Forte chuva causa estragos em cidades da Serra Gaúcha - Cidades - Pioneiro

Chuva17/10/2016 | 11h55Atualizada em 17/10/2016 | 18h41

Forte chuva causa estragos em cidades da Serra Gaúcha

Há registro de alagamentos e interdição de rodovia

Forte chuva causa estragos em cidades da Serra Gaúcha Bombeiros Voluntários de Bom Princípio / Divulgação/Divulgação
Em Bom Princípio, pelo menos cinco bairros sofrem com alagamentos Foto: Bombeiros Voluntários de Bom Princípio / Divulgação / Divulgação
Pioneiro
Pioneiro

A forte chuva desta segunda-feira causa estragos na região da Serra Gaúcha. Em Nova Petrópolis, os bombeiros voluntários atenderam a pelo menos 15 chamados de alagamentos, a maior parte em porões e garagens. Nenhuma família precisou ser retirada de casa. Além disso, pelo menos duas residências ficaram destelhadas. Por volta de 7h, a Rua Rui Barbosa, centro da cidade, alagou. A parte interna de carros estacionados ficou molhada. Também há problemas em estradas da região. 

Leia mais
Após incêndio, mulher é encontrada morta no interior de Vacaria
BR-116 é bloqueada em Picada Café
Campos da Serra, em Caxias do Sul, luta contra a violência
Motociclista morre em acidente em Caxias

Em Bom Princípio, os bairros Passo Salseiro, Bom Fim Baixo, Vale das Flores, Santa Lucia e Paraíso registram alagamento de córregos e arroios. Os alunos que estudam nessas regiões não terão aulas na tarde desta segunda-feira devido às cheias.

Em Bento Gonçalves, áreas de risco, como os bairros Municipal, Eucaliptos e Vila Nova, estão sendo monitoradas pelos bombeiros e pela Defesa Civil do município.

— Chove muito forte desde o início da manhã, mas não foram registrados estragos grandes. Nosso trabalho hoje é monitorar — explica o coordenador da Defesa Civil de Bento, Miguel Angelo Ehlert.

De acordo com o sargento Ronaldo Gonçalves, do Corpo de Bombeiros de Bento, não foram abertos chamados de alagamentos nem de queda de árvores ou de barreiras. No início da manhã, um poste de energia elétrica foi deslocado por causa do vento forte. A RGE está no local para colocá-lo no lugar.

Em Feliz, o Rio Caí está 3,10 metros acima do nível normal. Segundo os bombeiros, podem ocorrer problemas se o rio estiver mais de 7 metros acima do normal. Por enquanto, também não há chamados por conta de alagamentos.

Em Caxias do Sul, o Corpo de Bombeiros não havia recebido chamados até as 11h30min desta segunda-feira, mas os motoristas devem ter cuidado porque há acúmulo de água em algumas ruas. 

Na escola de educação infantil Caic - Dolaimes Stédile Angeli, no bairro Centenário, os pais dos alunos reclamaram das goteiras e água acumulada nas salas. As aulas não chegaram a ser canceladas, mas os alunos foram readequados nos espaços.

— É um absurdo porque não é a primeira vez que acontece. O teto está podre. Temos protocolos de reclamações na prefeitura desde 2012, mas nada é feito. Os pais já arrecadaram dinheiro para consertar o teto, mas a situação está bem ruim agora — reclama Jenifer da Costa Rampon, mãe da Victória, de três anos, estudante da escola.

Márcio de Oliveira também tem um filho estudando na Caic e deixou a criança em casa ontem, depois de ver como a escola estava pela manhã:

— Meu filho relatou uma vez que quando chove, eles "andam de ladinho na parede". Ou seja, devem ficar desviando das goteiras. Não quis deixá-lo lá naquelas condições.

Por meio da assessoria de imprensa, a secretaria de educação de Caxias informou que uma equipe de manutenção fez um levantamento nas escolas que solicitaram apoio durante o dia de ontem, inclusive na Caic. Nenhuma aula teria sido cancelada e problemas estruturais seriam resolvidos conforme a gravidade.

José Francisco Barden da Rosa, coordenador da Defesa Civil de Caxias, explica que equipes ficaram em alerta durante todo o dia para monitorar áreas de risco e atender a ocorrências. Mas, mesmo com a previsão de chuva para os próximos dias, Barden garante que regiões que historicamente apresentavam problemas em função de temporais, como o bairro Pôr-do-Sol, estão em condições melhores e que o risco, hoje, é menor.

Em Farroupilha, o Corpo de Bombeiros havia recebido seis chamados de alagamentos até as 12h15min, todos de moradias que ficam abaixo do nível da rua ou onde bueiros não foram suportaram a alta quantidade de chuva. Além disso, o Centro de Atendimento ao Cidadão (CEAC), teve de ser fechado e o atendimento, suspenso. A previsão é retomar as atividades ainda nesta segunda-feira.

Já em Garibaldi, há pontos de alagamento nos bairros Centro, Ferroviário, São Francisco, Chácaras e Brasília. O caso mais crítico, segundo os bombeiros, é o bairro Ferroviário. Moradores relatam que a água está empurrando a lama em direção às casas. Em outros pontos, a água já entra em algumas residências, porém com pouco volume.

A chuva também prejudica os motoristas que transiram pela região. Na BR-116 há pelo menos três pontos completamente bloqueados. 

A rodovia está bloqueada no Km 195, em Picada Café, por causa de rachaduras na pista. Não há previsão de liberação.

Em outro ponto, entre os Km 179 e 180 (entre Nova Petrópolis e Caxias, próximo ao Ninho das Águias), o trânsito também está obstruído. Uma árvore caiu na pista. Há, ainda, bloqueio no Km 208, na divisa de Morro Reuter com Picada Café.

 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros