Divisão de Patrimônio avaliará pintura do chafariz da Praça Dante, em Caxias - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Preservação22/12/2017 | 17h22Atualizada em 22/12/2017 | 17h25

Divisão de Patrimônio avaliará pintura do chafariz da Praça Dante, em Caxias

Mudança é questionada porque descaracterizaria a obra histórica datada de 1937

Divisão de Patrimônio avaliará pintura do chafariz da Praça Dante, em Caxias Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Após mais de um ano de reformas, a população de Caxias do Sul poderá conferir pela primeira vez o chafariz da Praça Dante Alighieri em pleno funcionamento. A estrutura será inaugurada às 20h desta sexta-feira (22), com uma apresentação do Coral Municipal, em evento integrante do Natal Brilha Caxias. 

O espetáculo ocorre em meio a uma polêmica sobre a nova cor do chafariz: as bordas da estrutura foram pintadas de azul claro. A mudança foi questionada nas redes sociais, já que o chafariz é uma obra histórica e alterações em sua aparência deveriam passar pelo Conselho Municipal de Patrimônio Histórico e Cultural (Compahc).

A presidente do Compahc, Maristela Guareschi, informou que é de responsabilidade da Divisão de Proteção ao Patrimônio Histórico e Cultural (Dipahc) da Secretaria da Cultura acompanhar intervenções como a que foi realizada no chafariz.

Conforme Heloise Salvador, diretora do Dipahc, o projeto original não contemplava mudanças na aparência da estrutura, mas apenas melhorias técnicas.

— Talvez tenha ocorrido equívoco por parte do Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto, responsável pela obra junto com a Secretaria do Meio Ambiente). Não sei porque a borda apareceu pintada. No entanto, ainda é necessário fazer uma análise para verificarmos se houve descaracterização ou se podemos agregar a pintura como elemento componente do chafariz. Isso vai depender de uma avaliação que será feita no próximo ano, mas sem urgência — explica.

A análise será realizada pelo arquiteto Carlos Eduardo Pedone, assessor técnico do Dipahc. 

— Essas obras ligadas ao centro histórico, sejam públicas ou privadas, deveriam passar pelo Dipahc. Não veio nada para a nossa divisão, e acho que a nossa coordenação não se deu conta de solicitar. Ontem (quinta-feira) chegou um pedido de parecer. Fiquei de fazer uma visita no início do ano — afirma.

O diretor-presidente do Samae, Gerson Panarotto, diz que o projeto recebido pela autarquia não detalhava as mudanças a serem realizadas. 

— Esse processo já vem de uns três anos, a gente não tinha muita informação do que deveria ser feito. Não existia um projeto específico, só da parte elétrica e mecânica. Fomos fazendo conforme achamos que deveria ser feito — defende. 

Caso seja apontado que a pintura descaracteriza o chafariz, Panarotto diz que o processo pode ser revertido. 

— É possível fazer um microjateamento (na pintura), sem grandes dificuldades. Mas o que se viu durante o processo é que o chafariz já tinha sofrido diversas alterações, vários espaços não tinham pedra, era só argamassa — diz.

O chafariz foi inaugurado em 1937, para a Festa da Uva. É obra do mestre canteiro José Zambon, responsável por centenas de estruturas em pedra em Caxias. A nova estrutura conta com iluminação colorida que muda conforme o movimento das águas e um sistema de tratamento e recirculação da água que, conforme a prefeitura, possibilitará a economia de 360 mil litros por ano e servirá para evitar a proliferação de mosquitos. A obra custou R$ 236 mil.

Leia também
Câmara de Caxias deve aprovar liberação de R$ 1,5 milhão para empresa Festa da Uva
Confira o que abre e o que fecha em Caxias do Sul no feriadão de Natal

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros