Memória: Reno Mancuso, selfies e truques nos anos 1950 - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga17/09/2018 | 07h30Atualizada em 17/09/2018 | 07h30

Memória: Reno Mancuso, selfies e truques nos anos 1950

Fotógrafos da antiga costumavam recorrer a experimentos para seduzir consumidores ou simplesmente se divertir nos laboratórios

Memória: Reno Mancuso, selfies e truques nos anos 1950 Reno Mancuso / Acervo pessoal de Renan Carlos Mancuso, divulgação/Acervo pessoal de Renan Carlos Mancuso, divulgação
Domingos Mancuso, filho mais velho de Reno Mancuso e que recebeu o mesmo nome do avô, foi modelo em várias fotos e experimentos no estúdio, nos anos 1940 Foto: Reno Mancuso / Acervo pessoal de Renan Carlos Mancuso, divulgação / Acervo pessoal de Renan Carlos Mancuso, divulgação

Selfies não são coisas do mundo digital, muito menos do século 21. Bem pelo contrário. Reflexos, fusões, autoimagens, montagens e dezenas de outros artifícios foram experimentados por centenas de fotógrafos ao longo do século 20. Em Caxias do Sul, nas mais diversas épocas, nomes como Ulysses Geremia, Julio Calegari, Ary Cavalcanti, Clemente Tomazoni, Mauro De Blanco e Reno Mancuso, entre outros, costumavam recorrer a truques e "brincadeiras" para seduzir os consumidores ou simplesmente se divertir no laboratório.

Nos registros desta página, algumas experiências feitas pelo fotógrafo Reno Mancuso (1919-1974) entre os anos 1940 e 1950. Na imagem acima, Reno "triplica" o filho mais velho, Domingos Mancuso (mesmo sobrenome do avô italiano) durante a revelação. Na sequência, outro experimento em família, numa época em que cigarros e charutos transitavam livremente nas fotos com crianças. Por fim, Reno registra o filho Sergio Prates Mancuso e "revela-se" no espelho sobre o balcão. 

Leia mais:
Casamento de Reno Mancuso em 1941
Caxias pelas lentes do fotógrafo Reno Mancuso
Mauro De Blanco e o Inferno de Dante em 1952
Para recordar do Studio Geremia
Studio Tomazoni e a inauguração do Monumento ao Imigrante em 1954

Foto: Reno Mancuso / Acervo pessoal de Renan Carlos Mancuso, divulgação
Reno Mancuso revela-se no espelho ao fotografar o filho Sérgio no atelier Foto Mancuso, no início dos anos 1950Foto: Reno Mancuso / Acervo pessoal de Renan Carlos Mancuso, divulgação

O estúdio

No início da década de 1950, o estúdio Foto Mancuso localizava-se na Av. Júlio de Castilhos esquina com a Rua Garibaldi, junto ao sobrado da antiga Farmácia Confiança. Conforme Renan Carlos Mancuso, filho caçula de Reno, além do estúdio, o pai mantinha uma pequena loja de materiais fotográficos e ópticos.

Recentemente, o filho, que mantém o blog www.caxiaspormancuso.blogspot.com, comentou a imagem:

"Nas máquinas antigas, havia uma espécie e controle remoto que consistia em um cabo, acho que de aço. Uma mola comprida era enrolada no cabo e um botão em uma das extremidades, que ao apertar empurrava o cabo, que acabava clicando o botão da máquina. Era mais ou menos assim, lembro que meu pai tinha um desses. Meio arcaico, mas dava umas selfies. Algumas vezes eles aumentavam o tempo e abertura o diafragma e saiam correndo para se juntar ao resto da família. Muitas vezes não dava tempo e só aparecia o vulto do cara tentando se posicionar".

Leia mais:
Studio Geremia: parceiro da coluna Memória
Bomboniére Maratá na Av. Júlio de Castilhos em 1943
Os antigos quiosques da Praça Dante Alighieri
Armazém de Antonio Boz nos anos 1940
Casarão de Germano Parolini na Av. Júlio
Varejo do Eberle: um clássico do Centro 

Reno Mancuso e seu irmão Cyro em 1937Foto: Domingos Mancuso / Acervo pessoal de Renan Carlos Mancuso, divulgação

De pai para filho

Um dos perfilados do livro O Instante e o Tempo, lançado em 2015 pelo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, o fotógrafo Reno Mancuso deu sequência ao ofício que também marcou a trajetória profissional do pai, o italiano Domingos Mancuso (1885-1942).

Livro O Instante e o Tempo: uma cidade, múltiplos olhares 

Se Domingos registrou a cidade e a região nos primórdios do século 20, principalmente a época da chegada do trem, em 1910, Reno tratou de eternizar Caxias a partir de 1937, quando assumiu o estúdio – localizado na Rua Sinimbu, entre a Visconde de Pelotas e a Dr. Montaury, nas imediações da Galeria Fonini. 

Era o período em que a cidade começava a se modernizar, recebendo calçamento nas ruas centrais, casas de alvenaria, um crescente número de estabelecimentos comerciais e os primeiros prédios residenciais. Atuando inicialmente como retocador e auxiliar do pai, Reno tomou a linha de frente do atelier Mancuso Caxias após Domingos perder parte da visão, em decorrência do contato com os produtos químicos do laboratório.

No início dos anos 1940, ele transferiu o estúdio para a Av. Júlio de Castilhos, ao lado do Clube Juvenil.  Posteriormente, o estúdio migrou para a Avenida Júlio, esquina com a Rua Garibaldi.

Na imagem acima, Reno e seu irmão Cyro Mancuso por volta de 1937, no atelier Foto Mancuso Caxias. A imagem foi uma das últimas feitas por Domingos Mancuso.

Leia mais:
Domingos e Reno Mancuso: as antigas agências bancárias de Caxias
Banco da Província do Rio Grande do Sul na Avenida Júlio
Ferragem Caxiense em 1947
Vandalismo atinge o Arquivo Histórico Municipal
Doações enriquem acervo do Arquivo Histórico e auxiliam pesquisas
Arquivo Histórico Municipal celebra 40 anos 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros