Memória: exposição das portas de bronze na Maesa em 1959 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Caxias antiga21/05/2018 | 07h30Atualizada em 24/05/2018 | 21h14

Memória: exposição das portas de bronze na Maesa em 1959

Ex-funcionário Alvis Santos Fiedler, 87 anos, recorda o passado e vislumbra um museu sobre a história da Metalúrgica Abramo Eberle 

Memória: exposição das portas de bronze na Maesa em 1959 Acervo pessoal de Alvis Santos Fiedler / divulgação/divulgação
Inauguração da exposição com as portas laterais da Basílica de Belém do Pará teve Neusa Brizola (C) como anfitriã Foto: Acervo pessoal de Alvis Santos Fiedler / divulgação / divulgação

Quase 60 anos separam os dois acontecimentos, mas ambos são emblemáticos da trajetória da mais importante indústria metalúrgica da região no século 20. Falamos da abertura da exposição das portas de bronze da Basílica de Belém do Pará, em agosto de 1959, e o simbólico abraço à Maesa, ocorrido neste domingo à tarde, defronte à entrada da velha fábrica, na Rua Plácido de Castro (leia mais abaixo). Os dois episódios dialogam com as lembranças e expectativas de um funcionário que teve parte de sua vida atrelada ao Eberle: o aposentado Alvis Santos Fiedler, 87 anos.

Seu Alvis atuou no setor de gravação da metalúrgica por mais de 20 anos – entre 1945 e 1966. Embora trabalhando na fábrica do Centro, o jovem integrou a equipe responsável pela confecção das portas de bronze, tanto a central, concluída em 1953, quanto as laterais, finalizadas em 1959 – no prédio da Sinimbu foi feita a parte artística e os moldes; na Fábrica 2 (Maesa), a fundição em si.

Maesa: lembrando o passado, projetando o futuro
Alvis Fiedler: bodas de diamante e uma história para recordar
Maesa e a trajetória de Domingos Gedoz

O ex-funcionário não foi ao abraço deste domingo, devido ao mau tempo, mas divide as lembranças do Eberle com uma boa dose de entusiasmo ao ver tanta gente envolvida e debatendo o espaço. E deixa claro um desejo, mesclando o passado e o futuro do prédio.

– Gostaria que lá tivesse um museu da Metalúrgica Abramo Eberle, para as pessoas conhecerem a história. Também um mercado público, um cinema. Tem aquela praça no meio da fábrica, que as pessoas poderiam frequentar e desfrutar, seria muito bom....

É do acervo de seu Alvis a imagem acima, da abertura da mostra, em 13 de agosto de 1959, na Maesa. A solenidade teve como convidada de honra Neusa Goulart Brizola, esposa do então governador Leonel Brizola. A primeira-dama do Estado descerrou as cortinas acompanhada por diretores, políticos, autoridades civis e militares, e operários que atuaram na confecção das portas. 

Na imagem estão, além de Neusa (a senhora de branco, à frente), o diretor Júlio João Eberle e a esposa, Alda Muratore Eberle, Tito Bettini (coordenador dos trabalhos de fundição), Hugo Seidl (diretor da seção de gravação), Américo Garbin  Henrique Maggi, Adair Sachet, Pedro Longhi, José Schwertner, Rui Raabe e, logicamente, o próprio Alvis Santos Fiedler, entre dezenas de outros trabalhadores da fábrica.

Leia mais:
Eberle: um relógio de ouro no jubileu de prata
Eberle: o jubileu de prata e ouro de Honório Marotto em 1948
Eberle: o jubileu de prata de Hugo Seidl em 1952   
Eberle: a trajetória de Joaquim Barasuol
Olivo Berton e os jubilados do Eberle em 1968
Getúlio Jacoby da Rosa: um jubileu de prata em 1969   

Visitação

As portas de bronze ficaram expostas na Maesa durante os meses de agosto e setembro de 1959, recebendo centenas de visitantes do Rio Grande do Sul e do país. Somente em março de 1960 elas foram instaladas na Basílica de Belém do Pará, onde são uma atração até hoje.  

Leia mais:
Setor de gravação da Maesa em 1958
Maesa e as portas da Basílica de Belém do Pará
Alvis Fiedler e as réplicas da Basílica de Belém do Pará 

Comunidade artística participou da intervenção Abrace a Maesa com guarda-chuvas-coloridosFoto: Rodrigo Lopes / divulgação

Abraço simbólico

Cerca de 100 participantes passaram pela Rua Plácido de Castro, defronte à Maesa, neste domingo à tarde. Mesclando música, dança e intervenções teatrais, o manifesto "Abrace a Maesa" buscou chamar a atenção para a ocupação do espaço pela comunidade artística e cultural, além de cobrar mais agilidade do poder público para o avanço dos projetos. 

Discussões sobre o projeto Maesa estão paradas há mais de seis meses em Caxias 

A ideia da organização era contar com um número capaz de abraçar o quarteirão (cerca de 800 pessoas), o que acabou não ocorrendo – muito em função do frio e da garoa do final da tarde. O abraço simbólico, com os participantes envergando guarda-chuvas coloridos, ocorreu defronte ao portão da Rua Plácido de Castro.  

Sugestões da comunidade artística integraram um varal na calçada em frente ao prédio, na Rua Plácido de CastroFoto: Rodrigo Lopes / divulgação
Participantes criaram cartazes com suas sugestões para a ocupação do prédioFoto: Rodrigo Lopes / divulgação
Comunidade artística participou da intervenção Abrace a Maesa com guarda-chuvas-coloridosFoto: Rodrigo Lopes / divulgação

Leia mais:
Maesa: um presente para Caxias do Sul
Nos primórdios da Maesa
Um sábado ao redor da Maesa  
Orevil Bellini: o desenhista do Eberle
Varejo do Eberle: um clássico do Centro
Eberle: a seção de gravação em 1956
As cores e as horas do relógio do Eberle
Time de bolão Garra de Ferro, do Recreio Guarany, em 1958 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros