Família abre caixão e descobre corpo de vítima de assassinato dentro de saco plástico em Canela - Cidades - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Velório09/11/2015 | 18h55

Família abre caixão e descobre corpo de vítima de assassinato dentro de saco plástico em Canela

Rogério Pereira, 35 anos, foi assassinado a tiros na frente de uma boate

Pioneiro
Familiares e amigos de Rogério Pereira, 35 anos, assassinado a tiros na frente de uma boate na madrugada de domingo, em Canela, se assustaram com a cena durante o velório nesta segunda-feira. Ao abrirem o caixão para a despedida final, descobriram que o corpo do homem estava nu e sujo de sangue. Pior: o cadáver havia sido colocado dentro de um saco plástico preto fechado, procedimento geralmente adotado para cadáveres com mutilações ou em adiantado estado de decomposição, o que não era o caso de Pereira. 

— Foi a coisa mais horrível. Minha prima (irmã de Pereira) desmaiou, teve gente que deixou o velório. Queremos dignidade para a pessoa mesmo depois de morta. Isso não se faz — desabafou o primo da vítima, Manoel Pereira.

Os parentes do homem só descobriram o problema por volta das 9h30min, pouco antes do enterro. Eles imaginavam que Pereira tinha recebido um tratamento tradicional dispensado aos falecidos pois contrataram os serviços da funerária.

— O caixão foi deixado lacrado para velório na capela, e a funerária disse que não podíamos abrir. Pensamos que era assim mesmo. Mas a mãe dele (da vítima) ficou desesperada e pediu para ver o filho na despedida. Daí tiramos os lacres e para nossa surpresa ele estava assim — indigna-se Manoel.

O caso foi registrado na delegacia da Polícia Civil, que também investiga o assassinato. De acordo com o delegado Vladimir Medeiros, Pereira atuava como segurança na boate Positive e levou quatro tiros por volta das 3h de domingo. Segundo relatos de testemunhas para a polícia, três homens chegaram num Corsa verde em frente à casa noturna. Um deles desembarcou do veículo e atirou. O principal suspeito do crime já foi identificado. A principal hipótese é de que uma desavença motivou o assassinato.

Sobre o velório, porém, o delegado não se manifestou porque não tinha conhecimento da ocorrência. A proprietária da funerária Divina Paz, Nanci Bohrer, admite que ele foi velado dentro de um saco plástico preto fechado. O material foi usado para remoção da vítima do Instituto Geral de Perícias (IGP) de Taquara, onde foi feita a autópsia, até a funerária em Canela. Nanci alega que o rapaz foi alvejado no rosto e, por isso, dificultaria a reconstituição para o velório.

— A tendência nestes casos é que fique saindo sangue sem parar. Não há como enxugar todo o sangue do rosto ou reconstitui-lo — descreve.

A orientação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é que todos os restos mortais sejam higienizados, com procedimentos como antissepsia, para deixá-los em melhor estado de conservação. Também indica a tanatopraxia, emprego de técnicas que reconstruam as partes do corpo, usando também o embelezamento por necromaquiagem.

Notícias Relacionadas

Violência 08/11/2015 | 10h30

Desavença pode ter motivado assassinato de segurança de boate em Canela

Rogério Pereira foi baleado na frente de casa noturna

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros