Após mais de um mês, criança ferida em incêndio recebe alta do hospital, em Caxias - Cidades - Pioneiro

Boa notícia19/10/2016 | 10h50Atualizada em 19/10/2016 | 12h42

Após mais de um mês, criança ferida em incêndio recebe alta do hospital, em Caxias

Pais e irmão continuam internados. Família ainda precisa de ajuda

Após mais de um mês, criança ferida em incêndio recebe alta do hospital, em Caxias Roni Rigon/Especial
Casa de madeira ficou completamente destruída Foto: Roni Rigon / Especial

Após ficar por mais um mês no Hospital Geral, o menino Henrique Souza de Almeida, um ano, teve alta na terça-feira, em Caxias do Sul. Ele estava internado desde o início de setembro, depois que a casa onde morava com os pais e o irmão de três anos foi totalmente destruída por um incêndio, às margens da ERS-122, em Caxias.

Henrique havia voltado para casa na semana passada, porém teve que retornar ao hospital para realizar um novo procedimento e foi liberado na terça-feira. Ele está na casa de uma tia, irmã de seu pai. Os pais, Eva Franscismara Pires Souza, 20 anos e Gabriel Sales de Almeida, 23, permaneciam internados no quarto do Hospital Pompéia até o fim da manhã desta quarta-feira.

Leia mais
'Eles estão apreensivos', conta familiar de vítimas de incêndio em Caxias do Sul
Quatro pessoas ficam feridas em incêndio em Caxias do Sul
Rios Caí e Taquari começam a baixar na Serra Gaúcha
BR-116 segue bloqueada entre Caxias e Nova Petrópolis, na Serra

O irmão de Henrique, Matheus Souza de Almeida, três anos, também continua internado na UTI do Hospital de Pronto-Socorro (HPS) de Porto Alegre. O caso dele é o que inspira mais cuidados.

A família ainda precisa de ajuda, principalmente de roupas para as duas crianças. Doações podem ser combinadas pelo telefone (55) 9615.0682, com Lenir, a avó dos meninos.  

Relembre o caso

O incêndio que feriu a família ocorreu na madrugada do dia 5 de setembro, em uma casa de madeira, às margens da ERS-122, em Caxias do Sul. A versão dos familiares de Eva e Gabriel é que o casal se acomodou para dormir por volta da 1h daquela segunda-feira.

O primeiro a perceber que a casa de dois cômodos estava em chamas foi Gabriel. Ele despertou a família e carregou as crianças no colo, a fim de tirá-las de dentro da casa. No entanto, a queda das telhas provocou novas labaredas, o que o forçou a família a fugir pela janela.


 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros