"As pessoas não têm ideia da magnitude da catástrofe", afirma gerente da RGE - Cidades - Pioneiro

Temporal09/06/2017 | 21h04Atualizada em 09/06/2017 | 21h04

"As pessoas não têm ideia da magnitude da catástrofe", afirma gerente da RGE

Concessionária espera restabelecer completamente energia elétrica em Caxias neste final de semana

Em razão de alertas meteorológicos, a Rio Grande Energia (RGE) diz estar mobilizada desde a quarta-feira para enfrentar o temporal que assolou a Serra na madrugada de quinta-feira. Nos 255 municípios atendidos pela concessionária, 236 mil clientes registravam falta de energia logo após a tempestade. 

Cerca de 30 horas depois, 179 mil pessoas já estavam com a eletricidade estabelecida. Nem por isso a intensidade dos trabalhos da concessionária diminuiu. Na tarde de sexta-feira, o gerente de Relacionamento com Poder Público da RGE, Edson Braz, esteve no Pioneiro e afirmou que o temporal foi a maior catástrofe climática vivenciada na região nesta década.

Leia mais:
Sem luz, moradores do Euzébio Beltrão de Queiróz bloqueiam trânsito
Acidente com van escolar deixa oito estudantes feridos em Caxias do Sul

Segundo Braz, cerca de 80% das ocorrências de falta de energia em Caxias são originadas por galhos e árvores plantadas abaixo ou próximas das redes, situação que se repetiu novamente após o temporal. 

_ As redes necessitam de pelo menos seis metros de cada lado para ter uma distância segura mínima de funcionamento. A população precisa se conscientizar e não plantar árvores de grande porte, principalmente, próximo aos fios.

Confira os principais trechos da entrevista. 

Pioneiro: Que panorama a RGE tem de todo o cenário pós temporal?
Edson Braz: A situação é chocante. Tivemos regiões literalmente devastadas. As pessoas não têm ideia da magnitude da catástrofe que a região sofreu. Sabíamos que haveria um evento climático, mas não de um impacto tão considerável. Foram ventos com velocidade superior a 100 km/h. Em Vila Oliva, não foram postes, mas redes inteiras que sumiram e que precisaremos reconstruir do zero. A situação é crítica.

Quantos funcionários foram direcionados ao atendimento desde quinta-feira?

Só em Vila Oliva, são 15 equipes num total de 250 pessoas trabalhando e mais cerca de 250 em outros locais de Caxias. Todos focados na recomposição da energia elétrica. Não estamos realizando serviços comerciais, como instalação de novas ligações ou cortes de fornecimento. Todas as nossas equipes, até da RGE Sul, estão dedicados a essa situação e não vamos parar até restabelecermos 100% do fornecimento de energia.

Qual a previsão de completar o trabalho?

Em Vila Oliva e na área urbana de Caxias, nossa expectativa é de que nas próximas horas já tenhamos concluído. O trabalho mais complexo será em algumas regiões rurais, onde estamos tendo dificuldades de acesso. Para cerca de 5 mil clientes, talvez haja maior demora, portanto. Ainda assim, nosso objetivo é restabelecer completamente a energia em todos os locais até segunda-feira. Nossa prioridade são hospitais, UBSs, órgãos públicos de atendimento à população e redes que abastecem um grande número de residências. Mas todos serão atendidos.

CURIOSOS

Defesa Civil, órgãos públicos e de segurança e a RGE têm relatado dificuldades de acesso às ruas de Vila Oliva em razão do grande aglomeração de curiosos e de pessoas que estão levando doações até o distrito. A orientação, portanto, é para que pessoas evitem ir até o local. Doações podem ser feitas junto à prefeitura.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros