Memória: Cobertores que fizeram a fama do Lanifício Gianella  - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga14/09/2018 | 07h30Atualizada em 14/09/2018 | 09h54

Memória: Cobertores que fizeram a fama do Lanifício Gianella 

Exposição "Tecendo Histórias Vestindo Gerações" chega ao Instituto Hércules Galló neste sábado e traz, além de fotos e peças antigas, um clássico dos estandes da Festa da Uva 

Memória: Cobertores que fizeram a fama do Lanifício Gianella  Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação/Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
As clássicas caminhas e os cobertores no estande do Lanifício Gianella durante a Festa da Uva de 1965. Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Um século após terem trabalhado juntos, Hércules Galló e Matteo Gianella voltam a "se encontrar" em Galópolis. Será durante a itinerância da exposição Tecendo Histórias Vestindo Gerações, que chega ao Instituto Hércules Galló neste sábado, após a bem-sucedida temporada no Shopping Bourbon San Pellegrino, em junho.

A mostra em Galópolis "sela" uma parceria que teve início por volta de 1910, quando o italiano Matteo Carlo Gianella chegou a América do Sul. Aos 18 anos e já atuando como técnico especializado em fiação e tecelagem, o jovem estabeleceu-se inicialmente em Buenos Aires, de onde, em 1914, migrou para o Brasil. A convite do não menos visionário Hércules Galló, Matteo passou a ser um dos diretores do Lanifício São Pedro. A breve atuação em Galópolis acabou contribuindo para que, em 1915, ele instalasse – juntamente com o apoio da mulher, Ermelinda Viero Gianella – sua própria fábrica, no então Arrabalde de Santa Catarina.

— É uma feliz coincidência trazermos a exposição para o Instituto Hércules Galló, que resgata a trajetória do empresário que auxiliou o meu bisavô no início — conta o bisneto Gabriel Gianella Mondadori, responsável pela mostra juntamente com a irmã, Eleonora Gianella, e os irmãos Renato Sólio e José Galló, descendentes de Hércules.

Irmãos Gianella: envoltos por uma história iniciada e 1915
Anos de indefinição deixam Lanifício Gianella em ruínas

Além de fotografias e uma detalhada linha do tempo da família e do lanifício, o público poderá conferir também raridades, como o relógio de bolso de Matteo, novelos de lã da Fiação Ermelinda Gianella, palas, ponchos, capas, cobertores, rocas e dezenas de outros souvenires referentes ao mítico complexo do bairro Santa Catarina.

Leia mais:
Lanifício Gianella em imagens e lembranças
Lanifício Gianella: um século de história
Lanifício Gianella e outros anúncios na estreia do Pioneiro em 1948
Galópolis: um museu a céu aberto
Museu de Território de Galópolis: uma viagem à infância
Museu de Território de Galópolis: um vínculo comunitário
Exposição Janelas de Galópolis destaca a arquitetura típica do bairro

O estande com os bonecos e as camas (à direita) na Festa da Uva de 1978Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
O estande do Laníficio com os bonecos e os cobertores na Festa da Uva de 1986Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
O estande do Laníficio com os bonecos e os cobertores na Festa da Uva de 1986Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Boneco com frio versus boneco aquecido

Um dos destaques da exposição é a releitura de uma das peças publicitárias mais lembradas pelos antigos consumidores dos produtos Gianella: as caminhas com os famosos cobertores de lã. Nos estandes do lanifício nas festas da Uva dos anos 1960, 1970 e 1980, eles eram dispostos sobre um par de bonecos infantis. Um dos manequins, aquecido e quentinho, usava o cobertor Gianella. O outro, que "tremia de frio" graças a uma engenhoca atrelada à cama, usava um cobertor comum. 

São dessa super sacada de marketing do passado os registros desta página, integrantes do acervo do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami. Na foto que abre a matéria, as caminhas e os bonecos no moderno estande do Lanifício Gianella na Festa da Uva de 1965, ainda no pavilhão da Rua Alfredo Chaves. Na sequência, um registro de 1978 e dois de 1986. Por fim, a releitura integrante da exposição. 

Leia mais:
Ranchos no Lanifício Gianella em 1941
Lanifício Gianella na Festa da Uva de 1965
Os 60 anos da Paróquia Santa Catarina
Moinho da Cascata: um ícone da imigração
Livro O Instante e o Tempo: uma cidade, múltiplos olhares  

A releitura dos bonecos e das camas na exposição de 2018Foto: Gabriel Gianella Mondadori / divulgação
A releitura dos bonecos e das camas na exposição de 2018Foto: Fernando Dai Prá / divulgação

Um clássico de volta 

Os famosos cobertores, mantas, ponchos, palas e cachecóis de lã que fizeram a fama do Lanifício Gianella voltaram a ser comercializados pelos irmãos Gabriel e Eleonora Gianella, bisnetos de Matteo. As peças, que saíram de circulação há 28 anos, podem ser encontradas agora na loja física Gianella & Mondadori, no primeiro andar do Shopping Bourbon San Pellegrino, e também pelo endereço www.gianellaemondadori.com.br.      

Agende-se

:: O que: mostra Tecendo Histórias, Vestindo Gerações, sobre o Lanifício Gianella
:: Quando: abertura neste sábado, às 15h. Visitação até 15 de dezembro, de terça a sábado, das 13h30min às 17h30min.
:: Onde: Instituto Hércules Galló (BR-116, 1.579 - Galópolis). Fone: 3028.2810  
:: Quanto: entrada franca

Leia mais:
Tecelagem Irmãos Panceri em 1948
Cervejaria Leonardelli, fabricante da clássica Cerveja Pérola, em 1952
Para recordar da Cerveja Pérola
Cervejaria Leonardelli: rótulos que fizeram história
Chaminés: as sobreviventes das alturas
Veronese: um século de história  
Lembranças da Rua Alfredo Chaves
Rua Alfredo Chaves em 1965 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros