Visate ajuíza nova ação contra prefeitura de Caxias - Cidades - Pioneiro
 

Transporte coletivo11/04/2018 | 06h00Atualizada em 11/04/2018 | 17h18

Visate ajuíza nova ação contra prefeitura de Caxias

Concessionária considera que tarifa está desequilibrada pelo menos desde 2010 e pede indenização

Visate ajuíza nova ação contra prefeitura de Caxias Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

O embate entre a prefeitura de Caxias do Sul e a Viação Santa Tereza (Visate) ganhou mais um capitulo. Na segunda-feira (9), a concessionária do transporte coletivo da cidade ajuizou nova ação contra o município. Conforme o advogado do escritório que representa a Visate, Daniel Oliveira, a companhia busca rever todo o período do contrato de concessão com o Executivo.  

Leia mais
Revisão das gratuidades e manutenção de empresa única são defendidas para licitação do transporte coletivo de Caxias
Visate sugere passagem de ônibus em Caxias a R$ 4,41 em 2018
Conselho Municipal de Trânsito sugere tarifa de R$ 3,85 para transporte coletivo em Caxias
Prefeito sanciona reajuste da tarifa do transporte coletivo de Caxias para R$ 3,85

De acordo com Oliveira, uma análise interna revelou que pelo menos desde 2010 há um descompasso entre o valor ideal da tarifa do transporte para manter a empresa em equilíbrio e o valor efetivamente determinado pela prefeitura.

O advogado explica que a redução do número de passageiros e as mudanças no perfil do transporte público, que hoje conta com a concorrência de aplicativos de transporte privado, por exemplo, provocam a necessidade de readequar o serviço. Ao mesmo tempo, o município tem sido intransigente quanto a qualquer tentativa de racionalização.  

— O que a gente tem hoje é uma exigência que continua pensando no transporte público de cinco, seis anos atrás, com uma demanda que não condiz com essa exigência — defende Oliveira.

A Visate quer que os reajustes de tarifa e as planilhas de custo anuais passem por perícia, para que a Justiça encontre evidências do desequilíbrio econômico-financeiro da empresa. Caso as perdas sejam confirmadas, a companhia pedirá uma indenização do município.

— O contrato traz uma fórmula muito clara de fixação de tarifa. A gente pede uma indenização a ser apurada pela perícia, que vai ser complexa. São prejuízos que já foram materializados — aponta o advogado. 

A empresa não fala em valores, mas já alegou prejuízo na casa dos milhões de reais em 2016 e 2017. 

Conforme a concessionária, o número de passageiros do transporte coletivo caiu cerca de 20% nos últimos quatro anos. Mesmo assim, as linhas e horários tiveram que permanecer iguais, sob pena de multa. O advogado defende que o contrato prevê a flexibilização do serviço, que hoje poderia passar por uma redução de 8% na oferta de linhas e horários sem prejuízo aos usuários. Além disso, também seria possível diminuir o número de cobradores em horários de menos movimento em algumas linhas, com autorização do município.

— Hoje, a gente tem uma tarifa extremamente cara. O que a gente precisa é ajustar a oferta e a demanda do sistema. Essa ação só está acontecendo em virtude de uma falta de negociação com o poder público — reclama.

O advogado diz que também nunca houve a tentativa do município para buscar alternativas para o financiamento do serviço, hoje 100% dependente da tarifa. Entre as opções, estariam a revisão da gratuidades, que somam 31% dos passageiros, a concessão de subsídios e a isenção do Imposto Sobre Serviços (ISS), de cerca de R$ 400 mil por mês.

— Essa situação gerou um descompasso entre o que a empresa tem de operação, de exigência, e o que efetivamente tem de demanda da população. Esse descompasso, ao longo dos anos, se acumulou e a gente quer discutir nessa ação — defende Oliveira. 

A tarifa de 2017 também está judicializada (entenda abaixo). No momento, documentos enviados pela prefeitura e pela Visate para justificar os valores passam por perícia, processo que não tem previsão de conclusão. 

A nova ação tramita na 2ª Vara Cível de Caxias do Sul, especializada em Fazenda Pública. O Pioneiro tentou contato com a titular da Vara, a juíza Maria Aline Vieira Fonseca, durante esta terça-feira (10), mas não obteve sucesso. A prefeitura de Caxias informou, também na tarde de terça, por meio da assessoria de imprensa, que ainda não havia sido notificada da nova ação. 

ENTENDA O IMPASSE

:: No início de 2017, a prefeitura de Caxias decidiu manter a tarifa do transporte coletivo no mesmo valor do ano anterior, R$ 3,40.

:: A Visate entrou na Justiça contra a decisão, alegando que o valor causaria o desequilíbrio econômico-financeiro da empresa.

:: A concessionária havia sugerido a passagem em R$ 4,25 para 2017. 

:: Em dezembro de 2016, ainda sob a gestão de Alceu Barbosa Velho (PDT), técnicos da Secretaria de Trânsito calcularam o valor de R$ 4,01 para a passagem a partir das planilhas de custo da empresa.

:: O valor de R$ 3,70 foi decidido provisoriamente pela Justiça em maio do ano passado e confirmado em outubro. 

:: Sem concordar com o aumento, o Executivo solicitou que a passagem fosse diminuída para R$ 3,04, alegando que a empresa tinha espaço para reduzir custos operacionais. O município sempre defendeu que a Visate não conseguiu demonstrar o desequilíbrio econômico-financeiro alegado. 

:: Em 26 de janeiro de 2018, o prefeito Daniel Guerra (PRB) sancionou o valor da tarifa para o ano em R$ 3,85. 

:: O valor, novamente, desagradou a Visate, que havia chegado a R$ 4,30 seguindo condições atuais do serviço e sugeriu R$ 4,02 considerando uma racionalização, entre outras medidas.

:: A tarifa de 2018, porém, ainda não foi judicializada.

Leia também
Comissão conclui pela improcedência da denúncia de impeachment do prefeito de Caxias
Ministério Público quer que autor confesso da morte de Naiara seja levado a júri popular
Hospitais de Caxias defendem colaboração de prefeituras da região para amenizar déficits

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros