Em momentos diferentes da história, como as torcedoras vivenciaram o dia a dia do Caxias  - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Elas e o esporte #201/10/2020 | 06h00Atualizada em 01/10/2020 | 22h49

Em momentos diferentes da história, como as torcedoras vivenciaram o dia a dia do Caxias 

Vanda Dal Monte, representante da primeira ala feminina grená, e Larissa de Lima, atual integrante da torcida organizada do clube, relatam experiências na arquibancada 

Em momentos diferentes da história, como as torcedoras vivenciaram o dia a dia do Caxias  Porthus Junior/Agencia RBS
Vanda Dal Monte, 82 anos, é torcedora do Caxias desde a infância Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Elas são a voz feminina da arquibancada. Viajam, cantam, apoiam, gritam, se alegram e, acima de tudo, torcem. Torcem pelo sucesso de seus clubes do coração. E não é de hoje.

Leia mais:
Gandulas da dupla Ca-Ju expõem vivências da função 

O lado grená de Caxias do Sul teve sua primeira ala feminina quando a instituição ainda levava o nome de G.E. Flamengo. Conforme o historiador do Caxias, Jorge Roth, essas mulheres integravam a Torcida Organizada da SER Caxias (Tosca) — fundada nos anos 70.

Vanda Dal Monte, 82 anos, foi uma das integrantes desse grupo. Ela conta que nasceu apenas três anos depois da fundação do clube e, desde criança, alimenta o amor pelo time grená.

— Eu sou sócia a vida toda. Vou para o campo desde jovem, nem lembro direito. Só não fui esse ano, por causa da covid-19, mas estou sempre aqui de olho no Caxias. Sempre torcendo — conta.

Quando ela integrou a primeira torcida feminina do clube, os tempos eram outros. Mas, o amor, com certeza, sempre foi o mesmo:

— Nós botávamos as fitinhas, na entrada do campo, nos paletós, na lapela, para ganhar um troquinho. Quando fecharam embaixo da arquibancada, fizemos as coisas para os quartos dos jogadores, ajudamos a fazer os lençóis. Então, a gente sempre ajudou.

Integrantes do Comando Feminino da Torcida Organizada Falange Grená. <!-- NICAID(14587068) -->
Núcleo feminino dentro da torcida Falange Grená existe há quatro anosFoto: Arquivo Pessoal / Larissa Maria de Lima

Nos dias de hoje, as gurias continuam representadas. Agora, dentro da Torcida Organizada Falange Grená. Há o Comando Feminino, composto por cerca de 20 meninas. A fundação do núcleo ocorreu em 2016, com o intuito de expor o amor delas pelo Caxias.

— O futebol é um esporte nascido para homens, mas, com o tempo, a mulher começou a torcer, acompanhar, vibrar e participar efetivamente, seja na diretoria dos clubes ou nas arquibancadas. As arquibancadas têm o ar machista, mas os tempos mudam. Mostramos que o esporte, em específico o futebol, é para todos e para todas — descreve a torcedora Larissa Maria de Lima, que integra o Comando Feminino há quatro anos.

Ela conta que, como torcedoras, elas já sentiram na pele o machismo. No entanto, lutam para que isso não se repita nos dias de hoje:

— Já houve situações em que sofremos (com o machismo). Mas trocamos ideias com outros e outras integrantes, para que isso não exista mais.

Larissa também reitera que elas são torcedoras e estão ali apenas pelo clube e para apoiá-lo em todos os momentos.

—  No momento em que estamos no estádio, seja em casa ou fora, não é o gênero que vai fazer torcer menos ou torcer mais. Estamos ali pelo clube. Estamos ali pelo Caxias. Indiferente do gênero, somos todos grenás. 

São duas gerações completamente distintas. Torcedoras que nasceram em épocas diferentes. Até o clube passou por mudanças. Era Flamengo, na época de Vanda. É Caxias, na vida de Larissa. A única coisa que elas têm em comum é o amor pelo futebol, pela arquibancada e pelo time grená. 

Confira algumas fotos da primeira ala feminina do Caxias:

Ouça o especial:

Leia também:
No aguardo do sorteio, saiba o que pode vir no caminho do Juventude na Copa do Brasil
Ouça o gol do Juventude na vitória contra o Operário-PR

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros