Oitenta atendimentos e confiança no gerador: como foi o plantão no hospital de São Francisco - Cidades - Pioneiro

Tempestade15/03/2017 | 08h00Atualizada em 15/03/2017 | 08h00

Oitenta atendimentos e confiança no gerador: como foi o plantão no hospital de São Francisco

Além dos plantonistas, funcionários de folga e até de férias ajudaram no atendimento. Municípios vizinhos também prestaram socorro

Oitenta atendimentos e confiança no gerador: como foi o plantão no hospital de São Francisco Roni Rigon/Agencia RBS
O jovem Willian Faistauer, 13, chegou com um corte profundo na cabeça, no osso frontal  Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

Plantões dominicais no hospital de caridade de São Francisco de Paula costumam ser tranquilos. Vítimas de pequenos acidentes domésticos e bêbados que arranjam briga no bar costumam ser a maior parte dos 20 atendimentos registrados em média. Na manhã do último domingo, a maior preocupação do enfermeiro plantonista Daniel Pedroso era com a saúde de um bebê prematuro, nascido de 34 semanas, que inspirava cuidados. 

Leia mais
Perseguição policial termina com duas mortes em acidente, em Vacaria
Chuva causa pontos de alagamento na BR-116, em Caxias do Sul

Chefe de enfermagem, Pedroso ainda organizava o dia em sua sala por volta das 8h, quando viu pela janela que o céu se fechava e escurecia para o lado norte da cidade. Prevendo chuva, fechou a janela e se encaminhou para o atendimento ao bebê. Ao retornar, percebeu que a movimentação junto à sala de emergência fugia do comum. Naquele setor, duas técnicas de enfermagem e uma médica atendiam os primeiros daqueles que seriam ao todo 80 feridos pelo maior desastre natural já registrado no município. Era só o início de uma manhã caótica. 

— Trabalhei muitos anos em Gramado e lá já tinha atendido casos de ônibus acidentados, com 30 ou 40 feridos. Mas nunca algo dessa dimensão. Nenhum hospital do mundo tem estrutura para atender 80 pacientes chegando ao mesmo tempo — diz o enfermeiro.

Alertados pelas escassas notícias que circulavam sobre a tempestade, aos poucos a equipe encorpou com a chegada espontânea de funcionários que estavam de folga e até uma enfermeira de férias, que assumiu o cuidado do bebê prematuro. Em uma hora, já eram pelo menos oito enfermeiros e quatro médicos dividindo o atendimento aos flagelados, a maioria com cortes. Coube a Daniel fazer a triagem dos casos por gravidade e encaminhar os pacientes para atendimento. 

— Era preciso organizar e eleger prioridades. No meio disso tudo chegou um óbito, que tivemos de encaminhar a parte burocrática. Quando olhei no relógio achando que eram 10h, já era meio-dia — lembra. 

O primeiro paciente foi também um dos casos mais graves do dia. O jovem Willian Faistauer, 13, chegou com um corte profundo na cabeça, no osso frontal. O adolescente foi arrancado pelo vento dos braços de um irmão mais velho, sendo arremessado de encontro aos escombros. A médica Clarissa Both, que fez a suturação, conta que ainda não havia visto algo igual. 

— Era um ferimento muito profundo. Nunca tinha visto uma sutura tão feia, que demandasse tanto. Ao longo da manhã, foram chegando um caso após o outro e nós tínhamos que avaliar muito rápido o que fazer. Foi uma situação muito grave, porque as pessoas estavam dormindo e as casas caíram em cima delas — comenta a médica, natural de São Chico e que nesta terça-feira estava em Porto Alegre, onde mora. 

Com a cidade sem energia elétrica, foi preciso confiar em um gerador com pouco combustível para garantir a continuidade do serviço. 

— Ficamos preocupados porque o equipamento estava com pouco óleo diesel e a maioria dos postos estava sem gasolina. Mais tarde conseguimos uma bomba de 130 litros em um deles e a RGE cedeu outro gerador, mas acabou não sendo necessário. Como não precisamos fazer cirurgias, o consumo também foi baixo — explica o administrador do hospital, Eduardo Iotti. 

A situação foi controlada por volta do meio-dia, com apenas três casos que demandaram internação. Foi a vez de voltar as atenções para parte da equipe que teve suas casas ou a de familiares afetadas comunicação restrita pelo estrago em antenas de telefonia, informar-se sobre a situação dos entes queridos foi um desafio a mais para a equipe do hospital. Daniel Pedroso e Eduardo Iotti agradecem não só pela mobilização do corpo de funcionários no dia atípico, mas também à solidariedade de municípios vizinhos, como Gramado, Canela e Taquara, que disponibilizaram ambulâncias e enfermeiros para ajudar. Só assim foi possível encaminhar feridos mais graves a outros hospitais da região. 

— Pela dimensão da tragédia, a impressão é de que poderia ter havido muito mais perdas humanas. Depois que a poeira baixou, percebi uma solidariedade tão grande que tenho certeza de que logo os bairros estarão lindos — acredita Daniel, um dos muitos heróis de 12 de março em São Chico.

Foto: ArteZH / RBS


 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros