Memória: Armarinhos Caxias, na Avenida Júlio, em 1955 - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga14/02/2018 | 07h30Atualizada em 14/02/2018 | 20h09

Memória: Armarinhos Caxias, na Avenida Júlio, em 1955

Fundada em 1946, loja de aviamentos e miudezas tinha como diretores os empresários Reinaldo Brunetta e José Angelo Mocelin

Memória: Armarinhos Caxias, na Avenida Júlio, em 1955 Studio Tomazoni Caxias/Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação
Remy Gazzola, Inri Valsechi, Nilo Tomasi, Artur Scalabrin, José Mocelin, Reinaldo Brunetta e funcionários junto aos estoques Foto: Studio Tomazoni Caxias / Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami,divulgação

O sobrado, erguido em meados dos anos 1920, é provavelmente um dos mais antigos do trecho da Av. Júlio entre as ruas Garibaldi e Visconde de Pelotas. E recentemente teve sua fachada pintada e recuperada, mesclando a preservação de detalhes arquitetônicos originais com intervenções modernas (a varanda envidraçada). Falamos da antiga sede dos Armarinhos Caxias, ocupada há mais de 50 anos por outro estabelecimento icônico de Caxias: as Casas Uruguai.

Conforme informações contidas na publicação Caxias do Sul - A Metrópole do Vinho, lançada em 1957 pelo jornalista Duminiense Paranhos Antunes, a firma "Armarinhos Caxias Ltda" foi fundada em 31 de maio de 1946 e tinha como slogan "uma das maiores casas atacadistas de Caxias do Sul e da região". 

Irmãos Paranhos Antunes visitam Caxias do Sul em 1952

Sob a direção dos senhores Reinaldo Brunetta e José Angelo Mocelin, a loja rapidamente virou uma referência na oferta de tecidos, aviamentos, linhas, agulhas, botões, fazendas, miudezas, atavios femininos, enfim, todo e qualquer material para costura e confecção de roupas. Além de revendora dos "produtos de renome Hering", a casa  mantinha ainda viajantes em boa parte do Rio Grande do Sul e no sul de Santa Catarina.

Toda essa badalação rendeu um ensaio do fotógrafo Clemente Tomazoni - fundador do lendário Studio Tomazoni Caxias -, dentro e fora da loja. Na imagem maior acima, um registro da chegada dos estoques aos Armarinhos Caxias, por volta de 1955, com parte do antigo Mercadinho do Povo (à direita). 

A partir da esquerda estão, entre outros, Remy Gazzola, Inri Valsechi, Nilo Tomasi, Artur Scalabrin, José Angelo Mocelin e Reinaldo Brunetta. Nessa época, a loja tinha também como sócios os senhores João Prataveira, Miguel Sehbe, Arthur Rossarolla, Edyr Constante Marchioro, Faustino Biasin e Egydio Prataviera.  

Leia mais:
Mercadinho do Povo, na Av. Júlio, em 1947
Casa Prataviera: um ícone do Centro
Casa Prataviera: o centenário do empresário Francisco Alberti
Família de Raymundo Magnabosco em 1946
Ary De Carli: um anúncio e uma foto premiada em 1955
Lojas Renner: a visita da Miss Brasil em 1961  

Avenida Júlio de Castilhos, entre as ruas Garibaldi e Visconde de pelotas, em meados dos anos 1940. na imagem aparecem o velho Mercadinho do Povo, instalado em um casarão de madeira de 1880 (a quarta casa a partir da esquerda).
A sede dos Armarinhos Caxias (o sobrado em alvenaria ao centro) em finais da década de 1940Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação
Vista da Av. Júlio de Castilhos no final dos anos 1960.Prédio da loja Casa Prataviera e do antigo Armarinhos Caxias (à direita)
O sobrado dos Armarinhos Caxias e seu novo vizinho, o majestoso Edifício Prataviera, em 1958Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

O trecho 

Na imagem acima, o sobrado dos Armarinhos Caxias por volta de 1958, junto ao novo vizinho, o moderno Edifício Prataviera. À esquerda da foto, o casarão que daria lugar ao Edifício Jaguaribe. 

Abaixo, uma visita da Júlio com a sequência de vizinhos do Armarinhos: os edifícios Prataviera e Caberlon. Anos depois, o Armarinhos Caxias transferiu-se para a esquina das ruas Sinimbu e Visconde de Pelotas.

Vista da Av. Júlio de Castilhos no final dos anos 1960. À esquerda, vê-se o prédio da loja Casa Prataviera. Mais ao fundo, a Igreja Metodista e a Igreja de São Pelegrino, respectivamente. Também vemos o prédio dos Armarinhos Caxias (ao lado do prédio, hoje sede das Casas Uruguai) e o Edifício Caberlon, quase na esquina com a Rua Garibaldi.
O trecho da Júlio entre a Garibaldi e a Visconde de Pelotas, com os antigos casarões do Armarinhos Caxias e do Mercadinho do Povo, por volta de 1959Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Lembrança

"Ir aos Armarinhos Caxias era como ir a um parque de diversões".
(Pedro Gilberto Aloise, 59 anos, economista)  

Antigo sobrado dos Armarinhos Caxias, atual sede das Lojas Uruguai, na Avenida Júlio de Castilhos.
O sobrado hoje, com a atual fachada das Casas Uruguai, pintada e recuperadaFoto: Rodrigo Lopes / divulgação

Leia mais:
Varejo do Eberle, um clássico do Centro
Restaurante Quitandinha na Av. Júlio nos anos 1950
Bomboniére Maratá em 1943
Lembranças da antiga Joalheria Beretta
Ferragem Caxiense em 1947
Memórias do antigo Real Hotel
Os preferidos dos caxienses em 1954 

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros