Cadastro tenta adiar saída de moradores de área invadida em Caxias do Sul - Cidades - Pioneiro

Habitação17/11/2016 | 14h22Atualizada em 17/11/2016 | 14h22

Cadastro tenta adiar saída de moradores de área invadida em Caxias do Sul

A prefeitura não promete reassentamento de quem está no loteamento Vila Amélia II

Cadastro tenta adiar saída de moradores de área invadida em Caxias do Sul Divulgação/Divulgação
Foto: Divulgação / Divulgação
Pioneiro
Pioneiro

O compromisso de cadastrar todos os moradores que vivem na área pública do loteamento Vila Amélia II, em Caxias do Sul, deve ser a base de um pedido de adiamento da reintegração de posse em terrenos particulares invadidos na região.

O plano é que o cadastro ajude a inibir novas invasões na parte pública e sirva como argumento para que a Justiça adie a ação, marcada para a próxima segunda-feira. O entendimento da Secretaria Municipal da Habitação é de que, com o adiamento, as famílias tenham mais tempo para buscar alguma moradia popular. A prefeitura não promete reassentamento de quem está na área privada.

Leia mais
Incerteza marca rotina das famílias afetadas pela desocupação no Vila Amélia II
Grande operação marcará remoção de casas de área invadida em Caxias do Sul
Prefeitura e Legislativo devem solicitar mais prazo para reintegração de posse na Vila Amélia II, em Caxias


Ainda na quinta-feira, o secretário de Habitação, Carlos Giovani Fontana, encaminharia um documento com o compromisso dos cadastros para que a Comissão de Direitos Humanos, Cidadania e Segurança da Câmara de Vereadores intercedesse junto ao Judiciário, por meio da Defensoria Pública.

A área pública à qual o secretário se refere é uma extensão na faixa dos antigos trilhos do trem, hoje cobertos, e que pertence à União. Já o espaço privado, alvo da reintegração, acompanha essa faixa. Por isso, apenas 21 casas serão completamente removidas – outras 100 serão reduzidas para que fiquem apenas sobre o espaço público, sem avançar ao privado.

Identificação
O secretário explica que uma empresa selecionada via licitação já trabalha no cadastro das moradias na área pública. Todas receberão uma placa, a exemplo do que ocorreu com aquelas às margens da Rota do Sol (que mudarão para o Rota Nova).

A identificação seria um primeiro passo para a mudança de endereço. O secretário pondera, no entanto, que não há qualquer expectativa de construção de loteamentos populares a curto prazo. Ele acredita que cerca de mil famílias ocupem o espaço público no Vila Amélia II.

— Queremos congelar essa ocupação e, tal qual o Rota Nova, buscar ferramentas para viabilizar novos empreendimentos — salienta Fontana.

A expectativa do presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Rodrigo Beltrão (PT), era encaminhar o pedido de adiamento na quinta:

— Queremos dar um tempo para as famílias e uma oportunidade para o governo eleito se inteirar e ver como pode auxiliar. A relação é particular mas, se a prefeitura quer, ela intervém, troca por índice construtivo, compra a área, faz algo como fez no Monte Carmelo.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros