Morre em Caxias Maria Frigeri Horn, ex-diretora do Museu Municipal - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Luto16/03/2017 | 11h58Atualizada em 16/03/2017 | 15h27

Morre em Caxias Maria Frigeri Horn, ex-diretora do Museu Municipal

 Ela faleceu no início da manhã de parada cardiorrespiratória súbita

Morre em Caxias Maria Frigeri Horn, ex-diretora do Museu Municipal Porthus Junior/Agencia RBS
Ela deixa os filhos Fabiana, Athos, Fernanda e Alexandre, além do marido, Athos Foto: Porthus Junior / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Morreu na manhã desta quinta-feira a ex-diretora do Museu Municipal e do Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, Maria Clary Frigeri Horn aos 85 anos. Maria era professora de história e teve participação intensa na área cultural caxiense, inclusive, com participação na restauração da Casa de Pedra, na década de 1970. Ela faleceu no início da manhã de parada cardiorrespiratória súbita. Há menos de uma semana, morreu a irmã dela, a costureira Corina Frigeri Wainstein.

Em 1974, Maria foi convidada pelo então prefeito Mário Bernardino Ramos para trabalhar nos preparativos do centenário da imigração italiana e reativar o museu municipal, conforme informações do Arquivo Histórico Municipal. Neste período, criou o museu da Casa de Pedra e o Arquivo com apoio da então secretária da educação e cultura, Santina Barp Amorim. Em entrevista ao Banco de Memória Oral, a ex-diretora relembrou como foi a construção da Casa de Pedra:

— Eu lembro que no primeiro domingo eu peguei uma máquina fotográfica e fui ver em que condições estava a Casa de Pedra. Estava demolida (¿), cheguei na porta da cozinha e não tive coragem de entrar, achei que ia cair o telhado em cima de mim. Eu disse: "Olha, nós temos que restaurar isso aqui!".

Leia mais
Magistério da Escola Normal Duque de Caxias em 1951
Casa de Pedra: uma restauração em 1975
Inauguração da Casa de Pedra em 1975

Aos 93 anos, morre a costureira Corina Frigeri Wainstein em Caxias do Sul

Maria ainda foi chefe do Serviço Municipal de Turismo, de 1983 a 1988, e Presidente da Comissão Executiva do Sesquicentenário da Revolução Farroupilha. 

O artista plástico Valdir dos Santos recorda a preocupação de Maria com a Cultura caxiense.

 — A Maria foi uma pessoa que reanimou o Carnaval de Caxias. Era uma grande entusiasta da história da cidade. Foi uma figura ímpar, dinâmica, que não tinha medo dos desafios e do trabalho. Tanto é que a chamávamos de Maria do Museu, Maria do Turismo — comenta o amigo.

Ela deixa os filhos Fabiana, Athos Horn Filho, Fernanda e Alexandre, além do marido, Athos, e 11 netos.

O velório ocorre a partir das 13h30min na Capela E, do Memorial São José. O sepultamento está marcado para as 10h de sexta-feira, no Cemitério Público Municipal. 


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros