"É preciso rever conceitos sobre saúde privada e pública", diz presidente da Abramge em Caxias - Cidades - Pioneiro

Encontro03/10/2016 | 16h46Atualizada em 03/10/2016 | 18h21

"É preciso rever conceitos sobre saúde privada e pública", diz presidente da Abramge em Caxias

Reinaldo Camargo Scheibe palestrou na CIC nesta segunda-feira

"É preciso rever conceitos sobre saúde privada e pública", diz presidente da Abramge em Caxias Roni Rigon/Agencia RBS
Reinaldo Camargo Scheibe palestrou nesta segunda-feira em Caxias do Sul Foto: Roni Rigon / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

O futuro e os desafios da saúde suplementar foram os temas da reunião-almoço de ontem na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC). O palestrante do encontro, o presidente da Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge), Reinaldo Camargo Scheibe, afirmou que é preciso, urgentemente, rever os conceitos sobre saúde privada e pública no país. A principal justificativa, segundo ele, é que as pessoas estão vivendo cada mais e, com isso, gastando mais com saúde. Atualmente, há 48,5 milhões de beneficiários de planos de medicina cobertos no país.

Leia mais
Seis urnas apresentam problemas em Caxias do Sul 
Secretário de Obras de Caxias é preso fazendo boca de urna
Não votou neste domingo? Imprima e preencha o requerimento de justificativa

— Falando sobre planos, hoje é claro que os recursos são finitos e as despesas infinitas. Já se pensou em acabar com os planos de saúde, mas um levantamento recente aponta que 96% da receita dos principais hospitais do Brasil vem dos planos de saúde. Ou seja: acabar com eles é acabar com o sistema de saúde — afirma o presidente da entidade com 50 anos de atuação.

Scheibe ainda disse que, há anos, planos e hospitais discutem um novo modelo de remuneração para tentar buscar melhorar o sistema. A Abramge está realizando um projeto piloto baseado no DRG (Diagnosis Related Groups) ou, em português, Grupos de Diagnósticos Relacionados. Isso, segundo o palestrante, traria qualidade da assistência e combate ao desperdício, por exemplo. O modelo foi desenvolvido nos EUA para classificar e agrupar pacientes de acordo com o diagnóstico e consumo de bens e serviços.

 Também como proposta, Scheibe apontou o plano acessível. No regional, seria oferecida a cobertura conforme a disponibilidade de equipamentos e infraestrutura da região ou no município, a contratação individual e a coparticipação obrigatória. Já na rede hierarquizada, os acessos seriam pelas especialidades de atenção primária, a contratação também seria individual (possibilitando a coletiva) e a coparticipação facultativa:

— A coparticipação por parte do beneficiário deveria ser melhor aplicada. Devemos parar de dar tudo de graça. O custo da gestão do sistema está pesado para os planos de saúde, ainda mais com a indústria crescendo. A judicialização está matando as prefeituras. 

O valor médio das multas, punições das ações judiciais movidas por beneficiários do Sistema Único de Saúde (SUS) e das operadoras de planos de saúde, de acordo com o presidente da Abramge, gira em torno de R$ 96 mil.

 
 

Siga o Pioneiro no Twitter

Veja também

Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros