Moradores do entorno da Estação Férrea, em Caxias, devem entregar um abaixo-assinado contra baderna ao MP  - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Bebida e som alto02/03/2018 | 16h23

Moradores do entorno da Estação Férrea, em Caxias, devem entregar um abaixo-assinado contra baderna ao MP 

Mobilização já tem 670 assinaturas online e outras 100 no papel

Moradores do entorno da Estação Férrea, em Caxias, devem entregar um abaixo-assinado contra baderna ao MP  Kamila Mendes/Agência RBS
Brigada Militar diz que adotou policiamento diferenciado nos últimos finais de semana Foto: Kamila Mendes / Agência RBS

Moradores do entorno da Estação Férrea de Caxias do Sul, no bairro São Pelegrino, pretendem entregar na próxima semana ao Ministério Público  (MP) um abaixo-assinado contra a baderna na área aos fins de semana. A mobilização, realizada por meio do site change.org, já conta com 670 assinaturas. Outras 100 foram coletadas por meio de uma lista impressa que circulou pela região.

De acordo com moradores, a concentração de jovens na área voltou a aumentar desde o domingo de carnaval. Além de consumir bebidas alcoólicas e drogas, eles ouvem som alto nos carros e espalham lixo pelas ruas.

— Na última madrugada de sexta (23) para sábado (24), jogaram uma garrafa dentro de uma loja. Quebrou o vidro e a garrafa foi parar lá dentro. No dia 27 de janeiro, um carro capotou na Rua Os 18 do Forte. Os jovens que estavam dentro pegaram a chave e foram embora. Quatro minutos antes havia uma barraquinha de cachorro-quente no ponto do acidente — lembra um morador.

Leia mais
Por falta de efetivo, Guarda de Caxias deixa de realizar força-tarefa na Estação Férrea, afirma diretor
Duas pessoas são feridas na Estação Férrea de Caxias

O comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar (12ºBPM), tenente-coronel Jorge Emerson Ribas, disse que nos dois últimos fins de semana a Brigada Militar (BM) adotou um policiamento diferenciado na área, que amenizou a bagunça. 

Conforme ele, a intenção é manter os policiais na região por um determinado tempo, já que se a presença for permanente os jovens migram para outras regiões da cidade. O comandante afirma, porém, que ações precisam ser adotadas em várias frentes para que o problema tenha solução.

— Sabemos que com a nossa presença muitos excessos não acontecem, mas é difícil coibir algo que ocorre de forma indiscriminada. O que não poderia ocorrer é a venda de bebida, principalmente long neck, ao longo da madrugada. A iluminação na região também precisaria ser melhorada. Nossa intenção não é afugentar o jovem de lá. Todos gostamos de sair. O problema são os excessos — defende.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros