Aula pública na FSG vai debater preservação do patrimônio histórico na cidade - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Debate12/04/2018 | 08h01Atualizada em 12/04/2018 | 10h47

Aula pública na FSG vai debater preservação do patrimônio histórico na cidade

Evento usará caso da Cesa, demolida recentemente, como exemplo

Aula pública na FSG vai debater preservação do patrimônio histórico na cidade Acervo Cesa/Divulgação
Foto: Acervo Cesa / Divulgação
Pioneiro
Pioneiro

Ao contrário do que muita gente pensa, a preservação de prédios históricos não é impedimento para o progresso de uma cidade. É isso que um grupo de professores do Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG) quer explicar em uma aula aberta que ocorrerá em Caxias do Sul nesta quinta e sexta-feira. 

O evento utilizará o exemplo do complexo da antiga Companhia Estadual de Silos e Armazéns (Cesa) de Caxias do Sul, recentemente demolido. A área receberá futuramente uma unidade da loja Havan.

Leia mais
Proprietários enfrentam dificuldades para reformar prédios históricos em Caxias do Sul
Mesmo tombados, prédios históricos de Caxias do Sul correm o risco de desaparecer
Para estrutura da Cesa, em Caxias, tentativa de preservação chegou tarde demais
Anos de indefinição deixam lanifício histórico de Caxias em ruínas
"Município não deveria permitir que edificações históricas se deteriorem", diz especialista

Conforme uma das organizadoras do evento, a arquiteta Taísa Festugato, a ideia é comprovar que a preservação arquitetônica pode valorizar não só a história da cidade como também inspirar a reutilização das estruturas como resgate do que representaram no passado:

— O Moinho da Estação era um espaço abandonado até restaurarem. E eu duvido que a pessoa que restaurou tenha perdido dinheiro com isso. Ela continua fazendo esse lugar render e ele se valorizou muito mais do que se tivesse um prédio novo ali. A mesma coisa ocorre agora com o Fabbrica (Salvador), é um exemplo bem legal porque nem tombado é, e a pessoa quis preservar porque viu que aquilo tinha potencial e hoje é um dos lugares mais legais de Caxias. Não tem quem não vá lá e saia encantado — comenta.

Por outro lado, segundo Taísa, outros exemplos demonstram que a desconsideração pelo valor da preservação pode resultar tanto na desvalorização da herança cultural da cidade quanto no aspecto estético.

— As gerações que já viram o Cine Ópera ser demolido, já têm uma visão diferente. O caxiense tem essa ideia de progresso do "demole e faz de novo".  Mas é a geração mais jovem que vai conseguir entender essa história do que é o valor da nossa vivência. Se nós passássemos hoje nessa esquina e víssemos o Ópera, ela seria muito mais bonita — complementa Taísa.

SERVIÇO

Quinta, às 18h30min, no campus-sede (Rua Marechal Floriano, 1.229, sala 235)

:: Bate-papo: "Da onde surge o valor arquitetônico?", com as professoras Taísa Festugato e Juliana Guarnieri.

:: Cases de obras que progrediram com a preservação do patrimônio, com as professores Paula Nader e Leonardo Giovenardi 

:: Bate-papo "Legislação e patrimônio", com as professoras Paula Nader e Lizia de Zorzi.

:: Desenvolvimento de ideias sobre como aproveitar o patrimônio e incentivar o progresso. Divisão de grupos com coordenação dos professores. 

Mediador: Maurício Rossini

Sexta, às 18h30min, no campus-sede 

:: Desenvolvimento de propostas para a CESA

:: Divisão de grupos para desenvolvimento das propostas com coordenação dos professores Guilherme Osterkamp, Taísa Festugato, Leonardo Giovenardi, Paula Nader, Giovana Santini e Daniela Fastofski.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros