Falta de professores estaduais deve ser resolvida até o fim do mês - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Rede Estadual 09/03/2018 | 14h54Atualizada em 09/03/2018 | 14h54

Falta de professores estaduais deve ser resolvida até o fim do mês

Falta de professores estaduais deve ser resolvida até o fim do mês

Falta de professores estaduais deve ser resolvida até o fim do mês Ana Denise Rosa/Divulgação
Secretário Estadual de Educação, Ronald Krummenauer, esteve ontem em Caxias do Sul Foto: Ana Denise Rosa / Divulgação

O secretário estadual de Educação, Ronald Krummenauer esteve ontem em Caxias do Sul participando do projeto Bate-Papo com Diretores, que reuniu as coordenadorias de Caxias do Sul, Bento Gonçalves e Vacaria. Mais de 220 diretores tiveram a chance de  de conversar com o secretario ou com coordenadores sobre problemas nas escolas, entre eles a falta de professores. O déficit de profissionais nas salas de aula, aliás, será pauta de uma reunião hoje entre o secretário e o setor de Recursos Humanos da pasta. 

Leia mais:
Mais de 20 escolas da rede estadual da Serra receberam ou tem previsão de obras em 2018
Melhorias prometidas para a escola Cristóvão de Mendoza devem sair até julho

A demanda surgiu antes mesmo do encontro, em conversas entre Krummenauer e a titular da 4ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), Janice Moraes. Na região, o déficit, segundo Janice, é de cerca de 90 professores, sendo que em Caxias, faltam entre 20 e 30 profissionais. Segundo a coordenadora, a demanda muda com frequência porque há aposentadorias e licenças que são comunicadas diariamente. 

Conforme Krummenauer, a situação na cidade não é preocupante porque há professores para serem nomeados, enquanto nos outros municípios será preciso buscar alternativas. Ele acredita que o problema deva ser resolvido ao longo do mês de março.

— É uma situação bastante contornável, porque estamos terminando a segunda semana de aula, e ao longo do mês de março,  resolveremos esses problemas. Algumas questões podem ser solucionadas com planejamento. Outros casos, como afastamento por licença-saúde ou nomeação de professores temporários que não têm mais interesse na vaga, é preciso reiniciar o processo. Zerar a falta de professores, muito provavelmente, nunca vai acontecer, pelo menos não dentro do sistema vigente atua — ressalta Krummenauer. 

Questionado pelo Pioneiro sobre a realização de obras no Instituto de Educação Cristóvão de Mendonza, que oferece turno integral mas não tem estrutura ou materiais para atender aos alunos, o secretário afirmou que o assunto está sendo debatido em conjunto com a Secretaria de Obras, assim como as demais escolas do Estado. No entanto, ele não soube repassar prazos ou detalhes, alegando não se lembrar de todos os dados referentes ao assunto. O colégio é o único da região que receberá recursos do extinto Plano de Necessidades e Obras (PNO), que foi lançado em 2012, e previa a recuperação de quase 400 escolas.  

Obras

Quanto às obras do Programa de Autonomia Financeira do Governo do Estado, o secretário Ronald Krummenauer afirmou que os trabalhos têm de ser realizados ao longo deste ano:

—Temos um cronograma em relação a essas obras, caso contrário o governo do Estado perde a oportunidade de usar os recursos do Banco Mundial, que estão disponíveis até fevereiro do ano que vem. Acredito vamos concluir neste ano, até porque a maioria das obras são pequenas e mais fáceis de serem realizadas. 

Krummenauer descartou ainda o fechamento de mais escolas no Estado neste ano. Ele frisou que está questão está totalmente fora de cogitação, visto que o ano letivo já está em andamento. 

Leia também:
Mais de 17 toneladas de uva foram vendidas nas praças de Caxias do Sul neste ano
Memória: Raul Randon e uma vida para recordar  


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros