Após temporal, moradia corre risco de desabar no bairro Santa Fé, em Caxias do Sul - Cidades - Pioneiro

Estragos08/06/2017 | 21h07Atualizada em 08/06/2017 | 21h31

Após temporal, moradia corre risco de desabar no bairro Santa Fé, em Caxias do Sul

Família reclama que prefeitura não fez vistoria no imóvel. Secretaria de Habitação diz que grande demanda em Vila Oliva dificultou trabalho

Após temporal, moradia corre risco de desabar no bairro Santa Fé, em Caxias do Sul Porthus Junior/Agencia RBS
Família de Salete acordou à 1h devido aos fortes ventos que atingiam sua casa Foto: Porthus Junior / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

A família de Salete de Fátima Ferreira da Silva, 47 anos, busca ajuda após o temporal em Caxias do Sul. Os fortes ventos destelharam e abalaram as estruturas da casa que a diarista mora com seis filhos, nas margens da Rota do Sol, no bairro Santa Fé. Salete buscou ajuda com a Secretaria Municipal de Habitação, mas recebeu apenas lonas.

— Eles tinham dito que iriam vistoriar a casa, mas não fizeram. Só largaram as lonas na entrada. Agora um fica empurrando para o outro — reclama.

Leia mais
"A gente só ouviu a batida", conta irmão de criança morta em atropelamento na Rota do Sol
Mulher morre e pelo menos 150 casas são destelhadas no distrito de Vila Oliva, em Caxias
"Fui arrastado por uns 30 metros junto com a casa", diz morador de Vila Oliva

O secretário municipal de Habitação, Elisandro Fiuza, afirma que a grande demanda, principalmente em decorrência dos inúmeros estragos no distrito de Vila Oliva, dificultou os atendimentos na cidade. Servidores seguirão mobilizados na distribuição de materiais nesta sexta-feira.

— O problema não é só no Santa Fé, mas em várias localidades. Pela demanda, nossa força-tarefa se espalhou e ofereceu as lonas como uma primeira medida. Requisitamos o levantamento sobre outros estragos, o que ainda está sendo feito. Em princípio, não foi identificada nenhuma em situação de risco. Infelizmente, não temos como atender todos de uma vez — argumenta Fiuza.

Os fundos da casa de Salete terminam em um barranco e, logo abaixo, há outra residência. Ao lado, existem escombros do desabamento de outra casa, ocorrido no ano passado. Salete teme o mesmo destino para os seus pertences.

— Na casa do vizinho, fizeram a vistoria e ficaram adiando (uma solução) até que desabou. E se der temporal nesta noite de novo? Como que fica minha família? Não tenho para onde ir — afirma Salete.

A família de Salete é uma das inscritas para receber apartamento no loteamento Rota Nova, no bairro Mattioda. O projeto vai contemplar pelo menos 420 família que vivem em áreas de risco às margens da Rota do Sol. Em abril, Salete perdeu um filho em um acidente de trânsito em frente de casa. 

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros