Memória: inauguração do busto de Dom José Barea em 1966 - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga13/02/2018 | 07h30Atualizada em 13/02/2018 | 13h55

Memória: inauguração do busto de Dom José Barea em 1966

Escultura no jardim do Hospital Pompéia foi obra do mestre Ary Cavalcanti, fotógrafo e antigo professor de desenho da Metalúrgica Abramo Eberle

Memória: inauguração do busto de Dom José Barea em 1966 Studio Beux/Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
O hospital Pompéia, o busto de Dom José Barea e uma tranquila Avenida Júlio por volta de 1968 Foto: Studio Beux / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação

Centenas de pessoas circulam por ele diariamente, mas, assim como dezenas de outros bustos espalhados pela cidade, são poucos os que atentam para a história do homenageado. Falamos da escultura do primeiro bispo de Caxias do Sul, Dom José Barea, localizada no jardim frontal do Hospital Pompéia. 

Obra do escultor, artista plástico e fotógrafo Ary Cavalcanti, a imagem em bronze foi inaugurada em 23 de abril de 1966, 15 anos após a morte do religioso. Conforme matéria veiculada pelo Pioneiro à época, a solenidade teve como principal autoridade eclesiástica convidada o núncio apostólico do Brasil e representante do Papa Paulo VI, Dom Sebatião Baggio. 

Além de inaugurar o busto, Baggio visitou o berçário e as várias dependências do hospital e conheceu o trabalho das Damas de Caridade, acompanhado dos médicos José Brugger e Ataliba Finger e de Madre Rosa Albertina. Ainda segundo a reportagem, Baggio destacou "a obra social da seção de indigentes, onde, desde a infância até a velhice, os pacientes recebem, gratuitamente, integral assistência médico-hospitalar".

A programação encerrou-se, logicamente, ao redor da mesa. À noite, diocese e prefeitura municipal ofereceram a Dom Sebastião Baggio um jantar no Rincão da Lealdade, com direito a discurso do presidente da Câmara de Vereadores, Victor Faccioni. No dia seguinte, o núncio participou da consagração do monsenhor Angelo Mugnol - com profícua atuação em Galópolis entre 1946 e 1953 - como bispo titular de Pelotas.

Leia mais:
A atuação de Dom Angelo Mugnol em Galópolis
25 anos sem o Frei Ambrósio Tondello
Augusto Sartori: um século de histórias
Morre Augusto Sartori, o médico mais antigo de Caxias do Sul  
Páscoa em Galópolis: 0s 50 anos da Operação Cruz

Inauguração do busto de Dom José Barea, em 23 de abril de 1966. A partir da esquerda estão, entre outros religiosos, Dom Vicente Scherer (bispo de Porto Alegre), padre Eugênio Giordani, Dom Sebastião Baggio, o médico José Brugger, Dom Benedito Zorzi (bispo de Caxias do Sul), o empresário Ottoni Mingheli, Dom Cândido Maria Bampi (bispo auxiliar de Caxias), o deputado estadual Mário Mondino (representando o governo do RS), o prefeito Hermes Weber e o autor do busto, escultor Ary Cavalcanti, acompanhado da esposa Wanda Pelizzari Cavalcanti e do jornalista Mário Gardelin (ao fundo, à direita)
A solenidade de inauguração do busto, em 23 de abril de 1966, contou com a presença de religiosos, autoridades e do autor, o escultor Ary Cavalcanti (à direita, de casaco escuro)Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

A foto oficial

  • Na imagem acima, o momento da inauguração do busto de Dom José Barea, em 23 de abril de 1966. A partir da esquerda estão Dom Claudio Colling (bispo de Passo Fundo), Dom Antonio Zattera (bispo de Pelotas), Dom Vicente Scherer (bispo de Porto Alegre),  Dom Walmor Battú Wichowski (atrás de Scherer), Dom Edmundo Luiz Kunz (bispo auxiliar de Porto Alegre), Dom Luiz Víctor Sartori (bispo de Santa Maria),  Dom Augusto Petró (bispo de Uruguaiana), padre Eugênio Giordani, Dom Sebastião Baggio, o médico José Brugger, Dom Benedito Zorzi (bispo de Caxias do Sul), o empresário Ottoni Mingheli, Dom Cândido Maria Bampi (bispo auxiliar de Caxias), o deputado estadual Mário Mondino (representando o governo do RS), o prefeito de Caxias, Hermes Weber, e o autor do busto, o escultor Ary Cavalcanti, acompanhado da esposa Wanda Pelizzari Cavalcanti e do jornalista Mário Gardelin (ao fundo, à direita). 

  • Agradecimento especial ao professor Aldo Migot pelo auxílio na identificação dos bispos.  

  • Leia mais:
    Os 90 anos de Mário Gardelin
    Marcos Kirst: Nove décadas de histórias
    Professor Mário Gardelin no Legislativo Caxiense
    Idealistas da Academia Caxiense de Letras  
 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL  (20/12/2014) Dom José Barea. Memória 114.   Na foto, retrato de  dom José Barea.
Dom José Barea no clássico registro do Studio Geremia, em 1948Foto: Geremia / Divulgação

Trajetória

Primeiro bispo de Caxias do Sul, Dom José Barea (1893-1951) nasceu em Nova Roma do Sul e teve forte atuação comunitária entre as décadas de 1930 e 1950, em especial na área da assistência social junto ao Hospital Pompéia. 

Ordenado em 11 de fevereiro de 1936, foi responsável pela criação das paróquias de São Pelegrino, Lourdes e da Imaculada Conceição (Capuchinhos), além de ter sido o grande mentor do Congresso Eucarístico Diocesano – realizado há 70 anos, entre os dias 5 e 9 de maio de 1948. 

Ele faleceu em 1951, aos 58 anos.

Leia mais:
Funeral do bispo Dom José Barea em 1951
A atuação comunitária do bispo Dom José Barea
80 anos da Diocese: os bispos de Caxias do Sul desde 1936
Congresso Eucarístico de 1948: um marco da Diocese
Caxias do Sul durante o 1º Congresso Eucarístico Diocesano
São Pelegrino e o novo espaço da Casa de Memória

Sagração de Dom José Barea na Catedral Diocesana de Caxias do Sul, em 19/01/1936. Ele está no centro da imagem, cercado de demais religiosos. O registro faz parte do projeto Minha, Nossa História - A sua história faz parte da nossa!.
A sagração de Dom José Barea em 1936, na Catedral Diocesana. Ao fundo, o prefeito Dante MarcucciFoto: acervo Diocese de Caxias do Sul / Divulgação

Leia mais:
Dia das Mães: o berçário do Hospital Pompéia
Um almoço no Caxias Hotel em 1947
Ary Cavalcanti e a Sociedade Marechal Rondon de Arco e Flecha
CTG Rincão da Lealdade visita a Bahia em 1961
Rádio Caxias, 70 anos: Vem pra Cancha, Amigo

Busto de Dom José Barea, inaugurado em 1966, no jardim do Hospital Pompéia, na Avenida Júlio de Castilhos
Busto de Dom José Barea é um dos destaques no acesso ao Hospital PompéiaFoto: Rodrigo Lopes / divulgação
Busto de Dom José Barea, inaugurado em 1966, no jardim do Hospital Pompéia, na Avenida Júlio de Castilhos
Escultura em bronze de Dom José Barea foi obra do artista plástico e fotógrafo Ary Cavalcanti. Já a estrutura de pedra foi confeccionada por José ZambonFoto: Rodrigo Lopes / divulgação

O Museu Diocesano

Além de rua, Dom José Barea nomeia o Museu Diocesano, localizado no térreo do Bispado, ao lado da Catedral. O espaço abriga vasto acervo sobre a diocese, incluindo fotografias, documentos, livros, imagens sacras, objetos litúrgicos e a trajetória dos bispos que atuaram em Caxias do Sul desde a década de 1930, incluindo aí o próprio e os subsequentes, Dom Benedito Zorzi e Dom Paulo Moretto.

Busto de Dom José Barea, inaugurado em 1966, no jardim do Hospital Pompéia, na Avenida Júlio de Castilhos
Escultura em bronze de Dom José Barea foi obra do artista plástico e fotógrafo Ary Cavalcanti. Já a estrutura de pedra foi confeccionada por José ZambonFoto: Rodrigo Lopes / divulgação
Busto de Dom José Barea, inaugurado em 1966, no jardim do Hospital Pompéia, na Avenida Júlio de Castilhos
Placa em bronze traz os dados biográficos do religiosoFoto: Rodrigo Lopes / divulgação
 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL  (17/10/2014) Museu Dom José Barea. Diocese de Caxias do Sul inaugura museu que homenageia a memória do bispo dom José Barea. No espaço, é possivel apreciar um acervo de documentos, fotos, livros e utensílios religiosos. (Roni Rigon/Pioneiro)
Bispo também tem sua trajetória revista no Museu Diocesano, no subsolo do bispado, ao lado da CatedralFoto: Roni Rigon / Agencia RBS

O autor

Ary Cavalcanti (1912-1994) transitou por várias frentes artísticas, com destaque para a fotografia, a pintura e a escultura. É autor do mural do CTG Rincão da Lealdade e de cerca de 160 bustos, espalhados por praças e diversas entidades caxienses. Além da escultura do bispo Dom José Barea, confeccionou a do ex-prefeito Dante Marcucci, no largo da prefeitura. 

Leia mais:
Instantes e tempos eternizados: a trajetória dos fotógrafos de Caxias do Sul de 1885 a 1960
Livro O Instante e o Tempo: uma cidade, múltiplos olhares
A trajetória do fotógrafo Giovanni Batista Serafini
Giovanni Serafini e Francesco Moscani: para recordar das antigas colônias 
O interior pelas lentes de Valério Zattera
Studio Geremia: parceiro da coluna Memória
Caxias pelas lentes do fotógrafo Reno Mancuso
Mauro De Blanco e O Inferno de Dante em 1952
Sisto Muner e a construção da Igreja Matriz de Galópolis em 1947  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória   

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros