Plano aponta 10 pontos críticos na área urbana da BR-116, em Caxias - Cidades - Pioneiro

Trânsito05/10/2016 | 08h37Atualizada em 05/10/2016 | 14h08

Plano aponta 10 pontos críticos na área urbana da BR-116, em Caxias

Material é analisado pelo DNIT, que já aprovou parte dos projetos

Plano aponta 10 pontos críticos na área urbana da BR-116, em Caxias Jonas Ramos/Agencia RBS
Acesso ao bairro Vila Lobos está entre os trechos apontados no relatório produzido pela prefeitura Foto: Jonas Ramos / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Há alternativas para amenizar gargalos do trânsito em 36 quilômetros do trecho urbano da BR-116, entre Parada Cristal e Vila Cristina, em Caxias do Sul. A rodovia que corta a cidade tem dispositivos como sinaleiras e redutores de velocidade, mas ainda há pontos com congestionamentos frequentes ou que colocam pedestres e motoristas em risco. Uma lista elaborada pela prefeitura aponta 10 pontos que exigem melhorias. O levantamento está nas mãos do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), responsável pela rodovia.

Leia mais:
Enem expõe desequilíbrio nas redes, em Caxias do Sul
Promotor da Vara de Execuções Criminais é afastado por injúria contra colegas, em Caxias do Sul

A ideia do município foi adiantar o processo montando projetos ou apontando os gargalos, já que a rodovia é federal e o município não teria condições de pagar as obras.

— Abrimos um canal de negociação. O Dnit pediu que fizéssemos um mapa dos pontos urbanos que têm conflito — diz o secretário do Planejamento,Gilberto Boschetti.

Metade dos pontos elencados ainda não tem projeto no papel: a ideia da prefeitura é tentar que o Dnit se responsabilize também por essa etapa. Os outros cinco foram projetados pelo município por meio de empresa terceirizada que já trabalha de acordo com as normas solicitadas pelo órgão federal. O plano entregue pela prefeitura inclui o ambicioso Contorno Sul, rota alternativa à BR-116, discutida na cidade há pelo menos cinco anos, cujo custo estimado é de R$ 1 bilhão. Os demais, entre elaboração de projetos e a obra, custariam R$ 90 milhões.

Há também locais já aprovados, mas que dependem de dinheiro para sair do papel, caso do acesso ao bairro Planalto, que está com projeto pronto e aguarda liberação do Dnit para ser lançada a licitação.

— É mais fácil conseguir as obras quando apresentamos os projetos — avalia o secretário.

Segundo o Dnit, o plano está em análise, aos cuidados da coordenação de engenharia. Já há materiais aprovados. O departamento não confirmou quando terá condições de liberar recursos.

OS PONTOS


 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros