Memória: 20 anos sem o doutor Henrique Ordovás Filho - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga03/08/2018 | 07h30Atualizada em 03/08/2018 | 07h30

Memória: 20 anos sem o doutor Henrique Ordovás Filho

Em 4 de agosto de 1998 falecia um dos médicos mais lembrados por diversas gerações de caxienses

Memória: 20 anos sem o doutor Henrique Ordovás Filho Scalco / Divulgação /Divulgação
Henrique Ordovás recebe o título de Cidadão Caxiense de Adelar Bertussi em 1981 Foto: Scalco / Divulgação / Divulgação

Neste sábado dia 4, completam-se exatos 20 anos do falecimento de uma das personalidades mais emblemáticas da área médico-social de Caxias do Sul. Sim, para o pediatra Henrique Ordovás Filho, o olhar humanista, a preocupação com o outro, a afeição pelas crianças e os ideais de igualdade, liberdade e fraternidade dialogavam diretamente com a atuação profissional.

Nascido em Porto Alegre em 3 de julho de 1919, o jovem Henrique chegou a Caxias por volta de 1938, para servir ao Exército no antigo 9° Batalhão de Caçadores – ainda como estudante de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

Graduado em 1946 e atuando a partir daí com os contemporâneos Carlos Spinato, Augusto Sartori, Mário Jorge Rocha Netto, Jayme De Carli, Virvi Ramos, Jorge Sehbe e Darwin Gazzana, Ordovás começou quando a pediatria recém havia atingido a condição de especialidade em Caxias – "Clínico Geral e Doenças de Crianças" era o título corrente. 

Leia mais:
Augusto Sartori: um século de histórias
Augusto Caetano Sartori (1915-2015)
Festa da Uva: os míticos carros alegóricos de Darwin Gazzana

Após uma breve passagem por São Francisco de Paula, o médico estabeleceu-se definitivamente por aqui. Foi o período em que passou a atuar em diversas frentes: na traumatologia, na ortopedia e nos atendimentos de urgência no pronto-socorro do Hospital Del Mese. 

Por volta dessa época, começou a desenvolver também uma série de atividades junto ao antigo Centro de Saúde, auxiliando crianças pobres e subnutridas, além de dedicar-se aos então recorrentes casos de poliomelite e paralisia cerebral – trabalho que culminou na fundação da Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), a segunda do Brasil, em 1957. Na sequência, ele inauguraria outras sete pela região. 

A frase de Ordovás gravada na sede da Apae, no túmulo do médico, no Cemitério Parque, e no busto junto ao Centro Municipal de Cultura resumem  à perfeição não apenas todo esse trabalho, mas sua filosofia de vida: 

"Não me esperem para a colheita, pois estarei sempre plantando".

A antiga carteira de identidade de Henrique Ordovás FilhoFoto: Diogo Sallaberry / Agência RBS
O casamento de Henrique e Reny em 12 de julho de 1945Foto: Acervo de família / Divulgação
Henrique Ordovás e dona Reny nos anos 1990Foto: Acervo de família / Divulgação

Resistência à ditadura militar

Vereador pela antiga Aliança Republicana Socialista (ARS) na legislatura 1964-1968, Henrique Ordovás Filho foi um dos principais líderes da resistência contra a ditadura militar em Caxias – e sofreu, logicamente, com os desmandos do regime. 

Logo após o golpe de 1º de abril de 1964, ficou preso durante 29 dias em Porto Alegre, sem qualquer contato com a família. Conforme recordou no Pioneiro de 1997 a esposa Reny Damin Ordovás (falecida em 2016), a detenção marcou a família para sempre. 

"Era 1h da madrugada quando um senhor bateu à porta de casa. Vinte minutos depois, 12 oficiais armados de metralhadoras chegaram para buscar o que a gente tinha". 

Como o pediatra estava em tratamento, dona Reny viajou três vezes a Porto Alegre num único dia, na tentativa de libertar o marido e conseguir que ele ficasse internado em um hospital. O médico acabou solto, mas teve o mandato de vereador cassado em 20 de abril de 1964 (junto com o do titular Percy Vargas de Abreu e Lima e de outros 16 suplentes), sem nunca saber o real motivo da prisão. 

Em 2015, uma cerimônia na Câmara de Vereadores marcou a devolução simbólica dos mandatos dos vereadores cassados 51 anos antes.

Leia mais:
Câmara de Caxias devolve mandatos a vereadores cassados pela ditadura militar
Reny Ordovás morre aos 88 anos, em Caxias do Sul
Histórias de resistência marcam relatos de ex-presos políticos de Caxias 

O casal Henrique e Reny Ordovás emtre Antoninho e Nely Calcagnotto e Virgínia Bernardino ConteFoto: Renato Hubert / Divulgação
Henrique Ordovás Filho em 1994Foto: Fernanda Davoglio / Banco de dados, Agência RBS

Reconhecimento

Em 31 de dezembro de 1981, Henrique Ordovás Filhos recebeu o título de Cidadão Caxiense da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul, um reconhecimento ao trabalho filantrópico desenvolvido na Apae. 

Em 1998, quando Ordovás faleceu, o então prefeito Pepe Vargas decretou luto oficial de três dias. "Sua conduta médica foi exemplar, ele nunca colocou a parte financeira acima do paciente", disse Pepe à época. 

Na sequência, o Centro Municipal de Cultura recebeu o nome de Dr. Henrique Ordovás Filho. O médico também recebeu um busto na entrada do espaço, esculpido pelo amigo Bruno Segalla.  

O busto de Henrique Ordovás, esculpido por Bruno Segalla, no Centro Municipal de CulturaFoto: Daniela Xu / Agência RBS

A família

Henrique Ordovás Filho casou-se com Reny Damin Ordovás em 12 de julho de 1945. Dessa união nasceram as filhas Marcia, Nádia, Isamar e Ruth. Doutor Ordovás faleceu em 4 de agosto de 1998, aos 79 anos – sem nunca ter parado de atender. 

Matéria do Pioneiro de 5 de agosto de 1998Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / Reprodução

Leia mais:
Restaurante da Exposição: um churrasco para Martha Rocha em 1955
Mirante do Parque dos Macaquinhos em 1965
Getúlio Vargas no Real Hotel em 1954
Um carro soberano na Festa da Uva de 1954
Galópolis na Festa da Uva de 1954
Festa da Uva de 1954: lembranças escritas à mão
Pavilhão da Festa da Uva 1954: por onde andará o outro Vasco Prado?  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros