"Houve a invasão do serviço, isso é um crime", diz prefeito de Caxias sobre protesto de servidores no Postão - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Saúde02/10/2018 | 16h26Atualizada em 03/10/2018 | 11h10

"Houve a invasão do serviço, isso é um crime", diz prefeito de Caxias sobre protesto de servidores no Postão

Daniel Guerra criticou manifestação e não respondeu se Pronto-Atendimento fechará para as reformas

"Houve a invasão do serviço, isso é um crime", diz prefeito de Caxias sobre protesto de servidores no Postão Lucas Demeda / Agência RBS/Agência RBS
Foto: Lucas Demeda / Agência RBS / Agência RBS

Desde que se cogitou a interrupção das atividades do Pronto-Atendimento 24 Horas (Postão) para reformas, na última sexta-feira (28), a prefeitura de Caxias do Sul não se manifestou sobre o assunto. Na tarde desta terça-feira (2), em meio a protestos na frente da unidade e o cancelamento de uma assembleia do Secretário Municipal da Saúde com os servidores do local, o Pioneiro questionou o prefeito Daniel Guerra (PRB), que participava da abertura da Mercopar, sobre o fechamento do Postão. 

Leia mais
Prefeitura cancela assembleia que teria com servidores do Postão nesta terça-feira
Postão de Caxias segue atendendo pacientes que chegam à unidade
HG confirma que receberá pacientes do Postão de Caxias que deve fechar para obras
Conselheiros de Saúde protestam contra fechamento do Postão 24H em Caxias
Postão de Caxias deve fechar para reforma

Perguntado três vezes, Guerra não respondeu se o Postão terá de fechar para as obras que visam transformar a unidade em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) nível três III. O prefeito se limitou a enumerar as conquistas da administração municipal da área da saúde e a dizer que o usuário do serviço não ficará desassistido. 

— Nós estamos dando um passo importantíssimo no Postão, que tem uma infraestrutura inadequada e passa por uma reforma, que seremos bastante firmes na fiscalização. O foco principal é o nosso usuário, que seja garantido de forma permanente um serviço de qualidade — declara. 

O prefeito também condenou com veemência o protesto de servidores, sindicalistas e integrantes do Conselho Municipal de Saúde realizado no Postão durante esta terça-feira.

— Nós lamentamos profundamente o desrespeito ocorrido na data de hoje, não se pode admitir isso com os nossos usuários, que foram afrontosamente atacados. Inclusive dificultou-se o atendimento de pessoas que necessitavam.

Segundo Guerra, os manifestantes invadiram a unidade e serão responsabilizados por isso.

— Houve a invasão de um serviço de urgência e emergência, isso é um crime, e nós iremos tomar todas as medidas, como já estamos tomando, para normalização imediata e o restabelecimento da ordem. Isso não é manifestação, isso é anarquia — reforça.

Às 16h, o prefeito tinha reunião marcada com vereadores para esclarecer a situação do Postão. O encontro ocorre na prefeitura, com portas fechadas.

Confira a entrevista com o prefeito Daniel Guerra:

Leia também
A poucos dias das eleições, entenda como a urna eletrônica funciona e saiba por que é segura
O Brasil que cantamos: músicas que apostaram em um futuro melhor para o país

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros