Memória: primórdios da Diocese de Caxias em 1931 - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Caxias antiga26/03/2018 | 07h30Atualizada em 26/03/2018 | 15h11

Memória: primórdios da Diocese de Caxias em 1931

Comissão pró-Bispado era formada pelo vigário João Meneguzzi e pelos empresários Raymundo Magnabosco e Abramo Eberle

Memória: primórdios da Diocese de Caxias em 1931 Studio Geremia/Acervo Muscap,divulgação
Comissão Pró-Bispado era formada pelo vigário João Meneguzzi (terceiro sentado, à esquerda), pelo prefeito Miguel Muratore, pelos empresários Abramo Eberle e Raymundo Magnabosco, e por diversos outros padres da região Foto: Studio Geremia / Acervo Muscap,divulgação

A Diocese de Caxias do Sul foi fundada em 8 de setembro de 1934, após desmembrar-se da Arquidiocese de Porto Alegre. Mas os trabalhos para a efetivação dessa autonomia de Caxias e de várias cidades da Serra perante a Capital tiveram início bem antes. Em 4 de agosto de 1931, por exemplo, dezenas de representantes do clero local e regional, além de autoridades políticas e civis, reuniram-se na antiga Casa Canônica (ao lado do Catedral) para levar adiante a criação do episcopado.

Conforme reportagem do jornal "Caxias" de 6 de agosto daquele ano, a Comissão pró-Bispado era formada pelo cônego João Meneguzzi (vigário da Igreja Matriz de Santa Teresa e principal articulador do movimento), pelo prefeito Miguel Muratore; pelo presidente do Apostolado dos Homens, senhor Paulo Rache; e pelos empresários Raymundo Magnabosco e Abramo Eberle (todos na foto acima). 

A eles juntaram-se líderes da igreja de Caxias e região, como os padres José Benini (Antônio Prado), Angelo Donato (Galópolis), Frei Paulino (Capuchinhos), Antonio Zattera (Bento Gonçalves), Antonio Rizzotto (Caravaggio), Albino Agazzi (Nova Milano), Luiz Mascarello (São Lourenço), Henrique Compagnoni (São Marcos), Luiz Polesso (Criúva) e Jerônimo Rossi (Ana Rech), entre outros.

Na edição seguinte do jornal Caxias, um artigo aludia à necessidade de Caxias não ficar mais subordinada a Porto Alegre — o que obrigava a população a seguir para a Capital por qualquer questão de cunho religioso. Trecho do texto ressaltava também a importância dessa realidade para as cidades da região de colonização italiana:

"Com a Diocese nesta cidade, Caxias ficará sendo o centro absoluto de toda a região italiana (...), com o poder de resolver todo e qualquer pedido e questão, que antes as pessoas eram obrigadas a gastar tempo e dinheiro com viagens contínuas a Porto Alegre".

Instalada oficialmente em 1934, a Diocese de Caxias teve como primeiro bispo Dom José Barea. Ele tomou posse em 11 de fevereiro de 1936.

Leia mais:
A atuação comunitária do bispo Dom José Barea
Funeral do bispo Dom José Barea em 1951
Inauguração do busto de Dom Jose Barea em 1966
80 anos da Diocese: os bispos de Caxias do Sul desde 1936
Congresso Eucarístico de 1948: um marco da Diocese
Caxias do Sul durante o 1º Congresso Eucarístico Diocesano
São Pelegrino e o novo espaço da Casa de Memória 

A Diocese

Atuante há 84 anos, a Diocese de Caxias do Sul abrange 29 municípios e possui 73 paróquias, um santuário diocesano e 983 comunidades. Toda essa história pode ser acessada em detalhes nos sites www.diocesedecaxias.org.br e www.catedraldecaxias.org.br

Uma linha do tempo traz diversas informações e imagens históricas, como a da construção da nova Casa Canônica, ao lado da Catedral, por volta de 1917 (abaixo). 

Quiosque de Adelino Sassi (à direita), na Praça Dante Alighieri, quando o bispado ao lado da Catedral Diocesana estava sendo construído.
A construção da Casa Canônica, atual Bispado, por volta de 1917Foto: Acervo pessoal de Maria Helena Balen / divulgação

Acervo no Muscap

A imagem que abre a matéria integra o arquivo fotográfico do Museu dos Capuchinhos (Muscap). O espaço possui vasto acervo bibliográfico, documental e museológico sobre a presença dos Freis Capuchinhos no Rio Grande do Sul. Pesquisas e consultas do público podem ser feitas na sede da instituição (Rua General Mallet, 33, bairro Rio Branco). Mais informações: www.capuchinhos.org.br ou pelo fone (54) 3220.9565.

Leia mais:
Memória dos Capuchinhos: 25 anos sem o Frei Ambrósio Tondello
A atuação de Dom Angelo Mugnol em Galópolis
Augusto Sartori: um século de histórias 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros