As bodas de vinho do casal Sangali, em Veranópolis - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Memória25/05/2016 | 06h04Atualizada em 25/05/2016 | 06h04

As bodas de vinho do casal Sangali, em Veranópolis

Encontro ocorre neste domingo, dia 29, na chamada Terra da Longevidade, reunindo os sete filhos, 15 netos e sete bisnetos 

As bodas de vinho do casal Sangali, em Veranópolis Não se aplica/Arquivo Pessoal
O casal durante o casamento em 1946. Foto: Não se aplica / Arquivo Pessoal

A promessa firmada, "na alegria e na tristeza, na saúde e na doença", é cumprida à risca por um casal de Veranópolis. Avelino Sangali, 91, e Helena Lucchini Sangali, 88, estão completando 70 anos de união. E as bodas de vinho serão festejadas neste domingo, dia 29. Haverá missa, às 10h30min, no oratório de Santa Rita de Cássia. Após, os convidados serão recepcionados no salão da comunidade. A comemoração reunirá os amigos e boa parte da família. São sete filhos, 15 netos e sete bisnetos. 

O único namoro, ainda na década de 1940, resultou no matrimônio, ocorrido há exatos 70 anos, em 25 de maio de 1946. Desde então, seu Avelino e dona Helena nunca mais se separaram. Porém, nem tudo foi fácil na vida do casal. Aos 17 anos, Avelino já havia perdido a visão de um olho em decorrência de uma catarata. Aos 49, teve o problema agravado: sofreu um acidente enquanto trabalhava e ficou completamente cego. 

- No momento mais complicado, a união foi ainda mais fortalecida - conta, emocionado, o filho Paulo.

As adversidades e a idade avançada do casal não impedem uma vida ativa. Avelino mantém uma rotina agitada: produz cestas de vime, atividade que realizava à época em que sua vista foi prejudicada. Helena mantém o ritmo de sempre, cuidando da casa e da família.

A coluna felicita os "noivos" e deseja uma boa festa para toda a família. Ah, sim, não por acaso, toda essa história tem como cenário a bucólica Veranópolis, nacionalmente conhecida como a Terra da Longevidade. 

Veranópolis eternizada pelas lentes de Elígio Parise

Avelino e Helena comemoram 70 anos de casamento domingo, dia 29. Foto: Não se aplica / Arquivo Pessoal

Pelo Rio Grande

Desde 2014, as colunas Memória, do Pioneiro, e Almanaque Gaúcho, de Zero Hora, vem publicando aniversários de casamento que ultrapassam as bodas de ouro. Em 2014, o casal Claudino e Hermínia Dall' Alba, de Ana Rech, também celebrou as Bodas de Vinho, pelos 70 anos de união.

Os Dall' Alba: bodas de vinho movimentam Ana Rech

Pelo Estado, essa conquista rendeu ainda as comemorações de Ignácio Alcides e Vilma Ost, de São Paulo das Missões, em 2015; Santo e Maria Moterle, de São João da Urtiga, em 2015; e João Paviani e Cecilia Bisinella Pavian, de Nova Pádua, em 2013. 

Já em 2015, recordamos da história mais longeva até então: as bodas de manjerona, pelos 73 anos de casados, de Carlos Candido Finimundi e Ellide Genoepha Marolli Finimundi. O casamento ocorreu em 13 de outubro de 1942.

Bodas de manjerona: uma trajetória iniciada em 1942

Casamento duplo de gêmeos agita Farroupilha em 1955

Depois dos 50

50 - Bodas de ouro

55 - Bodas de ametista 

60 - Bodas de diamante

65 - Bodas de ferro

66 - Bodas de ébano

67 - Bodas de neve

68 - Bodas de chumbo

69 - Bodas de mercúrio

70 - Bodas de vinho

71 - Bodas de zinco

72 - Bodas de aveia

73 - Bodas de mogno (ou manjerona)

74 - Bodas de macieira

75 - Bodas de brilhante

76 - Bodas de cipreste

77- Bodas de alfazema

78 - Bodas de rosas (ou benjoim)

79 - Bodas de veludo (ou café)

80 - Bodas de nogueira (ou carvalho)

85 - Bodas de girassol

90 - Bodas de álamo

100 - Bodas de jequitibá

Informações desta coluna são uma colaboração do colega Ricardo Chaves, titular da coluna Almanaque Gaúcho, de Zero Hora.

Confira outras publicações da coluna Memória

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros