Maesa e as portas da Basílica de Belém do Pará  - Cidades - Pioneiro

Memória16/11/2016 | 06h10Atualizada em 16/11/2016 | 15h57

Maesa e as portas da Basílica de Belém do Pará 

Estruturas foram fundidas no complexo  do bairro Exposição em duas etapas: a porta principal entre 1951 e 1953 e as laterais, entre 1957 e 1959

Maesa e as portas da Basílica de Belém do Pará  Raul Rossi/divulgação
A inscrição com a data da porta principal, confeccionada entre 1951 e 1953  Foto: Raul Rossi / divulgação

Em tempos em que se discute a futura ocupação da Maesa, retomamos um dos episódios mais marcantes da história do complexo do bairro Exposição. Trata-se da confecção das portas de bronze da Basílica de Nossa Senhora de Nazaré de Belém do Pará, na década de 1950.

Entrave burocrático e falta de recursos emperram a ocupação da Maesa

As obras tiveram início com a estrutura central, produzida entre 1951 e 1953 _ mesma época da fundição do Monumento Nacional ao Imigrante, inaugurado em 1954. O trabalho em bronze fundido agradou tanto que, quatro anos depois, em 1957, a direção do templo encomendou as duas portas laterais. Finalizadas em 1959, elas ficaram expostas durante um mês no prédio da Maesa, antes de serem levadas para o norte do país.

Nesse intervalo, as obras viraram uma espécie de atração, motivando dezenas de fotos dos funcionários do setor de gravação, diretores da empresa e colaboradores que trabalharam em sua confecção. Entre eles, Hugo Seidl, Oscar Martini, Alvis Fiedler, Paulo Marzotto, Adair Sachett, Antônio Vaz, Aldo Marzotto, Rui Raabe, Pedro Longhi, Sadi Zampieri, Francisco Chiarello, Orevil Bellini, José Schwertner, Bruno Segalla e Lidio Panerai.

Leia mais:
Alvis Fiedler e as réplicas da Basílica de Belém do Pará
Eberle: o jubileu de prata de Hugo Seidl em 1952
Setor de gravação da Maesa em 1958
Um sábado ao redor da Maesa

A porta principal, exibida na Maesa em 1953 durante uma solenidade especial com funcionários, diretores e o prefeito Euclides Triches (à esquerda) Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Seis décadas depois

Décadas depois, todo esse rico trabalho foi conferido de perto pelos leitores Raul e Mirlene Rossi, de Caxias do Sul. Há dois anos, o casal visitou a capital paraense e registrou diversas imagens das portas fundidas por aqui há 60 anos, inclusive a inscrição alusiva à metalúrgica caxiense e a data dos trabalhos: Fundição Eberle Maesa - Caxias do Sul, Brasil, MCMLVII-MCMLIX (1957-1959).

Na imagem abaixo, uma das portas recém-colocadas na entrada da Basílica, em 27 de março de 1960. Na imagem vemos os operários do Eberle juntamente com o chefe de seção Oscar Sirena e o coordenador dos trabalhos de fundição Tito Bettini.

Leia mais:
Orevil Bellini: o desenhista do Eberle
Varejo do Eberle: um clássico do Centro
Eberle: a seção de gravação em 1956
As cores e as horas do relógio do Eberle
Getúlio Jacoby da Rosa: um jubileu de prata em 1969

A entrega em março de 1960: Oscar Sirena, Tito Bettini e os operários do Eberle em Belém do Pará Foto: Acervo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Detalhes

O livreto turístico disponibilizado pelo casal Raul e Mirlene Rossi traz os detalhes de cada porta:

:: A mais alta (central) possui 5 metros de altura por 2,5m de largura e 25cm de espessura. Pesa 5,6 toneladas. Na parte superior estão o emblema da Basílica - Salve Regina Mater Misericordiae - e as armas do padres barnabitas, beneméritos da ideia e responsáveis pela execução do monumento. A porta principal apresenta Maria como Rainha de Todos os Santos, Rainha das Virgens, Rainha dos Apóstolos, Rainha dos Anjos, Rainha dos Profetas e Rainha da Paz.

:: A porta da direita proclama Nossa Senhora como Estrela da Manhã, Consoladora dos Aflitos, Refúgio dos Pecadores e Virgem Poderosa.

:: A porta da esquerda contém os painéis de Nossa Senhora do Carmo e São Simão Stock, de Nossa Senhora do Rosário com São Domingos e Santa Catarina, de Nossa Senhora como Rosa Mística, de Nossa Senhora de Lourdes com Bernadette e de Nossa Senhora de Fátima com os três pastores.

Leia mais:
Giovanni Argenta e os primórdios da Catedral Diocesana
Igreja de São Pelegrino nos tempos do pintor Emilio Sessa
São Pelegrino e o novo espaço da Casa de Memória

A construção da nova Igreja Matriz de Galópolis
Inauguração da Igreja Matriz de Galópolis em 1947

Detalhe de uma das portas laterais Foto: Raul Rossi / divulgação
Detalhe da porta lateral, com a inscrição Fundição Eberle Maesa Foto: Raul Rossi / divulgação
Detalhe da inscrição das portas laterais, produzidas entre 1957 e 1959 Foto: Raul Rossi / divulgação
Recordação: Mirlene e Raul Rossi junto às portas da Basílica Foto: Acervo pessoal / divulgação

Em família

O leitor Raul Rossi, que disponibilizou as imagens desta matéria, é um dos cinco filhos de Avelino Rossi, antigo chefe da seção de cortação de aço para forja da Metalúrgica Abramo Eberle. Em maio de 1957, seu Avelino comemorou o jubileu de prata na empresa, recebendo clássico relógio de ouro e um distintivo pelos 25 anos de colaboração.

Leia mais:
Eberle: um relógio de ouro no jubileu de prata
Eberle: o jubileu de prata e ouro de Honório Marotto em 1948
Eberle: a trajetória de Joaquim Barasuol
Olivo Berton e os jubilados do Eberle em 1968
Time de bolão Garra de Ferro, do Recreio Guarany, em 1958

Portas em bronze são um dos destaques da rica arquitetura do templo Foto: Raul Rossi / divulgação
Riqueza de detalhes impressiona os visitantes da Basílica de Nossa Senhora de Nazaré, em Belém do Pará Foto: Raul Rossi / divulgação

Confira outras publicações da coluna Memória

Leia antigos conteúdos do blog Memória

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros