Amanhece chovendo em São Francisco de Paula, mas trabalho de reconstrução não para - Cidades - Pioneiro

Após temporal16/03/2017 | 09h15Atualizada em 16/03/2017 | 15h31

Amanhece chovendo em São Francisco de Paula, mas trabalho de reconstrução não para

Governador e Ministro de Integração Nacional estarão na cidade por volta do meio-dia para conferir os estragos

Amanhece chovendo em São Francisco de Paula, mas trabalho de reconstrução não para Bruno Alencastro/Agencia RBS
O poder público contabiliza pelo menos 400 casas afetadas e 1,6 mil desalojados Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

A previsão do tempo indicava chuva nesta quinta-feira em São Francisco de Paula, mas muitos moradores da cidade, castigada por um temporal no último domingo, torciam para que os meteorologistas estivessem errados. Infelizmente, não. Os pingos começaram ainda de madrugada e ficaram mais fortes no início da manhã, de acordo com o secretário municipal de Administração, Ilton Gomes. Porém, os trabalhos de reconstrução do município não pararam. 

O poder público contabiliza pelo menos 400 casas afetadas e 1,6 mil desalojados.

— Os cadastros das famílias atingidas estão sendo realizados e as doações continuam sendo entregues. O trabalho mais pesado, de reconstrução, fica um pouco mais devagar, mas também não para. Não tem como — diz o secretário.

Leia mais
Como ajudar os moradores de São Francisco de Paula
Por que o fenômeno que atingiu a cidade ainda não foi identificado
VÍDEO: bombeiro registra a chegada de vendaval a São Francisco de Paula

Para avaliar os estragos, o governador José Ivo Sartori e o Ministro de Integração Nacional, Helder Zahluth Barbalho, estarão em São Francisco de Paula por volta do meio-dia. Eles vão sobrevoar a cidade e depois se reúnem com integrantes da prefeitura e Defesa Civil.

Um estudo feito pela prefeitura, em parceria com a Emater e a Associação Comercial e Industrial locais, estimou em R$ 21 milhões o prejuízo do empresariado com a destruição provocada pela tempestade severa que caiu sobre o município no último domingo. Um relatório foi enviado nesta quarta-feira para a Defesa Civil do Estado, com o pedido de que seja encaminhado o decreto de calamidade pública - condição que facilitaria a obtenção de financiamentos e outros recursos estaduais e federais.

Os setores considerados pelo levantamento são o da indústria, comércio, serviços e agronegócio. Ao todo, 38 empresas declararam perdas. O secretário de Desenvolvimento Econômico de São Chico, Rafael Marques, explica como foi feita a pesquisa.

Foto: ArteZH / RBS


 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros