Memória: Dante Marcucci, um busto e uma polêmica - Cidades - Pioneiro
 

Caxias antiga27/03/2018 | 07h30Atualizada em 27/03/2018 | 07h30

Memória: Dante Marcucci, um busto e uma polêmica

Inaugurada em 1965, herma do ex-prefeito junto ao antigo pavilhão da Festa da Uva, na Rua Alfredo Chaves, foi deslocada para a Praça da Bandeira 10 anos depois, motivando várias críticas 

Memória: Dante Marcucci, um busto e uma polêmica Studio Geremia/Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
Festa da Uva: inauguração do busto em 1965 contou com Remo Marcucci, Otoni Minghelli, Ary Cavalcanti e Victorio Trez (à direita) Foto: Studio Geremia / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação

Prefeito de Caxias do Sul entre 1935 e 1947, Dante Marcucci (1889-1956) teve sua trajetória política reverenciada em 1965, durante a Festa Nacional da Uva. Foi quando a administração municipal e a comissão do evento instalaram um busto do político no antigo parque de exposições da festa, na Rua Alfredo Chaves. A estátua, obra do fotógrafo e escultor Ary Cavalcanti, foi inaugurada em 6 de março daquele ano, com a presença da família, do presidente da festa, empresário Ottoni Minghelli, e de diversas autoridades.

Festa da Uva: um ensaio com as soberanas de 1965

A homenagem, porém, transformou-se em polêmica na gestão seguinte, sob o comando de Mário Bernardino Ramos. O então prefeito decidiu pela transferência da herma para a Praça Dante Marcucci (da Bandeira, ao lado da rodoviária velha), que passava por uma revitalização. A decisão motivou discussões acaloradas entre a família e a prefeitura, além de uma carta do advogado Remo Marcucci (1924-1993), filho de Dante, com duras críticas à iniciativa.

Remo recusou-se a comparecer à solenidade. E sua missiva, em forma de desabafo, foi reproduzida no Jornal de Caxias de 15 de março de 1975 — época em que Mário Ramos licenciava-se da prefeitura para assumir a Secretaria de Turismo do Estado.

"Senhor prefeito, devolvo o convite que me remeteu contra recibo, ontem, para participar das homenagens que hoje pretende prestar ao meu progenitor, cujo busto retirou de onde se achava. Não tomo conhecimento das aludidas homenagens, a respeito das quais deixo de tecer comentários, à luz dos meus sentimentos. No ensejo, quero deixar bem claro que dispenso os protestos de consideração e apreço que formula e, ao mesmo tempo, expresso minha intensa alegria em saber que, dentro de poucos dias, deixará Caxias do Sul entregue a outras mãos".

Leia mais:
1972: o último ano do pavilhão da Rua Alfredo Chaves
A inauguração dos Pavilhões em 1975
Festa da Uva: um desfile pela Sinimbu em 1972
Vinho em caixinha: novidade da Festa da Uva de 1972
Pelé visita a Festa da Uva de 1975

Busto de Dante Marcucci e a polêmica da transferêncua em 1975, quando saiu do largo da prefeitura para a Praça Dante Marcucci. Na foto, inauguração do busto em 6 de março de 1965.
A inauguração do busto de Dante Marcucci, em 6 de março de 1965Foto: Studio Geremia / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
Busto de Dante Marcucci e a polêmica da transferêncua em 1975, quando saiu do largo da prefeitura para a Praça Dante Marcucci. Na foto, inauguração do busto em 6 de março de 1965.
Busto foi inaugurado em 1965, junto ao largo do antigo Pavilhão da Festa da Uva, na Rua Alfredo ChavesFoto: Studio Geremia / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
Foto: Acervo Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias / Reprodução
Foto: Acervo Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias / Reprodução
Foto: Acervo Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias / Reprodução

Estátua de costas

Em uma crônica no Pioneiro de 26 de julho de 1975, sobre as atrações turísticas de Caxias (foto abaixo), o advogado Remo Marcucci ironizava a "Estátua de Costas".

"Caxias é, ao que sei, a única cidade do mundo que possui um monumento em praça pública de costas. Acredito até que o operoso vice-prefeito em exercício já se deu conta disso e, possivelmente, mais cedo ou mais tarde, ordenará ao seu Secretário de Turismo que inclua no roteiro da cidade a visita à ‘Estátua de Costas’. Eu até que não me importaria com isso, não fosse a estátua o busto do meu querido e saudoso pai".  

Leia mais:
A cidade de Dante Marcucci nos anos 1930 e 1940
Busto de Dante Alighieri, um ícone da praça desde 1914
Busto de Dante completa um século na praça
Hospital Pompéia: inauguração do busto de Dom José Barea em 1966
Estátua da Liberdade, um ícone da Praça Dante desde 1922

Foto: Acervo Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias / Reprodução
Busto de Dante Marcucci e a polêmica da transferêncua em 1975, quando saiu do largo da prefeitura para a Praça Dante Marcucci. Na foto, a reinauguração do busto em 1975, na Praça da Bandeira, Praça Dante Marcucci.
A reinauguração do busto na Praça da Bandeira, em 1975, mudança que gerou muita polêmicaFoto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Retorno em 1977

A polêmica teve fim em fevereiro de 1977, na sequência da posse do novo prefeito, Mansueto de Castro Serafini Filho. Após a primeira reunião de Mansueto com o novo secretariado municipal, decidiu-se pelo retorno do busto a seu local de origem, o largo fronteiro do antigo pavilhão da Festa da Uva — e que desde 1975 já abrigava a prefeitura.

Conforme reportagem do Pioneiro de 12 de fevereiro de 1977, "muita celeuma causou aquele fato, e agora, com a volta do busto para o Centro Administrativo, onde ele foi colocado sem cerimônias ou festa, tudo serenou".

Leia mais:
Remo Marcucci: um livro infantil nos anos 1970
Nu fotográfico agita a Aliança Francesa em 1955
Família Pettinelli hospeda Martha Rocha em Caxias do Sul em 1955

Foto: Acervo Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias / Reprodução
O busto de Dante Marcucci atualmente, com a assinatura do autor, Ary Cavalcanti (à direita)Foto: Rodrigo Lopes / divulgação
Herma foi inaugurada em fevereiro de 1965, durante a Festa da Uva. Atualmente, apresenta várias rachaduras e carece de limpeza e manutençãoFoto: Rodrigo Lopes / divulgação

Leia mais:
Demolição da Vinícola Mosele em 1981
Ranchos no Lanifício Gianella em 1941
Bomboniére Maratá na Av. Júlio em 1943
Joalheria Beretta, uma tradição da Av. Júlio de Castilhos
Ferragem Caxiense em 1947
Getúlio Vargas no Real Hotel em 1954
Interiores da Loja Magnabosco nos anos 1950
Comércio e serviços: os preferidos dos caxienses em 1954 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros