Justiça retira R$ 69 milhões da conta da prefeitura de Caxias do Sul - Cidades - Pioneiro

Caso Magnabosco18/05/2017 | 18h04Atualizada em 19/05/2017 | 11h13

Justiça retira R$ 69 milhões da conta da prefeitura de Caxias do Sul

Valor foi sequestrado para quitar parte de dívida milionária. Poder público ainda vai recorrer

Justiça retira R$ 69 milhões da conta da prefeitura de Caxias do Sul Roni Rigon/Agencia RBS
A ação, que corre desde os anos 1980 na Justiça, envolve a ocupação ilegal por dezenas de famílias no terreno da família Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Desde esta quinta-feira, a prefeitura de Caxias do Sul tem R$ 69.813.553,53 a menos no cofre. O valor foi bloqueado pela Justiça na quarta-feira para garantir o pagamento de precatórios vencidos, principalmente o que envolvem o caso Magnabosco - a dívida total atualizada com a família é de R$ 337.930.988,49 - e, de acordo com o Executivo, já foi retirado da conta. O montante será reservado até que os recursos que tramitam no Superior Tribunal de Justiça (STJ), para retirar o município como réu da ação e questionando o valor total da dívida, sejam julgados.

Leia mais
Prefeito de Caxias vai para Brasília tratar do caso da família Magnabosco
"A cidade entraria em colapso", diz chefe de gabinete da prefeitura de Caxias sobre pagamento de indenização milionária

A ação, que corre desde os anos 1980 na Justiça, envolve a ocupação ilegal por dezenas de famílias no terreno da família, local hoje conhecido como bairro 1º de Maio. Como as famílias não têm dinheiro para pagar pelos lotes, a Justiça entendeu que a prefeitura é responsável justamente por ter investido na estrutura básica da comunidade, o que de certa forma teria sido o aval para a invasão.

De acordo com o secretário municipal da Fazenda, José Alfredo Duarte Filho, a Justiça ainda definiu que, pelo menos até dezembro, cerca de R$ 4,8 milhões serão retirados mensalmente, a partir de junho, da conta do município para quitar os precatórios (R$ 65 milhões são do caso Magnabosco e, o restante, de precatórios mais antigos). O valor, segundo o secretário, é muito alto e inviabilizaria o município

— A arrecadação mensal da prefeitura gira em torno de R$ 110 milhões. Somente para a folha de pagamento, são destinados R$ 40 milhões; para saúde e educação, por lei, devemos aplicar outros R$ 66 milhões. Aí, já são R$ 106 milhões, sem contar nenhum outro gasto, seja em obras ou infraestrutura. Desde o início do ano, estávamos fazendo de tudo para poupar, reduzindo aluguéis, revendo contratos, mas agora estamos em um situação muito ruim. A única chance para a cidade não parar é reverter essa decisão na Justiça — diz José Alfredo.

Prefeitura tem até segunda para recorrer

A prefeitura foi notificada do bloqueio dos R$ 69 milhões na quarta-feira e tem até a próxima segunda para tentar convencer a Justiça de que esse sequestro inviabilizará o pagamento de contas e a manutenção de diversos serviços públicos, segundo a procuradora-geral adjunta do município, Ana Cláudia Doleys. O chefe de Gabinete, Júlio César Freitas, adianta que o município vai recorrer até quando for possível e ratifica que não há chance para um acordo com os Magnabosco.

— Se fizermos um acordo, estamos admitindo que somos culpados, e acreditamos que não devemos ser parte nesse processo. Essa decisão do sequestro de bens é prematura e vai fazer com que a cidade pare.

 

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros