Memória: obelisco do Parque Cinquentenário em 1925 - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga05/04/2018 | 07h30Atualizada em 05/04/2018 | 20h36

Memória: obelisco do Parque Cinquentenário em 1925

Monumento alusivo aos 50 anos da colonização italiana em Caxias foi inaugurado juntamente com a abertura do espaço

Memória: obelisco do Parque Cinquentenário em 1925 Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami/divulgação
A inauguração do Obelisco do Cinquentenário da Colonização Italiana, em dezembro de 1925 Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Surgido em 1925, por ocasião dos 50 anos de colonização italiana na Serra (daí o nome), o Parque Cinquentenário teve entre os destaques da estreia a inauguração do Obelisco do Cinquentenário. Foi em 24 de dezembro de 1925, quando o espaço foi entregue oficialmente à população pela administração do intendente municipal Celeste Gobbato.

Conforme matéria do jornal "O Regional" de 1º de janeiro de 1926, houve missa campal celebrada pelo cônego João Meneguzzi, coadjuvado pelos padres Orestes Valetta e Luiz Polesso. Tudo a partir de um altar montado no meio do parque. Houve também a bênção da bandeira municipal e do obelisco em si, situado nos fundos do terreno.  

O monumento trazia uma placa em bronze com os dizeres "Stirpe Latina, Virtu Italica 1875-1925", mensagem que resumia a epopéia iniciada pelos primeiros colonizadores, em 1875, e seus descendentes. O obelisco também era circundado por dois leões de concreto, esculpidos por Michelangelo Zambelli — os dois exemplares que, a partir de 1978, foram deslocados para o pórtico.

Os leões de Michelangelo Zambelli no Parque Cinquentenário
Encontro da família de Domenico Tronca no Parque Cinquentenário em 1936 

A placa de bronze, no entanto, não sobreviveu ao vandalismo. Já em meados dos anos 1940, sofreu sua primeira tentativa de roubo (leia abaixo). Atualmente, o obelisco de 1925 é apenas uma estrutura de pedra perdida nos fundos do parque, sem nenhuma identificação ou placa recontando sua história de quase 100 anos. 

Leia mais:
Mirante do Parque dos Macaquinhos em 1965
Mirante do Parque dos Macaquinhos: um espaço a ser reocupado
Parque dos Macaquinhos, ontem e hoje
Parque dos Macaquinhos no início dos anos 1970 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 03/04/2018 - Obelisco do Cinquentenário da Imigração Italiana, inaugurado em 1925, no Parque Cinquentenário, por ocasião dos 50 anos da chegada dos primeiros imigrantes italianos, em 1875. Estrutura em pedra está abandonada e sem nenhuma placa de identificação há décadas. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)
O obelisco nos fundos do parque, sem qualquer placa ou identificação sobre sua históriaFoto: Marcelo casagrande / Agencia RBS
Inaugurado em 1925, por ocasião dos 50 anos de colonização italiana na Serra (daí o nome), o Parque Cinquentenário teve entre os destaques da estreia a inauguração do Obelisco do Cinquentenário. Foi em 24 de dezembro de 1925, quando o espaço foi entregue oficialmente à população pela administração do intendente municipal Celeste Gobbato.Conforme matéria do jornal ¿O Regional¿ de 1º de janeiro de 1926, houve missa campal celebrada pelo cônego João Meneguzzi, coadjuvado pelos padres Orestes Valetta e Luiz Polesso. Tudo a partir de um altar montado no meio do parque. Houve também a bênção da bandeira municipal e do obelisco em si, situado nos fundos do terreno.   O monumento trazia uma placa em bronze com os dizeres ¿Stirpe Latina, Virtu Italica 1875-1925¿, mensagem que resumia a epopéia iniciada pelos primeiros colonizadores, em 1875, e seus descedentes. O obelisco também era circundado por dois leões de concreto, esculpidos por Michelangelo Zambelli _ os dois exemplares que, a partir de 1978, foram deslocados para o pórtico.A placa de bronze, no entanto, não sobreviveu ao vandalismo. Já em meados dos anos 1940, sofreu sua primeira tentativa de roubo (leia ao lado). Atualmente, o obelisco de 1925 é apenas uma estrutura de pedra perdida nos fundos do parque, sem nenhuma identificação recontando sua história de quase 100 anos. Na foto, o acesso ao Parque em 1925 e a recém-aberta Avenida Itália.
A entrada do Parque Cinquentenário em 1925, com a recém-aberta Avenida ItáliaFoto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Roubo durante a guerra

A situação do parque também pautou uma reportagem na primeira edição do jornal Pioneiro, de 4 de novembro de 1948 (foto abaixo). A matéria especial "Medram abandono e indecências no Parque Cincoentenário", com fotos do jovem Mauro De Blanco, já alertava, há 70 anos, para a insegurança e a falta de manutenção do espaço. 

Mauro De Blanco e o Inferno de Dante em 1952
O Instante e o Tempo: Mauro De Blanco e a trajetória dos fotógrafos de Caxias do Sul
Confira uma galeria de imagens de Mauro De Blanco pertencentes ao acervo particular da fotógrafa Janete Kriger  

O texto também aludia a um possível episódio envolvendo a eliminação de qualquer homenagem à Itália, naqueles tempos de guerra —  período de fortes restrições à presença das colônias alemãs e italianas no Brasil.  

"Certa noite, quando a responsabilidade e a desordem pareciam ser o espírito dominante, foi arrancada a placa do obelisco, em meios das imprecações de alguns pseudo-patriotas exaltados. Só há alguns dias voltou ela ao seu devido lugar, por uma indicação da Câmara de Vereadores".

Anos depois, a placa foi novamente roubada. E nunca mais houve uma reposição. Quem sabe em 2025?

Leia mais:
Memórias de guerra: as placas da imigração italiana em Nova Milano
Estátua da Liberdade, um símbolo da Praça Dante desde 1922
Atelier Zambelli: um ícone da arte sacra
O Cine Central e as esculturas de Estácio Zambelli
Para recordar de Estácio Zambelli  
Os 60 anos do Parque dos Macaquinhos
1972: o último ano do Pavilhão da Festa da Uva
Varejo do Eberle: um clássico do Centro 

Matéria da primiera edição do jornal Pioneiro, em 4 de novembro de 1948, sobre as más condições do Parque Cinquentenário.
Foto: Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul / divulgação

Amores proibidos

Um dos trechos do texto do jornal Pioneiro de 1948 discorria sobre a frequência do parque:

"... graças a um serviço de guarda inoperante, à iluminação fraca e mal distribuída e ao abandono a que foi relegado, ninguém mais que se preze e que se dê ao respeito, pode dar-se o prazer de frequentá-lo. Procuram-no, apenas à noite, elementos duvidosos, para amores proibidos”. O Parque Cinquentenário nada mais é, atualmente, do que um exemplo lastimável de abandono, irresponsabilidade e indecência."

A matéria também sugeria providências:

"... moralizar o parque, revisando seu policiamento e estabelecendo normas para a sua frequentação. Redistribuir a sua iluminação e dotá-lo com numerosos bancos. Por que não se toma providências para a construção de um moderno e amplo pavilhão, no qual poderiam ser instalados não apenas serviços de copa e restaurante, mas também, à semelhança de antigamente, um excelente tablado para patinação e outros divertimentos populares?". 

Leia mais:
Parque dos Macaquinhos nos anos 1960: cenário para uma novela policial
Há 50 anos: a nevada de 1965
Caxias coberta de branco em 1965 e 1975 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (02/09/2014) Obelisco no Parque Cinquentenário. Obelisco instalado em 1925, no Parque Cinquentenário, em Caxias do sul,  por ocasião dos 50 anos de Imigração Italiana no Rio Grande do Sul. Meméoria 114.
O obelisco nos fundos do parque, sem nenhum tipo de identificação ou placaFoto: Roni Rigon / Agencia RBS
 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 03/04/2018 - Obelisco do Cinquentenário da Imigração Italiana, inaugurado em 1925, no Parque Cinquentenário, por ocasião dos 50 anos da chegada dos primeiros imigrantes italianos, em 1875. Estrutura em pedra está abandonada e sem nenhuma placa de identificação há décadas. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)
O monumento com as marcas e perfurações da antiga placa de bronze retiradaFoto: Marcelo casagrande / Agencia RBS

O parque

No relatório da administração apresentado pelo intendente municipal Celeste Gobbato, com as obras realizadas entre 1924 e 1925, consta a justificativa para a aquisição dos lotes que compunham o Parque Cinquentenário e a preocupação com a área verde:

"... nossa ação devia ser rápida e decisiva, porque tratava-se do único mato existente na zona urbana, dividindo com terras da Municipalidade, e onde um de seus proprietários, o senhor João Sperandio, já tinha resolvido abater os velhos pinheiros e já havia iniciado a ação devastadora. Reputamos assim urgente intervir na compra das terras, para aproveitar lotes naturalmente revestidos de plantas, preparar um local de recreio ao público e reservar um grande pulmão, aberto para o constante aumento da população da cidade. A vantagem desse parque, se ainda por todos não foi reconhecida, o será por certo num futuro muito longínquo, principalmente quando terá aumentado o número de construções no Arrabalde de São Pelegrino e nas suas proximidades."

Leia mais:
Os antigos quiosques da Praça Dante Alighieri
Um coreto no coração da Praça Dante
Jardins da Praça Dante Alighieri nos anos 1950
Confira um vídeo com imagens raras da Praça Dante em 1957
As rosas da praça e o horto municipal nos anos 1960
Busto de Dante Alighieri completa 100 anos na Praça
Jimmy Rodrigues e a antiga praça das rosas
Praça Dante Alighieri e arredores nos anos 1930 e 1950
Anos 1950: flertes dominicais nos arredores da Praça Dante

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros