Memória: Cobertores que fizeram a fama do Lanifício Gianella  - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga14/09/2018 | 07h30Atualizada em 14/09/2018 | 09h54

Memória: Cobertores que fizeram a fama do Lanifício Gianella 

Exposição "Tecendo Histórias Vestindo Gerações" chega ao Instituto Hércules Galló neste sábado e traz, além de fotos e peças antigas, um clássico dos estandes da Festa da Uva 

Memória: Cobertores que fizeram a fama do Lanifício Gianella  Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação/Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
As clássicas caminhas e os cobertores no estande do Lanifício Gianella durante a Festa da Uva de 1965. Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

Um século após terem trabalhado juntos, Hércules Galló e Matteo Gianella voltam a "se encontrar" em Galópolis. Será durante a itinerância da exposição Tecendo Histórias Vestindo Gerações, que chega ao Instituto Hércules Galló neste sábado, após a bem-sucedida temporada no Shopping Bourbon San Pellegrino, em junho.

A mostra em Galópolis "sela" uma parceria que teve início por volta de 1910, quando o italiano Matteo Carlo Gianella chegou a América do Sul. Aos 18 anos e já atuando como técnico especializado em fiação e tecelagem, o jovem estabeleceu-se inicialmente em Buenos Aires, de onde, em 1914, migrou para o Brasil. A convite do não menos visionário Hércules Galló, Matteo passou a ser um dos diretores do Lanifício São Pedro. A breve atuação em Galópolis acabou contribuindo para que, em 1915, ele instalasse – juntamente com o apoio da mulher, Ermelinda Viero Gianella – sua própria fábrica, no então Arrabalde de Santa Catarina.

— É uma feliz coincidência trazermos a exposição para o Instituto Hércules Galló, que resgata a trajetória do empresário que auxiliou o meu bisavô no início — conta o bisneto Gabriel Gianella Mondadori, responsável pela mostra juntamente com a irmã, Eleonora Gianella, e os irmãos Renato Sólio e José Galló, descendentes de Hércules.

Irmãos Gianella: envoltos por uma história iniciada e 1915
Anos de indefinição deixam Lanifício Gianella em ruínas

Além de fotografias e uma detalhada linha do tempo da família e do lanifício, o público poderá conferir também raridades, como o relógio de bolso de Matteo, novelos de lã da Fiação Ermelinda Gianella, palas, ponchos, capas, cobertores, rocas e dezenas de outros souvenires referentes ao mítico complexo do bairro Santa Catarina.

Leia mais:
Lanifício Gianella em imagens e lembranças
Lanifício Gianella: um século de história
Lanifício Gianella e outros anúncios na estreia do Pioneiro em 1948
Galópolis: um museu a céu aberto
Museu de Território de Galópolis: uma viagem à infância
Museu de Território de Galópolis: um vínculo comunitário
Exposição Janelas de Galópolis destaca a arquitetura típica do bairro

O estande com os bonecos e as camas (à direita) na Festa da Uva de 1978Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
O estande do Laníficio com os bonecos e os cobertores na Festa da Uva de 1986Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
O estande do Laníficio com os bonecos e os cobertores na Festa da Uva de 1986Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Boneco com frio versus boneco aquecido

Um dos destaques da exposição é a releitura de uma das peças publicitárias mais lembradas pelos antigos consumidores dos produtos Gianella: as caminhas com os famosos cobertores de lã. Nos estandes do lanifício nas festas da Uva dos anos 1960, 1970 e 1980, eles eram dispostos sobre um par de bonecos infantis. Um dos manequins, aquecido e quentinho, usava o cobertor Gianella. O outro, que "tremia de frio" graças a uma engenhoca atrelada à cama, usava um cobertor comum. 

São dessa super sacada de marketing do passado os registros desta página, integrantes do acervo do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami. Na foto que abre a matéria, as caminhas e os bonecos no moderno estande do Lanifício Gianella na Festa da Uva de 1965, ainda no pavilhão da Rua Alfredo Chaves. Na sequência, um registro de 1978 e dois de 1986. Por fim, a releitura integrante da exposição. 

Leia mais:
Ranchos no Lanifício Gianella em 1941
Lanifício Gianella na Festa da Uva de 1965
Os 60 anos da Paróquia Santa Catarina
Moinho da Cascata: um ícone da imigração
Livro O Instante e o Tempo: uma cidade, múltiplos olhares  

A releitura dos bonecos e das camas na exposição de 2018Foto: Gabriel Gianella Mondadori / divulgação
A releitura dos bonecos e das camas na exposição de 2018Foto: Fernando Dai Prá / divulgação

Um clássico de volta 

Os famosos cobertores, mantas, ponchos, palas e cachecóis de lã que fizeram a fama do Lanifício Gianella voltaram a ser comercializados pelos irmãos Gabriel e Eleonora Gianella, bisnetos de Matteo. As peças, que saíram de circulação há 28 anos, podem ser encontradas agora na loja física Gianella & Mondadori, no primeiro andar do Shopping Bourbon San Pellegrino, e também pelo endereço www.gianellaemondadori.com.br.      

Agende-se

:: O que: mostra Tecendo Histórias, Vestindo Gerações, sobre o Lanifício Gianella
:: Quando: abertura neste sábado, às 15h. Visitação até 15 de dezembro, de terça a sábado, das 13h30min às 17h30min.
:: Onde: Instituto Hércules Galló (BR-116, 1.579 - Galópolis). Fone: 3028.2810  
:: Quanto: entrada franca

Leia mais:
Tecelagem Irmãos Panceri em 1948
Cervejaria Leonardelli, fabricante da clássica Cerveja Pérola, em 1952
Para recordar da Cerveja Pérola
Cervejaria Leonardelli: rótulos que fizeram história
Chaminés: as sobreviventes das alturas
Veronese: um século de história  
Lembranças da Rua Alfredo Chaves
Rua Alfredo Chaves em 1965 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros