas (manter pronto-socorro  onde a população é atendida imediatamente) e as próprias emendas parlamentares que o Pompeia recebeu foi por ser um hospital regional — reclama. 

O Pioneiro entrou em contato com o superintendente do Pompéia, Francisco Ferrer. Ele afirmou não ter conhecimento da decisão da prefeitura de Caxias. 

Segundo Solange Sonda, sem o Pompéia, as duas regiões da saúde perdem o acesso à atendimentos de alta complexidade na urgência e emergência. Ela acredita que uma média de 10 procedimentos por mês sejam realizados no local. 

O Hospital Tacchini, de Bento Gonçalves, e São Carlos, de Farroupilha, realizam procedimentos de média complexidade na área. A titular da 5ª CRS considera a decisão unilateral e diz que vai acionar o Ministério Público com os outros municípios para buscar alternativas. 

— A gente sempre está à disposição para conversar, mas infelizmente o gestor de Caxias do Sul não senta para discutir. Existem pactuações a serem respeitadas. A reação de todos os secretários foi de indignação, até porque eles batalham juntos por recursos do Hospital Pompéia.

Por meio de nota enviada às 14h52min desta quinta, a Secretaria da Saúde de Caxias informa que propõe uma "redistribuição de recursos para que outra cidade passe a ofertar atendimento" para parte dos municípios da região. 

 A pasta diz que o município recebe do governo federal R$ 273 mil por mês para atender mais de 1 milhão de habitantes, valor que não seria reajustado desde 2005. 

Na nota, o secretário interino Júlio César Freitas da Rosa diz que a capacidade instalada do município está esgotada e que há uma demanda reprimida que gera fila de espera para cirurgia eletiva de até 14 meses. Por isso, quer que o Estado indique outro município para ser referência às microrregiões. Desta maneira, Caxias seguiria sendo referência para as regiões Caxias e Hortênsias e Campos de Cima da Serra, com 15 municípios. 

Leia também
Agroindústrias de Caxias do Sul buscam certificação para vender em todo o Brasil
Veja o que abre e o que fecha no feriado desta sexta-feira em Caxias

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros