Amigos e colegas lamentam a perda e celebram a paixão de Tânia Tonet - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Luto24/07/2018 | 08h30Atualizada em 24/07/2018 | 08h30

Amigos e colegas lamentam a perda e celebram a paixão de Tânia Tonet

Pesquisadora e museóloga dedicou a vida ao resgate da história e cultura de Caxias e região

Amigos e colegas lamentam a perda e celebram a paixão de Tânia Tonet Felipe Nyland/Agencia RBS
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Ao dedicar sua vida para resgatar a história da Serra, Tânia Tonet se tornou parte dela. Na manhã desta segunda-feira, a pesquisadora, natural de Bento Gonçalves, morreu aos 69 anos após complicações decorrentes de um procedimento operatório. Ela estava internada há cerca de três semanas no Hospital Pompéia, em Caxias. 

Leia mais
Museóloga Tânia Tonet morre aos 69 anos
Prefeitura emite nota de pesar por morte de Tânia Tonet
Tânia Tonet será velada no Memorial São José, em Caxias do Sul

Apesar da saúde fragilizada nos últimos meses, Tânia não deixou de manifestar o entusiasmo que tanto lhe foi característico. Mais chamativo de que sua risada robusta e contagiante foi, no entanto, o interesse que ela sempre demonstrou em desbravar a história da região. 

Em Caxias, foi contemporânea da geração de pesquisadores que contribuíram para a valorização do resgate cultural da cidade. Trabalhou no Arquivo Histórico — defendendo ferrenhamente a preservação de seu prédio — e no Museu Municipal, locais que ajudou a ganhar notoriedade e arrecadar parte significativa do acervo até hoje existente.

Segundo o historiador Juventino Dal Bó, o trabalho desenvolvido entre as décadas de 1980 e 1990 se destaca como primordial para a expansão do acervo cultural de memória da cidade.

— Hoje existem fontes, bibliografias voltadas à museologia e preservação do patrimônio, enquanto nós íamos muito na intuição e pelo amor simplesmente. Ela sempre foi muito fascinada pelo tema e compartilhamos muito conhecimento — comenta.

Apesar da aptidão, Tânia não se formou em História, mas em Filosofia (depois, se especializou em Folclore e em História da América Latina). Contudo, o interesse pelo passado sempre foi inerente à sua vida. Admiradora de antiguidades, ela inclusive doava itens de sua coleção particular para compor os acervos do museu da cidade e do Arquivo Municipal. 

— Na década de 1980, começamos a valorizar mais as fotografias como registros históricos. Ela incentivou muitas pessoas a valorizarem as próprias raízes por esses registros, mostrando que uma foto nunca é a história de só uma família e sim de um ambiente e de uma cidade — comenta Liliana Henrichs, que conviveu com Tânia por cerca de 12 anos.

Nascida em Bento, Tânia adotou Caxias para viver quando constituiu família. A cidade reconheceu sua contribuição: em 2016, ela recebeu o título de cidadã caxiense pela Câmara de Vereadores. Ontem, a prefeitura emitiu nota de pesar destacando a dedicação da pesquisadora para o desenvolvimento da cultura local.

Durante décadas, o olhar de Tânia esteve presente nas principais iniciativas de resgate da história da imigração italiana na cidade. Na Festa da Uva, evento pelo qual nutria carinho especial, garantiu que o traje das soberanas estivesse à altura da trajetória do evento. Participou também da recuperação a história do setor produtivo local com o livro Por Que Somos Como Somos, em que relatava experiências de empresários ao longo dos anos e, conforme o presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico (Simecs), Reomar Slaviero, preencheu uma lacuna no conhecimento do empreendedor da região.

Tânia também teve um pé no cinema ao atuar como consultora nas filmagens do filme O Quatrilho, que levou a Serra para o mundo. O escritor José Clemente Pozenato, autor da obra adaptada para o cinema, lembra da contribuição da pesquisadora para que a produção respeitasse as características culturais da região. 

Colegas e amigos relembram a dedicação da pesquisadora

Foi ao Museu Municipal de Caxias, porém, que Tânia dedicou parte considerável de sua carreira e onde deixou marcas duradouras. Gilmar Marcílio, amigo e colega por 12 anos, incluindo os seis em que ela atuou como diretora do local, lembra da intensidade e da paixão que a pesquisadora levava para todos os projetos em que participava.

— Tudo o que ela fazia, fazia de maneira visceral — relata.

O sucesso e a sensibilidade da pesquisadora, para ele, vinham da concepção que Tânia tinha sobre o tempo.

— A formação dela, desde muito nova, deu a perspectiva de construir a vida através de um  olhar pelo tempo. Então, ela aprendeu a relativizar tudo e dar a mesma importância para tudo. Se fica uma lição, é principalmente de que tudo importa, tudo conta — acredita.

Sob esse olhar, têm a mesma importância os grandes acontecimentos do passado e pequenos hábitos que sobrevivem ao tempo, como a dressa, a trança de palha de trigo que Tânia tanto gostava de observar. 

— Com ela, aprendi a ser amoroso e um profissional que respeita tudo aquilo que está na nossa origem. Essa era uma palavra muito cara para ela. E também a curiosidade. São interesses que se mantiveram até o final — revela Marcílio. 

Mais recentemente, Tânia deixou sua marca no Instituto Hércules Galló, em Galópolis, do qual participou da criação. 

— A colaboração que ela deu foi fundamental para nos orientar e nos desafiar a fazer mais do que a gente imaginava — recorda o diretor do instituto, Renato Solio.

Em 2015, Tânia concebeu o Museu de Território de Galópolis, projeto ainda em andamento que busca expandir a valorização do patrimônio histórico para além das paredes do instituto e alcançar todo o bairro. 

— Eu diria que precisaríamos de muitas "Tânias" para que essa cidade realmente passasse a valorizar o resgate da história, para o desenvolvimento da comunidade — acredita Solio, que também foi aluno da pesquisadora no Colégio Carmo, ainda na década de 1970. 

Todo esse olhar para o passado, porém, tinha um objetivo claro, conforme Charles Tonet, filho da pesquisadora.

— Ela lutava por Caxias, para que Caxias valorizasse seu passado, e resgatasse seus valores, de modo a impulsionar para o futuro, fazer com que fosse uma cidade para frente, assumindo sua identidade cosmopolita. Ela tinha muito orgulho de Caxias e queria que fosse o melhor que pode ser. A minha mãe tinha muitas qualidades, mas, principalmente, era uma grande guerreira e lutava por aquilo que acreditava. Nunca conheci uma pessoa com tanta capacidade de trabalho — destaca. 

Homenagem

Tânia está sendo velada na Capela E do Memorial São José, em Caxias do Sul. O sepultamento será realizado às 9h30min desta terça-feira no Cemitério Municipal de Farroupilha.

Leia também
Pré-candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin estará nesta terça em Caxias do Sul
PT gaúcho adia convenção em busca de aliança 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros