Memória: corso alegórico da Festa da Uva 1972 - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga29/06/2018 | 07h30Atualizada em 29/06/2018 | 07h30

Memória: corso alegórico da Festa da Uva 1972

Cortejo pela Sinimbu destacou criações das equipes de Isaac Menegotto, Nair Hoffmann, Carlos Mambrini, Darwin Gazzana e Sally Cardoso Luz

Memória: corso alegórico da Festa da Uva 1972 Hildo Boff / acervo pessoal de Ricardo Boff, divulgação/acervo pessoal de Ricardo Boff, divulgação
Recreio da Juventude: no carro alegórico concebido por Carlos Mambrini, uma carruagem de ferro era puxada por um conjunto de borboletas suspensas. Ao fundo, a rainha do RJ, Lucila Valsechi Foto: Hildo Boff / acervo pessoal de Ricardo Boff, divulgação / acervo pessoal de Ricardo Boff, divulgação

O desfile da Festa da Uva de 1972 ficou eternizado por marcar a pioneira transmissão a cores da TV brasileira. Mas outras novidades assinalaram o primeiro corso alegórico da década de 1970. A principal delas foi a redução no número de veículos na Sinimbu em relação à edição de 1969: de 60 para 42.

Festa da Uva: um desfile pela Sinimbu em 1972

Conforme abordado pela arquiteta e pesquisadora Roberta Tiburri no livro Cenários em Movimento – Memórias do Corso Alegórico da Festa da Uva, o tema manteve-se semelhante ao das festas da década de 1960: mostrar a diversificada produção de Caxias do Sul, em todas as áreas.

Entrou aí a mão do mestre Isaac Menegotto, responsável não apenas pela concepção de alguns carros como também pela organização geral do corso. Segundo Roberta, as formas sinuosas e irregulares deram o tom das composições. Grandes esculturas, detalhes ricamente elaborados, uso de materiais nobres, flores e arabescos compunham os veículos. "A uva natural não aparecia mais nas alegorias. Estava presente, sim, mas na forma de réplicas e esculturas", detalha Roberta no livro.

Já no quesito figurino, os trajes típicos da colonização italiana não predominavam tanto. Moças e rapazes desfilando a moda da época, além da figura do gaúcho e do índio começaram a dar as caras na Sinimbu – como mostram as imagens abaixo, destacando as confecções Kalil Sehbe e o Projeto Rondon. As fotos integram um conjunto de slides doados ao Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami pelo leitor Ricardo Boff, filho do fotógrafo Hildo Boff (1931-2014).

Na imagem que abre a matéria, o carro do Recreio da Juventude, concebido por Carlos Mambrini: uma carruagem de ferro puxada por borboletas suspensas em hastes, trazendo a rainha de 1971/72, Lucila Valsechi.

Lojas Alfred: globo terrestre aludia aos países para onde a empresa Kalil Sehbe exportava suas confecçõesFoto: Hildo Boff / acervo pessoal de Ricardo Boff, divulgação
Casacos, jaquetas e sobretudos confeccionados pela empresa Kalil Sehbe S/A fora mostrados na Sinimbu por vários figurantesFoto: Hildo Boff / acervo pessoal de Ricardo Boff, divulgação
Projeto Rondon: carro criado por Darwin Gazzana destacava um enorme cocar e diversos adereços indígenasMiss Rio Grande do Sul Maria Lucia Rezende desfilou no carro do EberleFoto: Hildo Boff / acervo pessoal de Ricardo Boff, divulgação

Leia mais:
Flagrantes das Festas da Uva de 1965 e 1969
Michelin Filmes: o filme de divulgação da Festa da Uva de 1969
Festa da Uva: um ensaio com as soberanas de 1965
Festa da Uva de 1965: miss, bomba e cuia no desfile
O primeiro corso noturno da Festa da Uva em 1969 

Miss Rio Grande do Sul Maria Lucia Rezende desfilou no luxuoso carro do Eberle, projetado por Isaac MenegottoFoto: Hildo Boff / acervo pessoal de Ricardo Boff, divulgação

Adornos

Nas fotos acima e abaixo, o luxuoso carro da Metalúrgica Abramo Eberle, concebido por Isaac Menegotto e sua equipe. O artista valeu-se de uma enorme taça adornada com uvas. Junto a ela, a Miss Rio Grande do Sul, Maria Alice Rezende. O veículo destacava ainda a escultura de uma coroa de louros, uma cascata de flores e, na base em jacarandá, uma colher de prata, simbolizando a produção da empresa.

Taça de uvas e colher de prata eram destaques do carro da Metalúrgica Abramo Eberle, que trazia a Miss RS Maria Lucia RezendeFoto: Hildo Boff / acervo pessoal de Ricardo Boff, divulgação

Leia mais:
1972: o último ano do Pavilhão da Festa da Uva no Centro
Inauguração dos Pavilhões da Festa da Uva de 1975
Festa da Uva: construção da Réplica de Caxias, nos Pavilhões, em 1977 

As equipes

O corso alegórico teve como vice-presidente o empresário Doviglio Gianella. Já os carros foram criados pelas equipes de Isaac Menegotto, Nair Hoffmann, Carlos Mambrini, Sally Cardoso Luz e Darwin Gazzana, para muitos o papa dos figurinos e carros alegóricos de toda a história da Festa da Uva.

Leia mais:
Os míticos carros alegóricos de Darwin Gazzana
Darwin Gazzana: o mago dos figurinos
Lola Salles: entre agulhas e tecidos desde 1937

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros