Dia do Colono e do Motorista: 45 festas em Otávio Rocha - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Memória25/07/2018 | 13h45Atualizada em 25/07/2018 | 13h45

Dia do Colono e do Motorista: 45 festas em Otávio Rocha

Há 45 anos, em 1973, iniciaram-se as celebrações para marcar a data de 25 de julho

Dia do Colono e do Motorista: 45 festas em Otávio Rocha Acervo pessoal de Floriano Molon / divulgação/divulgação
A carreta italiana: conduzida por Sétimo Molon, trazia Ana Bortoloso Molon e Francisco Muterle. os mais idosos da comunidade em 1975 Foto: Acervo pessoal de Floriano Molon / divulgação / divulgação

Quando, em 1973, o distrito de Otávio Rocha, interior de Flores da Cunha, começou a organizar a Festa do Colono e do Motorista,  a iniciativa serviu de estímulo para que outros locais também promovessem ações a fim de exaltar o trabalho das duas categorias. 

Ao longo do tempo, com a celebração dos 100 anos da imigração italiana, em 1975, os imigrantes e seus descendentes, além de carreteiros, colonos e motoristas, despertaram para uma série de iniciativas de resgate histórico.  Em 1975, por exemplo, a Festa de Otávio Rocha celebrou a imigração com o 1º Festival da Tradição Italiana, cujo nome foi alterado posteriormente para Festa da Colônia, centrada no cenário de uma comunidade que se mantinha ligada às atividades agrícolas.

Às vésperas do Dia do Colono em 1968

Em sua crônica Dia do Colono em Otávio Rocha, publicada no Pioneiro de 3 de agosto de 1974, o jornalista Mário Gardelin destacou aqueles pioneiros festejos:

"E entra-se tarde adentro, em corais improvisados. As mais belas canções lembram outros tempos. Há uma difusa saudade na tarde que morre, agora abraçada de sol. Polifonicamente, recordam-se castelos, guerras, amores e terras distantes. Não nos enganemos porém. O que se canta é a alegria da vida, do bom vinho , as esplêndidas amizades e os frutos fartos deste século, que brilha em dezenas de vilas, semeadas pelo Brasil, e que cantam a dedicação do trabalho livre e produtivo."

Leia mais:
Encontro da família Verdi em Flores da Cunha
Imigração italiana: encontro da família Lain  
Encontro da família Fiorese em Flores da Cunha

Concentração de tratores no Largo da Cruz, distrito de Otávio RochaFoto: Acervo pessoal de Floriano Molon / divulgação
Flagrante da gincana de tratores, que mobilizava moradoresFoto: Acervo pessoal de Floriano Molon / divulgação

Turismo colonial

A festa atraiu a comunidade e proporcionou diversos melhoramentos na infraestrutura. Além da avançada agricultura, o distrito de Otávio Rocha conseguiu se firmar como polo de turismo, com sua gastronomia, pontos turísticos e produção primária, centrada nas uvas, moranguinhos e hortifrutigranjeiros. 

Com o passar dos anos, os festejos de julho também serviram para aprimorar os aspectos culturais relacionados à culinária, trajes, festas e folclore, mantendo vivo um patrimônio altamente atrativo.

Leia mais:
Flores da Cunha: o reinado da Festa da Uva de 1950
Shazan e Xerife agitam Flores da Cunha em 1973
Tempo de vindima: a trajetória de João Slaviero 

O casamento a cavalo, como nos primórdios da colonização italianaFoto: Acervo pessoal de Floriano Molon / divulgação
A concentração de tratores Foto: Acervo pessoal de Floriano Molon / divulgação
Alunos da Escola Municipal Francisco Zilli representaram os gaúchos dando as boas-vindas aos imigrantes italianosFoto: Acervo pessoal de Floriano Molon / divulgação
Apresentação do Coral Nova Trento nas escadarias da MatrizFoto: Acervo pessoal de Floriano Molon / divulgação
As soberanas da festaFoto: Acervo pessoal de Floriano Molon / divulgação
A passagem da Banda Santa Cecília, de Nova PáduaFoto: Acervo pessoal de Floriano Molon / divulgação

Parceria

Informações e fotos desta coluna são uma colaboração do senhor Floriano Molon, a quem agradecemos publicamente por compartilhar, em livros, pesquisas e na atuação política e social, as histórias de Flores da Cunha e da imigração italiana na região.

Programação (25 de julho)

:: 10h – Missa em homenagem aos Santos Isidoro e São Cristóvão, padroeiros dos Agricultores e dos Motoristas, com a participação do coral La Marcolina

:: 11h – Hasteamento de Bandeiras na Praça Regional da Uva. Início simbólico dos trabalhos de poda das parreiras que representam os municípios maiores produtores de uvas do Estado.

:: 12h30min – Almoço de integração do Colono e do Motorista (R$ 40 por pessoa, com sorteio de brindes)

:: Informações: (54) 3279.1298 e  3279.1138

Leia mais:
Flores da Cunha: um desfile e dois galos na Festa da Uva de 1972
Tempo de vindima: a trajetória de João Slaviero
Clovis Boff, o senhor dos galos em Flores da Cunha
Maria Della Costa na Festa da Vindima de 1976
Imigração italiana: encontro da família Fontana em Flores da Cunha  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros