Memória: Miniaturas que resgatam a história de antigas vinícolas - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga15/10/2018 | 07h30Atualizada em 15/10/2018 | 08h02

Memória: Miniaturas que resgatam a história de antigas vinícolas

Colecionador Abba Franco estima coleção de cerca de 500 garrafinhas de empresas como Mosele, Antunes, Aliança, Vinícola Riograndense e Adega Nossa Senhora de Lourdes

Memória: Miniaturas que resgatam a história de antigas vinícolas Diogo Sallaberry / Agência RBS/Agência RBS
Exemplares como o antigo Frisante Imperial Tinto da Cantina Antunes integram a coleção Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS / Agência RBS

Mosele, Antunes, Riograndense, Formolo, Granja União, Luiz Michielon, Cooperativa Vinícola Garibaldi, todas fizeram história no setor vitivinícola da Serra e do Brasil no decorrer do século 20. E todas souberam propagandear sua imagem em milhares de brindes e souvenires, hoje verdadeiras peças de colecionador. Que o diga o comerciante de antiguidades Abrahão Franco, o Abba, 27 anos.

Na sala da casa do bairro Rio Branco, Abba não apenas "forra" as estantes com suas garrafinhas. Reconhece, um por um, os cerca de 500 exemplares de uma coleção de miniaturas iniciada "há muito tempo". Sim, desde a infância ele garimpa peças, muito por influência do pai, o também colecionador e comerciante de objetos antigos Renato Franco, 68. Talvez por isso imediatamente o jovem corrija algum distraído que não perceba as diferenças entre um e outro rótulo — como o colunista e o fotógrafo Diogo Sallaberry. 

— Cada detalhe revela uma diferença, uma cor, um desenho, um formato de letra. Sempre algo muda, cada uma é uma. Isso é bem coisa de colecionador — explica Abba. 

A coleção é completada ainda por centenas de chaveiros, copos, taças, abridores, saca rolhas, miniengradados e toda sorte de objetos que fazem referência ao setor vitivinícola, a refrigerantes e a fábricas de bebidas. Ah, o melhor de tudo, todo esse acervo não é estático. Abba garimpa, recebe doações e também negocia. 

O espaço Abba Antiguidades fica na Rua Raimundo Tronchini, 402, bairro Rio Branco, próximo ao acesso ao Kaiser. Mais informações: (54) 99210.6423. 

 Leia mais:
Lembranças da Vinícola Mosele
Vinhos Raposa: um clássico da Mosele
Demolição da Vinícola Mosele em 1981
Cooperativa Vinícola Caxiense em 1960
Estação Férrea em 1958 

Colecionador e comerciante de antiguidades Abba Franco e seu acervo de cerca de 500 miniaturasFoto: Diogo Sallaberry / Agência RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS
O Vermute Branco e o Vinho Velho, dois clássicos da Adega Nossa Senhora de Lourdes, da família FormoloFoto: Diogo Sallaberry / Agência RBS

Vimbão, um clássico

Entre tantas raridades da coleção de Abba, miniaturas da lendária Adega Nossa Senhora de Lourdes, de propriedade da família Formolo. Temos aí exemplares do clássico Vimbão, do vinho tinto Formolo, do Barbera, do Quinado e do Rosado Seco. 

Localizada na Rua Sinimbu, 386, no bairro homônimo, a empresa foi fundada em 1942, mas sua trajetória remete aos primórdios da colonização italiana na Serra. Mais especificamente a 1878, quando chegou por aqui o imigrante José Formolo, responsável pelo plantio dos primeiros parreirais da família _ que dariam origem ao negócio comandado pelo filho Montrose Formolo e pelos sócios Argemiro e Euzebio Formolo, a partir da década de 1940. 

Além dos citados acima, a empresa produzia ainda o Vermute Branco, o Vinho Velho (tipo Porto) e o Três Folhas, entre dezenas de outros (miniaturas da foto acima).

Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS
Abba Franco mostra parte de seu acervo, que inclui miniaturas, chaveiros, abridores e saca-rolhasFoto: Diogo Sallaberry / Agência RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS
Colecionador mantém acervo no bairro Rio BrancoFoto: Diogo Sallaberry / Agência RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS

Leia mais:
Vinícola Adega Pezzi em 1933
Nos tempos da Cantina Antunes
A Quinta São Luiz e o Quinta Estação
Cooperativa Vinícola São Victor nos anos 1950
Trajetória da família Zandomeneghi 

Publicação de 1957 destacou a produção da Adega Nossa Senhora de LourdesFoto: Rodrigo Lopes / Especial

Relatos de 1957

A Adega Nossa Senhora de Lourdes foi uma das tantas empresas perfiladas no livro Caxias do Sul - A Metrópole do Vinho, lançado em 1957 pelo jornalista Duminiense Paranhos Antunes. Além de destacar a produção de 60 anos atrás, a reportagem trazia fotos das chamadas pipas-balseiros, com capacidade para 185 mil litros, e alguns dados relativos ao início da produção vitícola da família e seu reconhecimento público: 

"Na exposição de 1916 era a família Formolo premiada com uma medalha de bronze, por ter oferecido a melhor uva branca". 

Foto: Rodrigo Lopes / Especial
Foto: Rodrigo Lopes / Especial

Leia mais:
Irmãos Paranhos Antunes visitam Caxias do Sul em 1952
Christiano Carpes Antunes: Rua Do Guia Lopes no Boletim Eberle em 1958
Chaminés, as sobreviventes das alturas
Ensaio da semana: as antigas chaminés industriais de Caxias
Ruínas da Cantina Antunes nos anos 1980
Cervejaria Leonardelli e a clássica cerveja Pérola
Caxias antiga: Quando o trem cortava a cidade  
Lanifício Gianella em imagens e lembranças
Cobertores que fizeram a fama do Lanifício Gianella

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros