Cerca de 40 mil pessoas participam do Bloco da Velha, em Caxias - Cidades - Pioneiro
 

Carnaval11/02/2018 | 20h00Atualizada em 12/02/2018 | 09h08

Cerca de 40 mil pessoas participam do Bloco da Velha, em Caxias

Foliões não se importaram com o tempo instável e lotaram a Rua Dom José Barea na tarde deste domingo

Cerca de 40 mil pessoas participam do Bloco da Velha, em Caxias Felipe Nyland/Agencia RBS
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Para o Bloco da Velha, não tem tempo ruim: a chuva do início da tarde não impediu os foliões de aproveitarem o Carnaval no bloco de rua mais tradicional de Caxias do Sul. De acordo com a organização do evento, pelo menos 40 mil pessoas prestigiaram o Carnaval na Rua Dom José Barea, próximo ao complexo da Maesa, na tarde deste domingo (11). A Brigada Militar ainda não fechou sua estimativa de público, mas garante que mais de 10 mil foliões já passaram pelo evento, que deve seguir até cerca de 21h30min. 

Leia mais
Forqueta, em Caxias, celebra as raízes italianas no Carnaval
Bloco Raiz atrai multidão à região da antiga Estação Férrea, em Caxias

A previsão de chuva para o dia preocupou a organização do evento e as primeiras pessoas que chegaram ao bloco, mas quem insistiu e ficou até mais tarde, não se arrependeu. A chuva diminuiu e, por volta das 17h, a Banda do Bloco da Velha subiu ao trio elétrico e esquentou de vez o clima deste domingo. O repertório de marchinhas, samba, axé e pagode movimentou os foliões e fez com que ninguém mais percebesse a garoa voltava a aparecer ocasionalmente.

— Foi muito complicado. Teve chuva de manhã cedo, depois abriu o sol, a gente se queimou, e baixou a cerração e esfriou de novo. Mas é o que define Caxias do Sul, a galera ficou, dançou, isso é o que vale — comemora um dos organizadores do Bloco da Velha, Guilherme Martinato.

A área montada para o evento, na Rua Dom José Barea entre a Andrade Neves até a Treze de Maio, tem capacidade para cerca de 60 mil pessoas. Por volta das 18h, pelo menos dois terços da via já estavam ocupados. O público aprovou a estrutura do local, que incluía um espaço próprio para as crianças e áreas diferenciadas para quem comprou o abadá do bloco, por exemplo. 

— Ficou show de bola. Mas sinto falta das escolas de samba — afirmou o metalúrgico Juliano de Jesus, 28, que levou o filho Gabriel, dois, e esposa Mayara, 27, pela primeira vez ao bloco. 

A movimentação contagiou até quem mora nas proximidades da Maesa. O programador de injetoras Mouzar Lima, 34, pôde pular Carnaval da porta de casa: 

— Por mim, poderiam fazer todo dia — brincou. 

Público sente falta de bloco em movimento

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL 11/02/2018Bloco da Velha, carnaval de Caxias do Sul. (Felipe Nyland/Agência RBS)
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Ao contrário do que ocorria em anos anteriores, nesta edição o Bloco da Velha não se deslocou pelas ruas centrais de Caxias. Toda estrutura foi montada de forma estática. Mesmo com os ganhos em conforto — grande quantidade de banheiros e opções variadas para comprar alimentos e bebidas — o público presente sentiu falta da movimentação. 

— Está tudo muito bom, mas eu gosto de seguir o bloco. Podia ficar fixo por algumas horas e depois se movimentar. O Carnaval é uma festa popular. Assim, querendo ou não, fica mais restrito. É emocionante ver o bloco andando pela cidade — defende o eletricista Ricardo Serrato, 55.

— No ano passado, era mais divertido — concorda a estudante Anelise dos Santos Siqueira, 18.

De acordo com Guilherme Martinato, um dos organizadores do evento, o tamanho do bloco fez com que fosse necessário repensar o formato do evento. 

— O pessoal não faz ideia de quantos profissionais são necessários para manter o bloco desse tamanho e mover. É complicado. No Rio (de Janeiro) e na Bahia, onde acontece isso, eles estão muito preparados, e com ruas planas, largas, para receber essa movimentação. A nossa realidade se parece mais com São Paulo, onde os blocos não andam mais — explica. 

Para Martinato, os ganhos com o formato atual são maiores do que as perdas, já que todo o público consegue escutar a música com mais qualidade, por exemplo. 

— Hoje, eu penso que o trio está parado, mas as pessoas estão se movimentando, brincando, fazendo trenzinhos. Na verdade, o bloco é a galera — define

Mesmo assim, o organizador não descarta mudanças para próximas edições do Bloco da Velha. Ele pretende começar uma pesquisa com o público e os setores envolvidos com o Carnaval para dimensionar o impacto que o bloco, que iniciou em 2011, trouxe para a cidade.

— Vamos tentar fazer essa sondagem, dentro dos nossos recursos. Mas a dimensão que tomou (o evento) é inegável. Muita gente de fora está vindo passar o Carnaval em Caxias. Oito anos atrás, quando a gente começou, ninguém imaginaria isso. 

Leia também
Semana deve começar com frio em Caxias do Sul
Secretaria da Educação de Caxias do Sul garante início de aulas com cuidadores em escolas municipais

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros