Memória: os 125 anos da família Tonus no Brasil - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga15/03/2018 | 07h30Atualizada em 15/03/2018 | 17h58

Memória: os 125 anos da família Tonus no Brasil

Pioneiros Francesco Tonus e Lucia Pegolo saíram do Vêneto em novembro de 1892, instalando-se na antiga colônia Alfredo Chaves em fevereiro de 1893 

Memória: os 125 anos da família Tonus no Brasil Acervo de família / divulgação/divulgação
Imigração italiana: o casal Francesco Tonus e Lucia Pegolo (sentado à direita) e parte da família por volta de 1900 Foto: Acervo de família / divulgação / divulgação

 As comemorações dos 125 anos da chegada da família Tonus ao Brasil ocorreram no início de fevereiro, mas nunca é tarde para recordar de uma trajetória que se mescla à dos município de Veranópolis e Vista Alegre do Prata.

Toda essa história teve início ainda em 5 de novembro de 1892, quando foi expedido pelo município italiano de Fontanelle, na província de Treviso, o passaporte da família de imigrantes. Foi de lá que saíram o patriarca Francesco Tonus, então com 39 anos, sua esposa Lucia Pegolo, também com 39, e os filhos Giuseppe, 10; Angelo, sete; Paola, cinco; Giovana, dois; e a caçula Maria, de apenas três meses.

Encontro internacional da família Bigolin em Pinto Bandeira
Imigração italiana: Isidoro Bigolin e o brinco de ouro
Encontro da família Peruchin em Vacaria

A travessia rumo ao Brasil naqueles tempos exigia cerca de 40 dias. Para os Tonus, porém, esse tempo foi ultrapassado devido a uma tempestade em alto-mar. Conforme informações contidas na revista especial editada para o encontro de 2018, a tormenta fez com que a chegada ao Porto de Santos, em São Paulo, ocorresse cerca de três meses depois - o lote 163 onde a família se instalou, na antiga colônia Alfredo Chaves (atual município de Veranópois), data de fevereiro de 1893.

Na imagem acima, os pioneiros Francesco Tonus e Lucia Pegolo com parte da família: Em pé, Maria Costa Curta (com o filho Antonio Tonus no colo) e o marido Giuseppe Tonus; Maria Tonus, Cecília Tonus, Regina Pessoto Tonus, Fioravante Tonus (o pequeno Fiorelo) e Angelo Tonus. Sentados estão Stela Tonus, Francisco Tonus (Quequi) e o casal Francesco Tonus e Lucia Pegolo. 

Álbum de família

Nas imagens a seguir, alguns registros da família nos primórdios do século 20. Na primeira, o imigrante Giuseppe Tonus, filho de Francisco, com a segunda esposa, Maria Costa Curta Tonus. Giuseppe e Maria tiveram sete descendentes: Antonio, Pedro, Amabile, Adelia, Angelo, Lidia e Amabile (mesmo nome da irmã morta precocemente). De suas primeiras núpcias, com Luiza Costa Curta, nasceram dois descendentes: Francisco e Stela.

Na sequência, Angelo Tonus, irmão de Giuseppe e filho de Francisco, com sua família. A partir da esquerda, vemos os filhos Lucia, Maria, a esposa Regina Pessoto Tonus, a caçula Antonia (Antonieta), o patriarca Angelo e, por fim, os irmãos José e Fioravante Tonus.  

Por fim, um registro das quatro filhas dos pioneiros Francesco e Lucia. A partir da esquerda estão Giovanna, Paola, Maria e Cecília (nascida no Brasil).

O imigrante Giuseppe Tonus, filho de Francisco, com a segunda esposa, Maria Costa Curta Tonus. Giuseppe e Maria tiveram sete descendentes: Antonio, Pedro, Amabile, Adelia, Angelo, Lidia e Amabile (mesmo nome da irmã morta precocemente). De suas primeiras núpcias, com Luiza Costa Curta, nasceram dois descendentes: Francisco e Stela.
Giuseppe Tonus, filho de Francesco, com a segunda esposa, Maria Costa Curta TonusFoto: Acervo de família / divulgação
Angelo Tonus, irmão de Giuseppe Tonus e filho de Francisco Tonus, com sua família. A partir da esquerda, vemos os filhos Lucia, Maria, a esposa Regina Pessoto Tonus, a caçula Antonia (Antonieta), o patriarca Angelo e, por fim, os irmãos José e Fioravante Tonus.
Angelo Tonus,e a família. A partir da esquerda, os filhos Lucia, Maria, a esposa Regina Pessoto Tonus, a caçula Antonia (Antonieta), o patriarca Angelo e, por fim, os irmãos José e Fioravante Tonus. Foto: Acervo de família / divulgação
As quatro filhas dos pioneiros Francesco Tonus e Lucia Pegolo. A partir da esquerda estão Giovanna, Paola, Maria e Cecília Tonus (nascida no Brasil).
Giovanna, Paola, Maria e Cecília , as quatro filhas de Francesco e LuciaFoto: Acervo de família / divulgação

Primeiros contatos

A aproximação das famílias Tonus do Brasil e da Itália teve início em 1994, com a visita dos descendentes João Wianey Tonus e Nadir Tonus, integrantes do grupo Miseri Coloni, aos municípios de Fonatenelle e Godega di Sant’Urbano. 

Foi quando ambos mantiveram uma série de contatos com os parentes italianos nas folgas das apresentações teatrais. Tinha início aí uma parceria que se estende até hoje - e rende cada vez mais atualizações sobre essa centenária história. 

Painel

No encontro de 4 de fevereiro, em Vista Alegre do Prata, também foi inaugurado um painel na Escola Municipal Giuseppe Tonus, que, em 1992 teve seu nome alterado de Osvaldo Cruz para o do imigrante chegado à localidade exatos 100 anos antes.

Parceria

Informações desta coluna são uma colaboração do leitor João Wianey Tonus.

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros