Juventude demora para acordar e perde para o Brasil-Pel no Alfredo Jaconi - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Série B10/10/2020 | 13h05Atualizada em 10/10/2020 | 13h08

Juventude demora para acordar e perde para o Brasil-Pel no Alfredo Jaconi

Apesar da pressão alviverde na segunda etapa, time do técnico Pintado foi derrotado no duelo gaúcho

Juventude demora para acordar e perde para o Brasil-Pel no Alfredo Jaconi Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

O Juventude não conseguiu manter a sua boa fase na Série B de 2020. Pelo menos, nos resultados. Contra o Brasil-Pel, no clássico gaúcho dentro do Alfredo Jaconi, o time alviverde sofreu dois gols logo no início e, mesmo com uma boa atuação na segunda etapa, acabou derrotado por 2 a 1. Matheus Oliveira marcou os dois do Xavante e Wagner descontou para o Ju. 

Leia Mais
Na mira de clubes da Série A, Breno não será emprestado pelo Juventude

O Ju teve o atacante Breno expulso e reclamou muito de um pênalti não marcado pelo árbitro Daniel Nobre Bins na reta final da partida. Com o resultado, a equipe do técnico Pintado deixa o G-4 e momentaneamente ocupa a sexta colocação, com 23 pontos. Na próxima rodada, sexta-feira (16), às 21h30min, o Juventude enfrenta o Cruzeiro, no Estádio Mineirão, pela 16ª rodada.

A partida matinal no Jaconi começou movimentada. Logo aos cinco minutos, Renato Cajá passou por dois marcadores e serviu Breno nas costas da zaga. O atacante finalizou cruzado para fora. Se o Ju desperdiçou a oportunidade, o Xavante não. Aos sete, em falha coletiva do setor defensivo, Luiz Henrique ganhou de Wellington Silva e achou Matheus Oliveira, que recebeu livre na área e só tirou de Luís Carlos: 1 a 0.

Para piorar, aos 12, outra falha defensiva de Wellington Silva. O lateral, novidade na escalação na vaga de Igor, suspenso, perdeu para Danilo Gomes e na sequência entrelaçou as pernas com o atacante, que caiu na área. O árbitro Daniel Nobre Bins marcou pênalti. Matheus Oliveira deslocou Luís Carlos na cobrança e marcou o segundo.

A partir daí, o jogo ficou do jeito que os visitantes queriam. Com todo o time atrás da linha da bola, o Brasil praticamente só se defendeu e explorou erros do Ju. Além disso, fechou a possibilidade de troca de passes na área central da intermediária. Com isso, restavam à equipe de Pintado os cruzamentos para a área e finalizações de longa distância, sem levar perigo ao goleiro Rafael Martins.

As oportunidades só foram aparecer na reta final da primeira etapa. Aos 42, Cajá dominou na intermediária e chutou de pé esquerdo para defesa firme do goleiro pelotense. Aos 47, o Ju chegou bem pelo lado esquerdo. Dalberto deixou de calcanhar e Helder cruzou na segunda trave. Wellington Silva apareceu nas costas da defesa e cabeceou no contrapé do goleiro, mas rente à trave.

Na volta do intervalo, com Tarta na vaga de João Paulo, a reação do Ju foi imediata. Helder cruzou da esquerda e Wagner apareceu como fosse centroavante para cabecear para a rede: 2 a 1. O gol não mudou o cenário da partida. O Juventude com o controle da posse de bola e o Xavante apenas se defendendo e explorando os contra-ataques.

Aos nove, Bochecha perdeu no meio-campo e o Brasil saiu com velocidade para o ataque. Luiz Henrique, livre na área, finalizou cruzado e Luís Carlos fez grande defesa. A resposta do Ju veio aos 13. Wagner cobrou falta da direita e Nery Bareiro subiu livre para cabecear. Rafael Martins evitou o empate com uma grande defesa.

Aos 17, o Juventude fez uma grande jogada. Após troca de passes com velocidade, Tarta encontrou Wellington Silva livre na área. O lateral, cara a cara com Rafael Martins, devolveu para Tarta. que mandou para fora. No minuto seguinte, no contragolpe, Luiz Henrique saiu nas costas de zaga e perdeu grande chance de ampliar ao parar na defesa de Luís Carlos.

O jogo ficou aberto e o time alviverde cresceu na partida. Em cobrança de falta frontal, Tarta quase empatou. Aos 23, Wellington Silva fez boa jogada individual, mas na hora da finalização errou o cruzamento. A situação alviverde ficou mais complicada aos 32. Breno parou o contra-ataque do Xavante com falta e recebeu o segundo cartão amarelo. Foi expulso.

Mesmo assim, o ímpeto alviverde prosseguiu. Aos 38, Capixaba deu uma linda caneta em Matheus Mendes e chutou cruzado. Rafael Martins defendeu com o pé. Com o domínio territorial, mesmo com um a menos, o Ju pressionou até o final.

Aos 46, Roberto cruzou e Samuel cabeceou no contrapé do goleiro. Rafael Martins voou e fez um milagre. No rebote, Capixaba tentou de novo de cabeça e o camisa 1 do Brasil espalmou para fora. Durante os seis minutos de acréscimos, o Juventude ficou no campo de ataque, mas o gol não saiu. Foi a primeira derrota em casa da equipe de Pintado na Série B.

Ficha técnica
Juventude
: Luís Carlos; Wellington Silva (Roberto, 44/2º), Wellington, Nery Bareiro e Helder; João Paulo (Tarta, int.), Gustavo Bocheca (Samuel Santos, 33/2º) e Renato Cajá (Capixaba, 17/2º); Wagner, Dalberto e Breno. Técnico: Pintado

Brasil-Pel: Rafael Martins, Felipe (João Ananias, 40/2º); Leandro Camilo, Heverton e Alex Ruan (Matheus Mendes, 27/2º); Sousa, Bruno (Simião, 15/2º); Jarro, Matheus Oliveira (Gegê, 27/2º) e Danilo Magalhães; Luiz Henrique. Técnico: Hemerson Maria.

Gols: Matheus Oliveira (B), aos 7min, e aos 13min, de pênalti, no primeiro tempo. Wagner (J), aos 35seg, do segundo tempo.
Árbitro
: Daniel Nobre Bins, auxiliado por André Bittencourt e Fabrício Baseggio.
Expulsão: Breno (J).
Amarelos: JoãoPaulo (J); Matheus Oliveira, Alex Ruan, Rafael Martins, Sousa (B)
Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul.

Leia Também
ACBF vence o Foz Cataratas e assume a liderança do Grupo B na Liga Nacional

 



 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros