A trajetória de Domenico Tronca - Cidades - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Memória07/11/2016 | 06h07Atualizada em 07/11/2016 | 09h58

A trajetória de Domenico Tronca

Imigrante italiano teve forte atuação no setor vitivinícola no início do século 20 e contribuiu para a delimitação da Rua Tronca, surgida a partir do loteamento de suas terras 

A trajetória de Domenico Tronca Acervo de família/divulgação
A família Tronca em 6 de janeiro de 1936, durante o aniversário do patriarca Domenico Tronca, no Parque Cinquentenário Foto: Acervo de família / divulgação

Via que compreende trechos dos bairros Lourdes, Exposição, São Leopoldo e Rio Branco, a Rua Tronca têm sua origem intrinsecamente ligada à trajetória do italiano Domenico Tronca. 

Nascido em Caldogno, na província de Vicenza, em 1865, o jovem migrou para o Brasil aos 20 anos, em 1885, já casado com Angela Perosa. Depois de manter um pequeno comércio em Antônio Prado, ele transferiu-se para a antiga Freguesia de Santa Teresa de Caxias, onde adquiriu uma gleba de terra em Santa Corona e deu início à fabricação de vinho.

Após uma breve sociedade com o empresário Luiz Antunes, por volta de 1908 Domenico abriu sua própria cantina, então localizada na área compreendida entre as ruas Tronca, Visconde de Pelotas, Garibaldi e Sarmento Leite.

Nos tempos da Cantina Antunes
A Quinta São Luiz e o Quinta Estação
Cooperativa Vinícola Caxiense em 1960


Visionário, o italiano também organizou uma empresa de transporte por carretas, para escoar a produção de vinhos e iguarias coloniais, e fundou uma tanoaria, onde eram produzidos os barris para o armazenamento da bebida. O imigrante, inclusive, acolheu alguns dos primeiros tanoeiros portugueses que se instalaram nas imediações – e que contribuíram para que a região ficasse conhecida como bairro lusitano.

Leia mais:
Imigração portuguesa: Tanoaria São Martinho em 1948
Izaura Mano Bonho e um Natal em 1944
Baile no Esporte Clube Juventus na década de 1950


Com a venda da Cantina Tronca, em meados de 1929, Domenico somou a seu patrimônio mais uma grande quantidade de terras. Parte delas foi dividida em lotes e comercializada entre os moradores com menos recursos financeiros, que foram abrindo ruas e se estabelecendo na área compreendida entre a atual prefeitura e o quartel.

Nesse trajeto, vale frisar, Domenico também cedeu uma área de 15 mil metros quadrados ao Esporte Clube Juvenil para a prática do futebol – o campo localizava-se nas imediações das ruas Tronca, Marechal Floriano e Sarmento Leite.

O Sport Clube Juvenil na história do futebol caxiense

Em documento registrado em cartório, porém, Domenico condicionava a utilização do terreno, conhecido por Mato do Tronca, exclusivamente à finalidade esportiva. Assim, quando o Clube foi extinto, no início da década de 1930, a área retornou ao antigo proprietário.

Um encontro de família em 1936

Na imagem acima, a família Tronca em 6 de janeiro de 1936, durante o aniversário de 71 anos do patriarca Domenico (ao fundo, em frente ao obelisco).

Entre os descendentes vemos o padre Angelo Tronca (ao lado do avô Domenico), Adelino Tronca, Rosália Sartor, Romana Tronca, Amália Tronca, Mariana Bonollo Tronca, Stefano Tronca, Vanoli Maggi, Nair Tronca, Domingos Tronca, Lady Angelina Maggi, Claire Sartor, Gladis Sartor, Luiz Carlos Tronca, Bortolo Bonollo, Auri Tronca, Dino Maggi, Gildo Tronca, Lilia Tronca e Miro Tronca, além de outros não identificados pela família.

O local, provavelmente, é o Parque Cinquentenário, onde o nome de Domenico estava gravado em bronze na placa alusiva aos pioneiros da colonização italiana (ao fundo da foto). A mesma imagem foi usada como recordação de um encontro de descendentes realizado 45 anos depois, em 1981, no Rincão da Lealdade (foto abaixo).

Leia mais:
CTG Rincão da Lealdade visita a Bahia em 1961
Joaquim Pedro Lisboa, Clóvis Pinheiro e a antiga Página Tradicionalista do Pioneiro 
Rádio Caxias 70 anos: Vem pra Cancha, Amigo

Em 1981, 45 anos depois da foto de 1936, descendentes de Domenico Tronca se reuniram no Rincão da Lealdade Foto: Acervo de família / divulgação

Morte em 1949

Domenico e Angela tiveram oito filhos: João, José, Gildo, Amália, Adelino, Romana, Stefano e Luiz.

O patriarca faleceu em 2 de abril de 1949, aos 84 anos.

Nascido em 1865, Domenico Tronca faleceu em 1949 Foto: Acervo de família / divulgação

Ramificações da família

A partir do casamento dos filhos de Domenico e Angela, os Tronca mesclaram-se a dezenas de outras famílias, conforme descrito abaixo.

:: João Tronca: famílias Pinzon, Leite, Facchin e Moschen

:: Gildo Tronca: (sem filhos)

:: Amália Tronca: família Morais

:: Stefano Tronca: famílias Bonollo, Guerra, Reis, Paim, Cervelin e Panazzolo

:: José Tronca: (sem filhos)

:: Adelino Tronca: famílias Adami, Santos, Facchin, Bonho, Poletto, Romani, Vargas, Oliveira, Mezzomo e Vanoni

:: Romana Tronca: famílias Maggi, Reis, Merlo, Bristot e Henze

:: Luiz Tronca: famílias Cavalcanti, Rossi, Sanvitto, Sartor e Rodrigues 

Leia mais:
Ary Cavalcanti e a Sociedade Marechal Rondon de Arco e Flecha em 1961
Família de Batista Giovanni Facchin em São Marcos da Linha Feijó
A trajetória da família Tessari em livro
Os 80 anos do Círculo Operário Caxiense

Moradores mais antigos

Atualmente, Nina Tronca dos Reis e Alcides Tronca, netos de Domenico, são os membros da família mais velhos a residir na Rua Tronca.

Parceria

Informações desta coluna são uma colaboração dos leitores Luiz Carlos Tronca, Heleno dos Reis e Ana Maria Maggi.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros