Memória: Encontro da classe de 1949 do 3º Grupo de Canhões Automáticos Antiaéreos 40mm - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga11/09/2018 | 07h30Atualizada em 11/09/2018 | 17h31

Memória: Encontro da classe de 1949 do 3º Grupo de Canhões Automáticos Antiaéreos 40mm

Almoço especial marca os 50 anos de incorporação do grupo, em 1968

Memória: Encontro da classe de 1949 do 3º Grupo de Canhões Automáticos Antiaéreos 40mm Acervo pessoal  / divulgação/divulgação
Vila Seca em 1968: cabo Celso, soldados Secundino Biasoli e Anselmo Suliani, tenente Souza Nunes e soldados Roberto Luiz Rasia e Meng. Foto: Acervo pessoal / divulgação / divulgação

Em 2018, quando o 3º Grupo de Artilharia Antiaérea celebra os 100 anos da chegada do Exército em Caxias, a turma da classe de 1949 comemora outra data emblemática: os 50 anos da incorporação, em 1968, quando o quartel ainda atendia pela denominação 3º Grupo de Canhões Automáticos Antiaéreos 40mm . Para tanto, os antigos colegas de caserna reúnem-se neste domingo (16), durante um almoço no Restaurante BonaPetti, bairro Cidade Nova.

Alvino Brugalli e uma vida dedicada ao quartel 

Conforme o leitor Celestino Volpato, em 1968, os soldados participavam de constantes treinamentos no interior do distrito de Vila Seca. É de uma dessas atividades o registro acima, em que seis integrantes posam em frente a um caminhão de 1942. Da esquerda para a direita estão o cabo Celso, os soldados Secundino Biasoli e Anselmo Suliani, o tenente Souza Nunes, e os soldados Roberto Luiz Rasia e Meng.

O encontro de domingo ocorre a partir das 11h. Mais informações e contatos pelo e-mail celestinovolpato@outlook.com.br.

Leia mais:
Desastre aéreo mobiliza o quartel em 1975
O incêndio do avião Duque de Caxias em 1950
3º Grupo de Canhões Automáticos Antiaéreos 40mm nos anos 1950
Encontro de reservistas da classe de 1946
Quartel de Caxias na Olimpíada Militar de 1951
Encontro dos reservistas da classe de 1948 

Desde 1918 

A presença do Exército Brasileiro em Caxias do Sul remete a 1918, quando o Tiro de Guerra n° 248, instalado na cidade em 1911, foi incorporado à instituição federal — a unidade era formada por moradores conhecidos de Caxias do Sul, entre eles o intendente José Pena de Moraes e o professor Apolinário Alves dos Santos. A construção do quartel como conhecemos hoje teve início em 1922. Já entre 1927 e 1949, o complexo do bairro Rio Branco sediou o antigo 9° Batalhão de Caçadores, seguido do 1° Grupo do 4° Regimento de Artilharia Antiaérea, instalado em 15 de abril de 1950.

Em agosto do mesmo ano, ele foi transformado no 3° Grupo de Canhões Automáticos Antiaéreos 40mm, cujo objetivo era treinar militares em táticas para a derrubada de aviões com uso armas pesadas em apoio à Força Aérea Brasileira. Cerca de duas décadas depois, em janeiro de 1973, por meio de uma portaria ministerial, o nome foi mudado para 3° Grupo de Artilharia Antiaérea, que permanece até hoje. Parte dessa trajetória pode ser conferida em um museu junto ao Pavilhão de Comando. O local também recebe visitas de escolas e grupos, mediante agendamento pelo fone 3226.1222. 

Entre tantas histórias, uma recentemente surpreendeu a corporação: em 17 de julho último, o comando do quartel desenterrou uma espécie de cápsula do tempo de 96 anos. A urna, localizada junto a um marco de concreto no jardim (foto abaixo), continha exemplares dos jornais "O Brasil" e "A Federação" de abril de 1922, quando foi lançada a pedra fundamental. Na caixa havia quatro moedas de réis, um relatório da construtora responsável e a ata de início das obras.  

Cápsula do tempo de 1922 foi localizada junto a marco histórico no jardim do quartelFoto: Coronel Leandro Fernandes Moraes / divulgação

Leia mais:
Documentos de quase um século atrás são localizados no quartel de Caxias
3º Grupo de Canhões Automáticos Antiaéreos em 1971
Reservistas de 1967 do 3º Grupo de Canhões Automáticos Antiaéreos 40mm
Reservistas da classe de 1943 celebram em Bento Gonçalves 

Participe da coluna

Você possui fotos antigas de Caxias ou está organizando algum encontro de  família, escola ou quartel? Envie imagens em alta resolução e um breve histórico para o e-mail rodrigolopes33@gmail.com.

Leia mais:
Pioneiro 70 anos: anúncios na estreia do jornal em 4 de novembro de 1948
Pioneiro 70 anos: de volta a 1952  
Pioneiro 70 anos: expressões em desuso, mas com o charme da época

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros