Prefeitura de Flores da Cunha diz que índios colocaram fogo em doações da comunidade - Cidades - Pioneiro

Vandalismo12/01/2018 | 15h33Atualizada em 12/01/2018 | 15h33

Prefeitura de Flores da Cunha diz que índios colocaram fogo em doações da comunidade

Grupo seria de Charrua e ficou um mês na cidade vendendo artesanato. Área onde se instalaram também teria sido depredada

Prefeitura de Flores da Cunha diz que índios colocaram fogo em doações da comunidade Fábio Carnesella/divulgação
Foto: Fábio Carnesella / divulgação

Um grupo de indígenas ficou poucos dias em Flores da Cunha, mas a rápida passagem trouxe muita dor de cabeça para a prefeitura. Segundo o Executivo, 44 índios chegaram na cidade no final de novembro e se instalaram em um terreno próximo ao Parque da Vindima. Na última quarta-feira, o grupo foi embora e, de acordo com a administração municipal, deixou a área onde estavam em péssimas condições. 

Árvores foram cortadas irregularmente e os banheiros disponíveis no local foram depredados. Além disso, objetos e alimentos doados pela comunidade teriam sido queimados antes da saída. A prefeitura afirma que encontrou restos de bicicletas e roupas no terreno. A intenção do grupo, de acordo com os relatos repassados pelo Executivo, era de vender artesanato na cidade da Serra durante o verão.

— Assim que chegaram, eles vieram até a prefeitura para solicitar a permanência naquele local. Fizeram um cadastro e passaram a receber todos os auxílios a que tinham direito. Mas a população doou muita coisa também e eles devem ter saído com o que conseguiram carregar. Nosso alerta é para que as pessoas que desejam ajudar, procurem a prefeitura para saber qual a melhor forma e também para evitar desperdícios — diz Ricardo Espíndola Silva, titular da Secretaria de Desenvolvimento Social de Flores.

Ainda de acordo com o secretário, é comum que índios se instalem na cidade para vender artesanato nesta época. No entanto, este seria o primeiro caso registrado de vandalismo. Desta vez, também segundo a prefeitura, foram registradas diversas denúncias no Conselho Tutelar. Moradores teriam informado que as crianças indígenas estavam sendo obrigadas a pedir dinheiro pelas ruas.

Índios colocaram fogo em alimentos e materiais doados em Flores da Cunha
Foto: Fábio Carnesella / divulgação

Prefeitura de Charrua desconhece prática

A secretária municipal de Administração de Charrua, cidade que seria a de origem do grupo que se instalou em Flores da Cunha, Jessica de Giacometti, afirma que não sabe se os índios eram mesmo de lá. Ela diz que é comum que grupos se desloquem para outras cidades para vender artesanato. 

De acordo com a prefeitura, 43% da população de Charrua, município com pouco mais de 3 mil habitantes, é de origem indígena. Charrua fica distante 270 quilômetros de Caxias.

— É da cultura deles essa prática, mas não acompanhamos essas mudanças. Não saberia dizer se eles têm como costume queimar objetos, nunca tinha ouvido isso — afirma.

Um dos representantes do grupo de indígenas foi procurado pela reportagem, mas não foi encontrado. O telefone de Pedro Paulo, repassado pela prefeitura - que retirou o número do cadastro feito pelos índios em novembro -, chamou diversas vezes durante a manhã e também pela tarde. A prefeitura de Charrua não soube informar uma maneira de contatar o grupo.

A Fundação Nacional do Índio (Funai) também foi procurada pela reportagem, mas até as 15h30min não havia retornado.

Leia também
Mercado e restaurante de Arroio do Sal são parcialmente interditados pelo Ministério Público
Procon autua rede de postos de Caxias por anunciar lanches em placas próximo às bombas 

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros