Greve dos médicos do SUS em Caxias está mantida para segunda - Cidades - Pioneiro

Saúde14/04/2017 | 09h30Atualizada em 14/04/2017 | 09h30

Greve dos médicos do SUS em Caxias está mantida para segunda

No mesmo dia, à noite, prefeito discutirá contraproposta com servidores da categoria

Greve dos médicos do SUS em Caxias está mantida para segunda Roni Rigon/Agencia RBS
A nova paralisação, segundo o presidente do Sindicato, poderá ser interrompida caso o prefeito apresente uma contraproposta Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

A terceira paralisação dos médicos do Sistema Único de Saúde (SUS) de Caxias neste ano vai iniciar mesmo na próxima segunda-feira. Até quinta, os profissionais liderados pelo Sindicato dos Médicos aguardavam uma resposta do poder público sobre as reivindicações da classe, o que não ocorreu. Durante a tarde, a notificação para a realização da greve, que dessa vez será por tempo indeterminado, foi protocolada na prefeitura. O último pedido dos médicos, entregue ao secretário municipal da Saúde, Fernando Vivian, na última segunda, sugere o pagamento de R$ 79,91 por hora trabalhada e rechaça a avaliação da população como quesito salarial. 

Leia mais
Sindicato pede R$ 300 mil de danos morais por ligação de prefeito de Caxias a médico de UBS

A nova paralisação, segundo o presidente do Sindicato, Marlonei dos Santos, poderá ser interrompida caso o prefeito Daniel Guerra (PRB) apresente uma contraproposta que seja aceita pelos profissionais. Guerra convidou os servidores médicos para uma reunião, na segunda à noite, para discussão da situação. 

— Não queremos mais paralisações e mais prejuízos à população. O momento é difícil, mas o prefeito está disposto, mais uma vez, a conversar — destacou Vivian, que não adiantou se a última proposta dos médicos será mesmo aceita.

Médicos de Caxias do Sul querem aumento de 285% por hora

Na segunda-feira, a rede municipal deve manter somente os atendimentos de urgência e emergência no Pronto-Atendimento 24 horas. Já nas unidades básicas de saúde (UBSs) e no Centro Especializado de Saúde (CES) não haverá médicos disponíveis. O sindicato acredita que 80% dos profissionais vão aderir ao movimento. A prefeitura diz que vai aguardar o início da paralisação para anunciar medidas para evitar prejuízos à população. Nas primeiras greves, 8.232 consultas deixaram de ser realizadas nas UBSs, no CES e no Cais Mental.

— O que esperamos é que ela não ocorra — diz Vivian. 

"Ele não tem condições de dirigir uma cidade grande", afirma diretor da Federação Nacional dos Médicos sobre prefeito de Caxias

Documento entregue não legitima a greve, segundo a prefeitura 

A notificação para a realização da paralisação, assinada por seis médicos que compõem a comissão de negociação, não é considera um documento para legitimar o movimento, segundo a secretária de Governo, Vania Espeiorin. O ofício não tem amparo da entidade sindical que representa os servidores municipais; nesse caso, o Sindicato dos Servidores Municipais de Caxias do Sul (Sindiserv):

— Somente com esse documento, a greve é ilegal.

Prefeitura garante que dias parados serão descontados

Por considerar as duas greves dos médicos do SUS realizadas neste ano como ilegais por não terem atendido a legislação vigente (sem notificação de 72 horas de antecedência e encabeçadas por um sindicato que legalmente não representa os servidores municipais), a prefeitura de Caxias garante que vai descontar os dias paralisados dos salários dos grevistas. Vangelisa Lorandi, secretária municipal de Recursos Humanos e Logística, explica que o poder público está apurando o número de faltas e a quantidade de médicos que não compareceram ao trabalho. 

O desconto no valor mensal, segundo Vangelisa, vai estar descrito na próxima folha de pagamento, que fecha no próximo dia 21.

— Como as paralisações são consideradas ilegais, a falta ao trabalho é injustificada. Quando isso ocorre, o desconto é certo. Ainda não temos o montante que será descontado porque estamos levantando os dados. O valor ainda não foi sentido por quem faltou porque as greves foram em março (a primeira ocorreu nos três primeiros dias de março e a segunda iniciou no dia 20 e durou cinco dias). Os descontos virão agora, no mês seguinte — esclarece.

O presidente do Sindicato dos Médicos, Marlonei dos Santos, adianta que se os descontos forem mesmo praticados pela prefeitura, a categoria ingressará na Justiça para reaver esses valores. Ele afirma que essa prática foi adotada em 2011, quando os médicos do SUS ficaram 11 meses paralisados.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros