Memória: Para recordar de Girólamo Magnabosco - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga26/07/2018 | 07h30Atualizada em 26/07/2018 | 16h42

Memória: Para recordar de Girólamo Magnabosco

Terceiro filho do casal Raymundo Magnabosco e Flora Serafini Magnabosco, seu "Gerônimo" faleceu segunda-feira, aos 95 anos

Memória: Para recordar de Girólamo Magnabosco Mauro De Blanco / Acervo de família, divulgação/Acervo de família, divulgação
Dia 7 de maio de 1959: o casamento de Girólamo Magnabosco e Geny Petrini Foto: Mauro De Blanco / Acervo de família, divulgação / Acervo de família, divulgação

Caxias do Sul despediu-se esta semana de um dos mais conhecidos comerciantes da cidade, cuja trajetória profissional esteve diretamente atrelada a tradicional Casa Magnabosco e à evolução e modernização da área central. Falamos do senhor Girólamo Danillo Magnabosco, que faleceu na última segunda-feira, aos 95 anos, de falência múltipla de órgãos. 

Seu Girólamo nasceu em 4 de março de 1923. Era o terceiro filho — e primeiro dos homens — do casal Raymundo Magnabosco e Flora Serafini, pais também de Dirceu, Zila, Otávio, Thereza Luiza, José Carlos, Ada, Nelly, Maria de Lourdes, Lucy, Flora (Lola) e Hélio Antonio. Conforme informações disponibilizadas pela família, seu Girólamo recebeu o nome do avô paterno, mas, como não gostava muito desse nome, adotou de forma informal o "Gerônimo", que acompanhou-o por toda a vida. 

Em 1942, pouco após o surgimento do Aeroclube de Caxias do Sul, o jovem de 19 anos tirou o brevê, juntamente com amigos como Claudino Frigeri, Darwin Corsetti, Oscar Finger e Nicolau Sartori. Girólamo tinha o sonho de ser aviador, mas não passou nos testes realizados no Rio de Janeiro, em função de uma pequena deficiência visual. 

Leia mais:
Girólamo Magnabosco e os brevetados do Aeroclube em 1942
Família Magnabosco: a trajetória do fotógrafo Giovanni Battista Serafini
Giovanni Battista Serafini: instantes e tempos eternizados 

Girólamo Magnabosco (o segundo agachado a partir da esquerda), Claudino Frigeri (o terceiro), Darwin Corsetti (o quarto) e Nicolau Sartori (o quinto). Em pé, o instrutor de voo Assis Piccoli (de terno claro) e o aviador Oscar Finger (próximo à hélice)Foto: Acervo pessoal de Alexandre Frigeri / divulgação
Em 1946: a partir da esquerda, os irmãos Lucy, Girólamo, Dirceu, Zila, Otávio e Thereza Luiza. Sentados, a partir da esquerda, estão José Carlos, Ada, o patriarca Raymundo Magnabosco, Nelly, a matriarca Flora Serafini, Maria de Lourdes e Flora (Lola)Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
O casamento em 7 de maio de 1959: Geny Petrini, Flora Serafini Magnabosco e o filho Girólamo MagnaboscoFoto: Mauro De Blanco / Acervo de família, divulgação

A loja

Em meados dos anos 1950, o empresário assumiu a direção da loja fundada pelo pai, falecido em 1959. Seu Girólamo, carinhosamente conhecido também por "Gero", manteve-se no cargo até os anos 1990, mesma época em que recebeu o Troféu Caxias (em 7 de junho de 1989) e o Troféu Mercador — homenagens da comunidade por sua atuação em uma das mais tradicionais casas do comércio local.

A missa de sétimo dia de falecimento de seu Girólamo ocorre neste domingo (29), às 19h, na Catedral Diocesana. 

Leia mais:
Família de Raymundo Magnabosco em 1946
Interiores da Loja Magnabosco nos anos 1950
Casa Magnabosco e outros preferidos dos caxienses em 1954
Casa Magnabosco em Vacaria em 1956
Praça Dante Alighieri e arredores nos anos 1930 e 1940
Raymundo Magnabosco e os primórdios do Bispado em 1931

Girólamo Magnabosco em 2005, quando do aniversário de 90 anos da lojaFoto: acervo de família / divulgação
Seu "Gero" em 2005, em sua casaFoto: Jefferson Bottega / Agência RBS
Seu "Gero" em 2005, em sua casaFoto: Jefferson Bottega / Agência RBS
O Troféu Caxias, concedido a Girólamo Magnabosco em 1989Foto: Silvana Moreira / divulgação

A família

Em 7 de maio de 1959, Girólamo Magnabosco casou com Geny Petrini, com quem teve os filhos Raymundo (mesmo nome do avô), Marcelo e Daniela. Em 1983, porém, uma tragédia abalou a família. No retorno de um passeio por Gramado, um acidente de automóvel ceifou a vida de Geny, Marcelo, da mãe de Geny (dona Adelina Petrini), e da namorada de Marcelo, Adriana Colatto. 

Na foto abaixo, seu Girólamo e dona Geny juntamente com os noivos Lucy Magnabosco (sua irmã) e Oswaldo Moreira, cujo casamento ocorreu apenas dois dias depois do deles, em 9 de maio de 1959. Seu Girólamo deixa os filhos Raymundo e Daniela, e a neta Isadora, filha de Raymundo e Jeane Schulz.

Girólamo e a esposa Geny ladeiam o casal Lucy Magnabosco e Oswaldo Moreira, em 9 de maio de 1959Foto: Mauro De Blanco / Acervo de família, divulgação

Leia mais:
Catedral Diocesana: um campanário e um século de histórias
Casa Magnabosco durante o Congresso Eucarístico Diocesano de 1948
A Caxias moderna de Silvio Toigo
Um batismo no Aeroclube em 1947
Aeroclube de Caxias: 73 anos de história e paixão por voar
Ernestina Cavalcanti Viana: uma pioneira da aviação caxiense
O incêndio do Duque de Caxias em 1950  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros