Jubileu de prata no Eberle em 1969 - Cidades - Pioneiro

Memória17/10/2016 | 07h38Atualizada em 17/10/2016 | 07h38

Jubileu de prata no Eberle em 1969

Aposentado Getúlio Jacoby da Rosa, 88 anos, trabalhou na metalúrgica de 1944 a 1981 

Jubileu de prata no Eberle em 1969 Lídio Provin/Acervo de família,divulgação
Cerimônia no salão nobre: Getúlio Jacoby da Rosa (sentado ao centro) recebe a homenagem e o relógio de ouro pelos 25 anos de atuação no Eberle Foto: Lídio Provin / Acervo de família,divulgação

Os atuais trabalhos de revitalização do antigo complexo da Metalúrgica Abramo Eberle, na Rua Sinimbu, trazem à tona as memórias de quem atuou na empresa. Aliás, quem não passou – ou não conhece alguém que tenha passado – pelo Eberle em algum momento do século 20?

O aposentado Getúlio Jacoby da Rosa, 88 anos, foi um dos tantos jovens que deram entrada na metalúrgica mesmo antes de atingir a maioridade. Em 1944, aos 16 anos, ele iniciou na seção de polidores, onde manteve-se por 13 anos, até ser promovido a mecânico de manutenção.

Um dos momentos marcantes dessa trajetória deu-se em 11 de julho de 1969, quando seu Getúlio foi jubilado e recebeu o relógio de ouro em homenagem aos 25 anos de atuação no Eberle. Ele permaneceu na função até setembro de 1981, quando aposentou-se.

Eberle: um relógio de ouro no jubileu de prata
Eberle: a trajetória de Joaquim Barasuol
O jubileu de prata de Enio Arioli em 1968
Olivo Berton e os jubilados do Eberle em 1968

Na imagem maior acima, a cerimônia de 1969, no salão nobre, localizado no último andar do prédio da Sinimbu. Getúlio (sentado ao centro) aparece junto ao diretor Júlio João Eberle, a diversos chefes de seção e outros funcionários homenageados.

Nos detalhe abaixo, o estojo com o relógio de ouro, o broche e a placa, mantidos pela família até hoje. Eles trazem as iniciais do homenageado, GJR, e a referência ao período (1944-1969).

Lembranças: relógio de ouro com as iniciais GJR, broche e placa integram o acervo Foto: Marcelo Casagrande / Agência RBS
Recordações do trabalho na metalúrgica integram o acervo da família Foto: Marcelo Casagrande / Agência RBS
Broche, relógio e placa alusiva aos 25 anos de atuação no Eberle são mantidos pela família de Getúlio Jacoby da Rosa Foto: Marcelo Casagrande / Agência RBS

Leia mais:
Eberle: o jubileu de prata de Hugo Seidl em 1952
Orevil Bellini: o desenhista do Eberle
Eberle: a seção de gravação em 1956
Eberle: o jubileu de prata e ouro de Honório Marotto em 1948

Na Catedral em 1952: o casamento de Getúlio e Maria José Foto: Acervo de família / divulgação

A família

Getúlio Jacoby da Rosa nasceu em 22 de setembro de 1928 na Fazenda Loureiro, segundo distrito de Bom Jesus. Juntamente com os pais, Manoel Felisberto da Rosa e Idavina de Lima Jacoby, e os sete irmãos, o "vacariano" migrou para Caxias em 1942.

A família fixou-se na Rua Borges de Medeiros, nas proximidades do antigo campo do Juventude, o que despertou no jovem a paixão pelo futebol – ele jogou no Juventus, Floriano, Gianella, Bangu e Cruzeiro do Sul, além de ter atuado como treinador a partir dos anos 1960.

Getúlio Jacoby da Rosa e o Grêmio Esportivo Cruzeiro do Sul em 1956
Juventus: o tricampeonato varzeano em 1954
Esporte Clube Floriano em 1956

O primeiro emprego foi obtido no antigo Curtume Tupy. Porém, como o serviço era bastante insalubre, a mãe não permitiu que o jovem permanecesse no lugar. Getúlio passou, então, a trabalhar na Fábrica de Massas Pasetti, até conseguir uma vaga no Eberle, em 1944.

A antiga padaria e fábrica de massas de Vitorio Pasetti

Já o casamento chegou oito anos depois. Em 27 de dezembro de 1952, Getúlio uniu-se a Maria José de Souza (in memoriam), com quem teve os filhos Leda, Leila (in memoriam), Gilmar e Lilian. Eles lhe deram três netos (Karen, Tiago e Leonardo) e dois bisnetos (Caio e Gustavo).

Casamento de Getúlio e Maria José ocorreu em 27 de dezembro de 1952, na Catedral Diocesana Foto: Acervo de família / divulgação

Leia mais:

Caxias antiga: as cores e as horas do relógio do Eberle
Veteranos do Esporte Clube Floriano em 1972
Futebol amador caxiense em 1977
Os 50 anos da Liga Caxiense de Futebol de Mesa

Confira outras publicações da coluna Memória

Acesse antigos conteúdos do blog Memória

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros