Justiça nega pedido da Codeca e mantém 36 funcionários trabalhando em Caxias - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Demissões12/07/2018 | 20h59Atualizada em 12/07/2018 | 20h59

Justiça nega pedido da Codeca e mantém 36 funcionários trabalhando em Caxias

Trabalhadores haviam sido demitidos e foram reintegrados por liminar

Justiça nega pedido da Codeca e mantém 36 funcionários trabalhando em Caxias André Fiedler/Especial
Foto: André Fiedler / Especial
Pioneiro
Pioneiro

O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4) negou pedido da  Companhia de Desenvolvimento de Caxias do Sul (Codeca) e manteve a suspensão das 36 demissões realizadas pela empresa.

Leia mais
Codeca demite 36 funcionários em Caxias
Justiça suspende demissões de 36 funcionários da Codeca em Caxias
Codeca irá recorrer de liminar que suspende demissões de funcionários em Caxias 

A Codeca havia realizado os desligamentos porque a empresa e o Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) rescindiram o contrato firmado para prestação de serviços para reparação das redes de água e não haveria como realocar os trabalhadores.

Após ação ajuizada pelos sindicatos que representam os funcionários, porém, a juíza titular da 3ª Vara do Trabalho, Ana Júlia Fazenda Nunes, ordenou o retorno dos servidores por entender que o desligamento se tratou de demissão em massa, sem qualquer prévia negociação coletiva.  

A Codeca recorreu da decisão e, nesta quinta-feira, teve o mandado de segurança indeferido pelo desembargador do trabalho André Reverbel Fernandes.

Na decisão, Fernandes considerou que as razões para encerramento de contrato entre a Codeca e o Samae "não estão bem esclarecidas". O magistrado também questiona a falta de possibilidades para realocar os trabalhadores demitidos. "Não há elementos nos autos que comprovem de forma robusta as alegações da impetrante (a Codeca) de que o Departamento de Construção Civil (DCC) - único setor alegado como compatível com as atividades dos empregados em questão - apresente resultados negativos e altos índices de ociosidade nos últimos meses, bem como de que a manutenção dos contratos de trabalho - que, como informa, representam apenas 2,8% do total de trabalhadores da companhia - possa comprometer a manutenção das suas atividades", diz a sentença. 

Leia também
Simecs calcula prejuízo de R$ 250 milhões durante a greve dos caminhoneiros
Diretor-presidente do Samae prestará esclarecimentos na Câmara de Caxias do Sul na segunda-feira

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros