Banco da Província do Rio Grande do Sul na Avenida Júlio - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória19/09/2016 | 06h12Atualizada em 19/09/2016 | 06h12

Banco da Província do Rio Grande do Sul na Avenida Júlio

Agência foi o primeiro estabelecimento bancário instalado em Caxias do Sul, em 7 de setembro de 1910

Banco da Província do Rio Grande do Sul na Avenida Júlio Reprodução/Agencia RBS
Prédio situava-se na Av. Júlio, entre as ruas Borges de Medeiros e Alfredo Chaves, e passou por diversas alterações na fachada Foto: Reprodução / Agencia RBS

O Banco da Província do Rio Grande do Sul foi a primeira agência bancária instalada em Caxias do Sul e sua chegada data de 1910, mesmo ano em que o trem apitou pela primeira vez, marcando a elevação do município à categoria de cidade.

Localizado na Av. Júlio de Castilhos, entre as ruas Alfredo Chaves e Borges de Medeiros, o imponente prédio em alvenaria foi inaugurado em 7 de setembro daquele ano, durante pomposa solenidade presidida por seu diretor, Antonio Ribeiro Vasconcelos. Naqueles primórdios, a gerência foi confiada ao senhor João Pinto Ribeiro Filho, tendo como auxiliares Saturnino Ramos (na contadoria), Inácio Guimarães (na tesouraria) e Sabino Lubisco (como escriturário).

Conforme destacado pelo jornalista e escritor Duminiense Paranhos Antunes, o Banco da Província também foi o responsável pela instalação e exploração da primeira usina hidroelétrica para fornecimento de força e luz a Caxias, cujos serviços foram inaugurados em 1913. Naquele mesmo ano, Saturnino Ramos assumiu a gerência, permanecendo no cargo até 1920.

Nos anos posteriores, até meados dos anos 1950, a agência esteve sob o comando de outros três destacados representantes: João Augusto Ahrends, Guido Bragnagnolo e Ocidentino Carneiro da Fontoura. 

Leia mais:
Caxias das antigas agências bancárias
De volta ao prédio do Banrisul em 1947
Caxias pelas lentes do fotógrafo Reno Mancuso
Os preferidos dos caxienses em 1954
Os antigos concursos de robustez infantil
Pisando em uvas na Praça Dante Alighieri

O prédio em 1918, em uma Júlio de Castilhos ainda de chão batido Foto: Domingos Mancuso / Acervo de Renan Carlos Mancuso,divulgação

As fases do prédio

A alternância de gerentes à frente do banco coincidiu com as várias mudanças em sua estrutura física – que acompanhava o visível crescimento da cidade. Na foto acima, do fotógrafo Domingos Mancuso, vemos o banco por volta de 1918, em uma Av. Júlio ainda de chão batido, casarões de madeira e tráfego constante de animais.

O mesmo ângulo foi captado pelo filho Reno Mancuso por volta de 1947, já com visíveis alterações na via, como o calçamento, os canteiros centrais e o paisagismo (foto abaixo), surgidos na gestão de Dante Marcucci (1935-1947).

Na foto que abre a matéria, o banco com a fachada totalmente alterada e o letreiro art decó acompanhando boa parte de sua extensão, no início dos anos 1950. O prédio foi demolido em meados da década de 1960, cedendo espaço desde então ao Edifício... Província. 

Leia mais:
Ferragem Caxiense em 1947
Nos tempos do Varejo do Eberle
Real Hotel, um clássico do Centro
Brasdiesel, um marco de Caxias e do país
Jardins da Praça Dante Alighieri nos anos 1950

O prédio por volta de 1947, em uma Júlio de Castilhos já urbanizada, com canteiros e calçamento Foto: Reno Mancuso / Acervo de Renan Carlos Mancuso,divulgação

Colaboração

Com informações da publicação ¿Documentário Histórico do Município de Caxias do Sul (1875-1950)¿, do jornalista Duminiense Paranhos Antunes.

Leia mais:
Acrobatas alemães agitam o Centro de Caxias em 1957
Faquirismo: jejum, serpentes e uma cama de pregos em 1958
Um coreto no coração da Praça Dante Alighieri em 1914
Imigração portuguesa: Tanoaria São Martinho em 1948
Time de Bolão Garra de Ferro, do Recreio Guarany, em 1958

Confira outras publicações da coluna Memória

Acesse conteúdos antigos do blog Memória

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros