Memória: CTG Rincão da Lealdade em 1967 - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga28/05/2018 | 07h30Atualizada em 19/06/2018 | 19h04

Memória: CTG Rincão da Lealdade em 1967

Nesta terça, dia 29, Museu Municipal abre exposição alusiva aos 65 anos do espaço, surgido em 1953

Memória: CTG Rincão da Lealdade em 1967 Studio Geremia / acervo pessoal de Jacyra Mattana, divulgação/acervo pessoal de Jacyra Mattana, divulgação
José Ariodante Mattana (ao microfone) homenageia José Gazola no Rincão da Lealdade em 1967, tendo ao fundo os paineis de Ary Cavalcanti Foto: Studio Geremia / acervo pessoal de Jacyra Mattana, divulgação / acervo pessoal de Jacyra Mattana, divulgação

Fundado em 29 de outubro de 1953, o Rincão da Lealdade ostenta o título de CTG mais antigo de Caxias do Sul e o terceiro a ser criado no Rio Grande do Sul. Parte dessa rica trajetória será recordada a partir desta terça-feira (29), quando o Museu Municipal abre a exposição Do Rio Grande do Passado para o Rio Grande do Futuro — 65 Anos de História do Rincão da Lealdade.

Histórias, aliás, não faltam ao espaço fundado pelos amigos Joaquim Pedro Lisboa (idealizador da Festa da Uva), Armando Cardoso Alves, Ary Cachoeira, Guilherme do Valle, Máximo da Luz, Oswaldo Eilert e Ruy Mascia. Espécie de cartão de visitas da cidade, juntamente com os varejos do Eberle e da Gazola, o Rincão era parada obrigatória para turistas, presidentes e autoridades nas Festas da Uva dos anos 1950, 1960, 1970 e 1980. Tanto que uma sala de honra, atualmente usada como espaço para reuniões, foi construída especialmente para receber os presidentes — decorada com móveis em estilo colonial, ela tinha uma banheiro e um quarto para o repouso das autoridades. 

Joaquim Pedro Lisboa e a antiga Página Tradicionalista do Pioneiro
Varejo do Eberle: um clássico do Centro
Encontro de ex-funcionários do Varejo do Eberle

Outro destaque do enorme salão de jantar é o painel de autoria do fotógrafo, professor de desenho e escultor Ary Cavalcanti (1912-1994), outro dos mentores do Rincão e um dos maiores entusiastas da cultura tradicionalista. Além de ter confeccionado o desenho, Ary se autoretratou nele: é o gaúcho pilchado oferecendo um chimarrão à prenda, inspirada na jovem Solange Pinheiro, filha do ex-patrão Clóvis Pradel Pinheiro — como vemos no fundo das imagens acima e abaixo. 

Trata-se da solenidade de aniversário de 35 anos de fundação da Indústria Metalúrgica Gazola, em 1967. A imagem, integrante do acervo da leitora Jacyra Mattana, traz o pai, o diretor José Ariodante Mattana, fazendo um discurso de homenagem ao fundador da empresa, José Gazola. O registro traz ainda as senhoras Ana Rezende Mattana (mãe de Jacyra) e Odite Silla Gazola (esposa de José Gazola), o casal Lívio e Sandra Gazola e diversos outros diretores da metalúrgica. 

Leia mais:
José Ariodante Mattana: homenagem no centenário do Mútuo Socorro em 1987
Ary Cavalcanti e a Sociedade Marechal Rondon de Arco e Flecha
CTG Rincão da Lealdade visita a Bahia em 1961
Rádio Caxias, 70 anos: Vem pra Cancha, Amigo
Família lança livro de poesias em homenagem a Clóvis Pradel Pinheiro
Jubileu de prata da Metalúrgica Gazola em 1957
Metalúrgica Gazola: Miss Brasil visita a Brazex em 1958
Nova fábrica de talheres da Gazola em 1966  
A história de Anoema da Costa Lima, a vítima esquecida da explosão de 1943 na Metalúrgica Gazola  

Aniversário: solenidade de 35 anos de fundação da Metalúrgica Gazola ocorreu em 1967, no Rincão da LealdadeFoto: Studio Geremia / acervo pessoal de Jacyra Mattana, divulgação

Exposição no Museu Municipal

A mostra Do Rio Grande do Passado para o Rio Grande do Futuro _ 65 Anos de História do Rincão da Lealdade abre nesta terça (29), às 20h, no Museu Municipal (Rua Visconde de Pelotas, 786). 

Haverá uma linha do tempo contando os principais acontecimentos que marcaram o CTG nesse período e objetos do acervo do Museu Tradicionalista Cavaleiro Aristides Germani, além de um espaço ambientando o famoso Salão de Honra, usado para recepcionar presidentes e autoridades. 

A abertura terá apresentações artísticas e roda de chimarrão. A exposição ocorre de 30 de maio a 30 de junho.

Leia mais:
Cartões-postais: um passeio pela Caxias de 45 anos atrás
Caxias do Sul de antigamente em cartões-postais

O famoso pórtico do Rincão da Lealdade, na BR-116, em meados dos anos 1970Foto: Cartão-postal, acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

O painel 

Além da figura do gaúcho e da prenda, os paineis de Ary Cavalcanti no Rincão da Lealdade destacam a Revolução Farroupilha e a Caxias do Sul industrial, com imagens do empresário Abramo Eberle e da jovem Maria Elisa Eberle. 

Ary Cavalcanti: a inauguração do busto de Dom José Barea em 1966

O tradicionalista Ary Cavalcanti, um dos grandes mentores e entusiastas do Rincão da LealdadeFoto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Visitantes

Entre os presidentes da República que passaram pelos aposentos do Rincão estiveram Castelo Branco, Costa e Silva, Médici, Geisel, João  Figueiredo e José Sarney.

Leia mais:
Instantes e tempos eternizados: a trajetória dos fotógrafos de Caxias do Sul de 1885 a 1960
Livro O Instante e o Tempo: uma cidade, múltiplos olhares
A trajetória do fotógrafo Giovanni Batista Serafini
Giovanni Serafini e Francesco Moscani: para recordar das antigas colônias 
O interior pelas lentes de Valério Zattera
Studio Geremia: parceiro da coluna Memória
Caxias pelas lentes do fotógrafo Reno Mancuso
Mauro De Blanco e O Inferno de Dante em 1952
Sisto Muner e a construção da Igreja Matriz de Galópolis em 1947  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros